Pular para o conteúdo principal

PORQUE DIETAS NÃO FUNCIONAM E A RAZÃO DO EFEITO SANFONA



Quer perder algumas células de gordura? Sem chance.
Você vai continuar com o número de células de gordura que adquiriu até aproximadamente seus 20 anos, descobriu um novo estudo.

Pesquisadores já sabiam que as pessoas ganham e perdem peso, ao menos em parte, mudando a quantidade de gordura dentro de suas células de gordura. A nova descoberta é particularmente importante para pessoas obesas que possuem, segundo os pesquisadores, o dobro de células de gordura que as pessoas magras.
A descoberta também sugere que a obesidade na idade adulta é, ao menos parcialmente, determinada pela dieta e exercícios na época da infância.

Estudo estranho

Para determinar a idade das células gordurosas em 35 voluntários, os pesquisadores focaram em um marcador encontrado nas células de gordura — carbono radioativo de testes nucleares das décadas de 1950 e 60. É um raro tipo de carbono, porém natural, chamado carbono 14, que foi produzido durante os testes.
Bruce Buchholz, químico do Lawrence Livermore National Laboratory, nos EUA, explicou como sua equipe utilizou o marcador para fazer sua descoberta.
Nossos corpos incorporam o carbono 14 da comida que ingerimos juntamente com os vastamente mais abundantes outros tipos de carbonos (12 e 13). Como o carbono 14 dos testes diminui com o tempo, a quantidade de carbono 14 que a célula absorve é como um carimbo com a “data de fabricação” de quando a célula se formou, disse Bruce.

Os pesquisadores sabiam que estas células estavam morrendo e sendo substituídas ao longo do tempo, pois pessoas nascidas antes dos testes nucleares tinham células que foram criadas depois dos testes. Os cientistas também descobriram que cerca de 10% das células de gordura foram substituídas a cada ano se o voluntário fosse obeso ou não.

Apesar desta taxa de substituição, outro aspecto do estudo com uma amostragem de pessoas maior, mostrou que o número total de células de gordura por pessoa permaneceu relativamente constante ao longo do tempo. Mesmo com estratégias de perda de peso extremas como cirurgia bariátrica não reduziu o número de células de gordura nos voluntários.
A-há!
O número firmemente regulado de células de gordura na idade adulta pode explicar porque parece fácil ganhar o peso que foi perdido, disse Bruce.
Se você já possui mais células de gordura criadas na adolescência do que outras pessoas “é mais difícil de tornar-se magro”, disse Bruce.
O estudo levantou um novo mistério: Algo diz ao corpo para criar uma nova célula de gordura assim que outra morre. No futuro, se os cientistas puderem interferir neste processo, pode ser que eles consigam reduzir o número de células de gordura em adultos, ele disse.
As descobertas, detalhadas na edição online da revista científica Nature, sugerem que o foco para controlar a obesidade deve ocorrer na infância. Se o número de células de gordura é limitado aos 20 anos de idade seria uma abordagem inteligente prevenir sua formação nas crianças.
A prevenção contra a obesidade nos primeiros anos podem ter um impacto que dura a vida toda. [Fonte]

Saiba por que algumas dietas causam o temido “efeito sanfona”



Você conseguiu perder peso mas apenas algumas semanas depois os pneuzinhos já estão de volta? A causa pode ser hormonal.
Um novo estudo confirmou que os hormônios do apetite, a leptina e a grelina, estão ligados com o Dfamoso efeito sanfona. Esse ganho de peso após o emagrecimento normalmente é notado em pessoas que seguem dietas mais rigorosas e apenas em alguns pacientes.
Os pesquisadores então analisaram os hormônios de 104 pacientes obesos que estavam fazendo uma dieta de baixas calorias. Depois de dois meses de observação alguns pacientes haviam ganho até 10% a mais do peso que perderam com a dieta, e eles possuíam níveis mais altos de leptina e mais baixos de grelina.
Os níveis de grelina ainda eram mais impactantes nas mulheres, enquanto a leptina influenciava o peso dos homens.
O estudo indica que os níveis hormonais dos pacientes devem ser analisados antes que eles iniciem uma dieta. Assim, médicos e nutricionistas podem analisar dietas personalizadas para que essas pessoas não ganhem mais peso do que perdem. [ScienceDaily]


Emagrecer sem dietas é possível

Pesquisadores australianos pensam ter encontrado o segredo para que humanos possam emagrecer sem dieta. Eles descobriram que se pode acelerar o metabolismo com a manipulação genética das células adiposas.
Comendo a mesma quantidade de alimento que os demais ratos, aqueles que tiveram inibida a codificação da produção da enzima conversora da angiotensina (ECA) gastaram mais energia e ganharam menos peso. Eles exibiram 60% menos gordura corporal e 20% a menos de peso que os demais.

A nova descoberta pode levar a novas drogas de perda de peso e outras que lutem contra a diabetes. O fato do metabolismo dos ratos haver acelerado pode facilitar o processamento do açúcar e diminuir a incidência de diabetes.
Já existem medicamentos inibidores da ECA no mercado, porém são utilizadas por hipertensos. O novo estudo mostra que talvez elas possam ser utilizadas também como pílulas emagrecedoras, mas não há dados concretos.
O estudo foi realizado no Howard Florey Institute, em Melbourne, na Austrália e publicado na última edição da revista Proceedings of the National Academy of Sciences. [
Fonte]


Fonte:http://hypescience.com/

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …