Pular para o conteúdo principal

COMPULSÃO POR DOCE É PROBLEMA DE BILIS! BILISCAR ENTRE AS REFEIÇÕES

Tanto homens quanto mulheres sofrem com a tentação

Saiu uma reportagem/post no Fique informa relacionando as atividades físicas com a perda da compulsão por doces, ou pelo menos a redução… Como alguém que está sempre atento na balança, me pareceu interessantíssimo! Aplicando a premissa básica da Mídia, e principalmente da blogagem, do nada se cria, tudo se copia (copeia!), vai alguns trechos (mentira, é tudo na caradura mesmo!):

Por Profª Esp. Denise Carceroni

A compulsão por doces é uma doença que afeta principalmente mulheres jovens e adultas, apesar de acometer uma parcela significativa da população, ainda é pouco estudada. É preciso entender que não basta ter uma vontade enorme de comer doces para o comportamento ser considerado patológico, existem características bastante específicas. Seu tratamento envolve uma equipe multidisciplinar e o exercício pode ser usado para combatê-la.

Comportamento compulsivo

São hábitos aprendidos, seguidos por alguma gratificação emocional, normalmente um alívio de ansiedade e/ou angústia. Ele se caracteriza por ser repetitivo e por se apresentar de forma freqüente e excessiva. Apesar do comportamento compulsivo gerar um alívio imediato, ele não trás prazer.

Compulsão por doces

A compulsão por doces é uma das variações do Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (TCAP), você pode ler mais sobre esse transtorno que engloba a compulsão por qualquer tipo de alimento, sem tentativas de perda de peso, como ocorre com o bulímico nervoso conforme explicado abaixo :

TCAP – Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica
Quando os episódios de compulsão alimentar ocorrem numa freqüência de dois dias por semana, por no mínimo 6 meses, associados a perda de controle de alguma maneira e não são seguidos de tentativas de compensação e perda de peso, trata-se de uma síndrome denominada Transtorno da Compulsão Alimentar (TCA). (VITOLO et al, 2006). Este transtorno foi descrito pela primeira vez nos anos 1950. No entanto, foi apenas nos anos 1990 que este problema teve seu potencial patológico reconhecido, e sua caracterização colocada em pauta de estudos.
Trata-se da ingestão demasiada de alimentos, quaisquer que sejam eles, em um período determinado de tempo (estimado em 2 horas). Os episódios são acompanhados pela sensação de perda de controle do que foi ingerido e sua quantidade, sentimento de alívio, mas que não traz prazer. O indivíduo percebe que o que faz não tem sentido algum, mas mesmo assim, por ser uma compulsão, os episódios são recorrentes e contínuos. A compulsão alimentar traz sentimentos de angústia, vergonha, nojo e culpa. (AZEVEDO et al, 2004).

É importante citar que a ingestão demasiada de alimentos não é seguida por tentativas de perda de peso e compensação do que foi ingerido, diferenciando o compulsivo alimentar do bulímico nervoso. Normalmente, os portadores de TCAP têm IMC maior do que os com BN (Bulimia Nervosa), além disso, estes últimos apresentam maiores níveis de restrições
Especialistas em nutrição baseados em estudos e entrevistas feitas com mulheres concluíram que a compulsão por doces está ligado à problemas psíquicos e orgânicos.
Sintomas
  • Ingestão demasiada de doces.
  • Em curto período de tempo (cerca de duas horas).
  • Os ataques ocorrem ao menos duas vezes por semana.
  • O problema persiste por pelo menos seis meses.
Causas
Uma das causas estudadas está relacionada ao desequilíbrio na produção da Serotonina, um neurotransmissor relacionado ao sistema de alerta do cérebro, com efeitos sobre o apetite.
A glicose carrega para o cérebro o triptofano, uma substância precursora da serotonina. A redução desse neurotransmissor causa mal humor e ansiedade e com isso a necessidade de obter algum tipo de compensação. Neste caso por doce.
O doce também é usado como forma de compensação durante nossa vida: o leite adoçado da mamadeira, o doce dado à criança, o bombom recebido do namorado. Ele adquire um significado afetivo na maioria das famílias, na falta do afeto busca-se o doce como forma de compensá-lo.
Não só de compulsão por doce que escalador sofre!
Vontade é diferente de compulsão
É importante observar que podem ocorrer episódios isolados que levem à ingestão descontrolada de doces, mas por não ocorrerem com frequência não podem ser considerados comportamento compulsivo. Neste caso a diminuição da serotonina também pode ser responsável.
Um bom exemplo são as alterações hormonais que ocorrem durante o ciclo menstrual e que pode afetar a ação de neurotransmissores como a serotonina. Sabe-se que o chocolate também ajuda no aumento na produção desse neurotransmissor o que pode explicar o desejo específico por esse tipo de doce, em alguns casos.
E pro post não ficar machista, uma foto de um homem relacionado a doces...
Exercício no combate à compulsão por doces
Durante a prática de exercícios físicos o cérebro produz serotonina, o que leva à sensação de bem estar. Aumentando a concentração da serotonina seu organismo vai pedir menos doce, o que pode ajudar no controle da compulsão.
O exercício sozinho pode não ser suficiente para resolver o problema, nesse caso é preciso buscar ajuda do psiquiatra, do psicólogo e do nutricionista, para que seja feito um tratamento adequado.

Nota do Copiador (vulgo Eu): Se você está querendo parar de comer doces, sugiro que comece a escalar, pois na escalada ou você fecha a porra da boca, ou vai continuar mandando 5 grau pra sempre!!!!!! Ou então vc substitui gradativamente por algum outro esporte. Abaixo uma sugestão:



Fonte:usprodrigo-http://enquantoissonaomuitolongedali.wordpress.com/

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …