Pular para o conteúdo principal

CRIANÇAS OBESAS NÃO DEVEM FRACIONAR ALIMENTOS




Comer pequenas porções diversas vezes ao dia tem sido apontado como a melhor estratégia para a manutenção do metabolismo saudável. Contudo, uma nova pesquisa da Universidade do Missouri sugere que, no caso de mulheres obesas, essa pode não ser uma boa ideia. “Nossos dados sugerem que, para elas, comer menos vezes, mas em quantidades maiores, é mais vantajoso”, diz Tim Heden, principal autor do estudo, publicado na edição deste mês da revista Obesity.

O pesquisador, que é aluno de doutorado do Departamento de Nutrição e Fisiologia do Esporte da Universidade do Missouri, diz que ingerir porções generosas, porém apenas três vezes por dia, abaixa o nível de gordura no sangue das obesas. “Com isso, há um risco menor de desenvolvimento de doenças cardíacas”, afirma.
Haden e outros pesquisadores da universidade investigaram como a quantidade de refeições diárias afetava os níveis de açúcar e de gordura no sangue de oito mulheres obesas. Todas consumiram 1,5 mil calorias no período do estudo. No primeiro teste, essa quantidade de energia foi fracionada em três refeições de 500 calorias. A outra fase dividiu o total em seis porções menores, de 250 calorias. A cada 30 minutos, os pesquisadores faziam um exame de sangue nas participantes. As taxas de colesterol e glicemia ficaram mais baixas no primeiro caso.

De acordo com Jill Kanaley, professor de Haden e coautor do estudo, apesar de muito se falar sobre o fracionamento de refeições, esse hábito não se aplica a todos os casos. “Com muitas refeições ao longo do dia, você tem de ter cuidado, porque há um risco maior de acabar comendo demais ou fazer escolhas pouco saudáveis, já que o acesso à junk food é mais fácil”, observa. “Algumas pessoas se saem bem com os lanches saudáveis, mas a maioria termina o dia ingerindo calorias demais”, alega.

Fonte:http://www.em.com.br/app/noticia/tecnologia/2012/12/26/

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …