Pular para o conteúdo principal

AS PROPIEDADES MEDICINAIS DA CEBOLA




Segundo um estudo da Universidade de Berna, na Suíça, o consumo frequente de cebola pode prevenir a osteoporose, doença que atinge um terço das mulheres após a menopausa.

 

            O estudo aponta que um grama de cebola por dia pode evitar um processo chamado reabsorção, no qual o osso perde cálcio e torna-se frágil. Quinhentos miligramas de cebolas misturadas com alho, alface, tomate, salsa e pepino teriam o mesmo efeito. Nos testes, os animais alimentados com cebola  tiveram os ossos fortalecidos.

            Outro dado interessante: de acordo com informações do National Cancer Institute, dos Estados Unidos, homens que habitualmente consomem alho e cebola têm menor risco de desenvolver câncer de próstata, Isto graças ao composto à base de sulfeto presente nos dois alimentos.

 

            Ingrediente básico em quase todos os pratos, a cebola já temperava a vida no tempo dos romanos. Esculpida em ouro, simbolizava a eternidade. Chegou a ser encontrada em múmias e representada em belas pinturas nas paredes internas das pirâmides.

 

            Na Grécia, a cebola ficou famosa por afinar o sangue e por suas propriedades fortificantes. Os atletas de lá tomavam seu suco e as esfregavam nos músculos antes das competições. Na Índia, a cebola também era bem conhecida por suas qualidades medicinais, digestivas e anti-sépticas, e até hoje se conserva o hábito: uma cebola por dia é receita certa de boa disposição e saúde.

 

            Rica em quercetina, poderoso antioxidante, a cebola é eficiente também no combate aos radicais livres. E mais: os flavonóides da cebola, mais eficientes que os da maçã ou do chá, protegem no organismo o teor de vitamina e previnem a formação de úlceras. Quanto mais forte o gosto da cebola, mais potente seu efeito protetor contra a arteriosclerose, prevenindo derrames e enfartes.

 

            A Organização Mundial de Saúde [OMS] aconselha o uso de cebola para o tratamento da falta de apetite e para prevenir a aterosclerose.

 

            Além disso, os extractos de cebola são reconhecidos por proporcionar alívio no tratamento de tosses e resfriados, asma e bronquite.

 

            As cebolas são uma rica fonte de oligossacarídeos. Estes oligômeros estimulam o crescimento de bifidobactérias saudáveis e suprimem o crescimento de bactérias potencialmente nocivas no cólon. Além disso, eles podem reduzir o risco de desenvolver tumores no cólon.

 

            Tem alto poder nutritivo, curativo e preventivo e, ainda por cima, realça o sabor de todos os outros alimentos salgados. É uma óptima fonte de vitaminas A e B, mas a sua grande força é a vitamina C (essa vitamina se perde quando o alimento é cozido por muito tempo em fogo alto). Além das vitaminas, a cebola é muito rica em enxofre, flúor, fósforo, iodo, zinco, potássio, fósforo, cálcio, sódio, silício, magnésio, cloro e ferro.

 

            Mesmo quando é utilizada apenas como tempero, a cebola já é muito importante como estimulante das secreções digestivas e de todo o trabalho do aparelho digestivo. Como alimento em si, é muito nutritiva e muito usada em nossa cozinha. É considerada um dos melhores purificadores do sangue, eliminando toxinas.

 

            Também faz uma limpeza geral nos mucos, catarros, vermes, vírus e cálculos nos rins. Sua acção nas vias respiratórias evita gripes e resfriados. Crua, colocada sob o nariz, corta hemorragias nasais. Os índios foram os primeiros a descobrir que a cebola age contra o reumatismo e a paralisia. Além de limpar o tubo digestivo, a cebola (de preferência assada) combate a prisão de ventre.

 

            Para os diabéticos, é um alimento de primeira, pois tem uma insulina vegetal. Nos casos de crianças que sofrem com os vermes intestinais, o suco da cebola adoçado com mel é “tiro e queda”. Tem acção eficaz contra duas vítimas da “vida moderna”: o coração e sistema nervoso. Nos nervos, a cebola age como calmante e fortificante.

 

            No coração, ela merece atenção especial na prevenção a uma das doenças do século XX, o enfarto. Cientistas do mundo inteiro, principalmente os ingleses, vêm estudando e comprovando que a cebola consegue diminuir o efeito nocivo das gorduras sobre a coagulação do sangue nos vasos e artérias que provocam o enfarte. Nesse caso, ela age aumentando o poder defensivo do sangue.

 

            Um bom tratamento para as picadas de abelhas, vespas, e outros insectos é aplicar o seu suco puro no local afectado. O suco da cebola assada, misturado com mel ou limão, é indicado para a tosse e os problemas respiratórios. Misturado em água, é um poderoso desinfectante das úlceras e feridas da pele. Massajar o couro cabeludo com suco de cebola estimula o crescimento dos cabelos.

 

            Misturado com água, serve até para aliviar dores de dente. Mas é preciso tomar um sério cuidado: quando muito cozida ou frita, a cebola perde quase a totalidade do seu valor curativo e nutritivo, restando basicamente o sabor. Sobretudo crua e ralada, ou levemente cozida, refogada ou frita, estaremos aproveitando todos os seus valores, sem perder nada do sabor.

 

            No tempero de feijões, cozidos e refogados, basta apenas refogar a cebola de leve e colocá-la no final do cozimento. Uma dica para os que não conseguem cortar cebola sem chorar: colocar um pedaço de pão na ponta da faca. Para tirar o cheiro das mãos, é só lavar com suco de limão.

 

            E para suprimir o cheiro de cebola na boca, o conselho é mastigar um pouquinho de salsa. Alerta: só não devem usar a cebola crua as pessoas que sofrem de acidez estomacal ou de formação de gases (no estômago ou intestino).

 

PROF. KIBER SITHERC

 

 

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …