Pular para o conteúdo principal

CONHEÇA ALGUNS ALIMENTOS QUE CONTRIBUEM PARA UMA VIDA MAIS LONGA



Conheça alguns alimentos que
contribuem para uma vida mais longa



               Alho: graças à alicina de sua composição, o alho é um poderoso antimicrobiano e antimicótico, ajudando a aliviar sintomas de gripes e resfriados, acelerando a recuperação do organismo e reforçando a imunidade. Mas os benefícios da alicina não param por aí. "A alicina é responsável pelos benefícios referentes ao sistema cardiovascular, pois auxilia na redução do colesterol ruim (LDL), protege os vasos sanguíneos, melhora o fluxo sanguíneo e o tempo de coagulação", aponta Marisa Bailer, nutricionista do Hospital Samaritano de São Paulo.



   Água: eliminar as toxinas, hidratar os tecidos, manter a energia, regularizar o funcionamento intestinal, regular o equilíbrio térmico, transportar nutrientes, limpar o organismo. Todas essas são funções da água. Por isso é importante beber água em quantidade adequada. "É necessário ingerir de dois a três litros de água por dia, por ela é essencial para evitar desidratação e ajudar no funcionamento geral do organismo", enfatiza Carla Muroya, nutricionista do Hospital Albert Einstein de São Paulo .



          Aveia: rica em fibras, minerais, vitaminas, antioxidantes e fitoquímicos, a aveia deve ter destaque no cardápio de quem quer alcançar longevidade, e não pode faltar na dieta dos idosos. Ela ajuda o intestino a funcionar no ritmo e auxilia na diminuição dos níveis de colesterol e diabetes, uma vez que participa da absorção tanto das gorduras quanto dos açúcares no intestino, além de reduzir a pressão sanguínea e ajudar na prevenção do câncer de cólon. "Isso porque a aveia contém fibra solúvel e beta-glucanas", explica Carla Muroya, nutricionista do Hospital Albert Einstein de São Paulo. A dica é consumir duas colheres de sopa por dia.


                 Azeite de oliva: a vitamina E é um antioxidante natural, ou seja, ajuda a retardar o envelhecimento. E ela é encontrada em abundância no azeite de oliva. "É um óleo saudável, rico em gordura insaturada, vitamina E e compostos fenólicos. É excelente para controle da pressão arterial, prevenção de doenças cardiovasculares, aumento do colesterol bom (HDL) e redução do colesterol mau (LDL)", ensina o endocrinologista e nutrólogo Mohamad Barakat, membro da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG). Mas é preciso consumi-lo em temperatura ambiente, em refogados e ensopados, pois quando aquecido o azeite perde boa parte de suas propriedades nutricionais.





                 Banana: além de saborosa e tipicamente brasileira, a banana traz muitos benefícios para quem quer alcançar a longevidade com saúde. O potássio e as vitaminas C e B6 presentes na fruta funcionam como elementos antiestresse. Além disso, o potássio também ajuda a evitar cãibra e derrame cerebral - especialmente em pessoas que sofrem de pressão alta, problema acarretado pelo aumento de sódio e redução de potássio. "A banana oferece ainda outros benefícios: o amido da fruta madura aumenta a energia e também tem efeito calmante, pois estimula a produção de serotonina, substância que melhora o sono e o humor", explica o endocrinologista e nutrólogo Mohamad Barakat, membro da SBGG (Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia).



Brócolis: não é à toa que o brócolis é considerado um supervegetal. Isso porque ele tem mais vitamina C do que a maioria das frutas cítricas, mais cálcio do que um copo de leite e mais fibra do que uma fatia de pão integral, além de um monte de antioxidantes. E não é só: o brócolis também ajuda a prevenir catarata, doenças cardíacas, artrite e úlcera. "É um vegetal completo: contém ferro e ácido fólico, que previnem a anemia, e betacaroteno e vitaminas C e E, nutrientes considerados antioxidantes que retardam o envelhecimento, aliviam a fadiga e dissolvem coágulos sanguíneos, e ainda sulforafeno e vitamina A, que protege as células contra o câncer", diz o endocrinologista e nutrólogo Mohamad Barakat. A dica pra aproveitar seus benefícios ao máximo é consumi-lo cru ou ao vapor.



Cebola: é rica em vitamina C, enxofre e no oxidante quercitina. Por isso, é ótima para prevenir asma e outras doenças inflamatórias. "Além disso, a cebola favorece o bom funcionamento gastrointestinal e a oxigenação no sangue", aponta Carla Muroya, nutricionista do Hospital Albert Einstein de São Paulo. E não é só: ela também aumenta o nível do HDL, o bom colesterol. Para aproveitar ao máximo seus benefícios, o melhor é consumi-la crua, em uma salada ou em um lanche natural.


Espinafre: é uma importante fonte de ferro e de ácido fólico, essencial para prevenir anemia e vários tipos de câncer. Além disso, evita a sensação de fraqueza e desânimo, previne das doenças cardíacas, fortalece o sistema imunológico, reduz o risco da doença de Alzheimer e ajuda a controlar a hipertensão, e ainda dá mais energia! Uma pesquisa realizada pelo Instituto de Karolinska, em Estocolmo, e publicada na revista científica Cell Metabolism, aponta que o consumo de 300 gramas da hortaliça reduz em 5% a quantidade de oxigênio necessária para o funcionamento dos músculos quando se pratica um exercício físico, colaborando para a produção de energia.


Leite: é um nutriente importante para quem quer viver mais e melhor, pois é uma das principais fontes de cálcio, agente de formação e fortalecimento ósseo. Além disso, seu consumo fornece os aminoácidos essenciais à formação da massa muscular, que diminui progressivamente com o passar dos anos. E não é só: uma pesquisa realizada pela Universidade da Pensilvânia, nos EUA, apontou que o leite e seus derivados também ajudam a equilibrar a pressão arterial, devido a um peptídeo (um pedaço da proteína do leite), capaz de anular uma enzima que provoca o estreitamento dos vasos sanguíneos.


               Limão: quer manter seu corpo longe de infecções? Acrescente uma pitada de limão em seus pratos. O limão é rico em vitamina C e sua acidez tem propriedade antibacteriana. De acordo com Conceição Trucom, química e autora do livro "O Poder de Cura do Limão", a fruta tem ação depurativa e é muito eficaz na desintoxicação do organismo, além de ter poder cicatrizante. Além disso, ele é ótimo para temperar saladas e até mesmo carnes e peixes, diminuindo assim o uso do sal (inimigo número um da pressão alta). Sem contar que deixa esses pratos uma delícia!



Maçã: um estudo publicado no Journal of Medicine Food mostrou que o consumo diário de duas maçãs, durante 12 semanas, provocou a diminuição de 20% nos níveis de LDL, ou colesterol ruim, no sangue. Outra pesquisa, publicada na revista Nature, mostrou que 100 g de maçã fresca contém a mesma quantidade de um comprimido de 1.500 mg de vitamina C, um poderoso antioxidante. Além disso, a fruta é rica em pectina (encontrada principalmente em sua casca): "A pectina é uma fibra que facilita a eliminação de toxinas, ajuda a controlar o colesterol e dificulta a absorção de gorduras e glicose pelo sangue", explica a nutricionista Bruna DiChiara Passos. A dica é consumi-la inteira, com casca e tudo, para aproveitar todos os seus nutrientes.


Nozes: são fonte de vitamina E (poderoso antioxidante que ajuda a retardar o envelhecimento e previne doenças cardiovasculares) e de zinco (mineral que ajuda a blindar o sistema imunológico). "As oleaginosas (castanhas, nozes, amêndoas, avelãs, macadâmias) são fontes de gordura monoinsaturada que atua diretamente na redução do colesterol ruim (LDL) e aumento do colesterol bom (HDL), prevenindo as doenças cardiovasculares", acrescenta Marisa Bailer, nutricionista do Hospital Samaritano de São Paulo. Mas é preciso ficar alerta para não exagerar no consumo, pois são bastante calóricas e exceder na porção diária recomendada pode pesar na balança.



Peixe: muitos nutricionistas recomendam o consumo de peixe pelo menos uma vez por semana. Isso porque peixes como atum, salmão e sardinha são algumas das melhores fontes de ômega 3, que é capaz de diminuir em até 40% o risco de problemas cardiovasculares quando consumidos regularmente. "O ômega 3 presente nos peixes é essencial para o sistema nervoso e coração, pois diminui os triglicérides e melhora a coagulação e a pressão sanguínea, além de possui minerais essenciais, como magnésio, ferro e selênio, que têm ação anticancerígena", explica o endocrinologista e nutrólogo Mohamad Barakat, membro da SBGG (Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia).



               Soja: acrescentar soja à dieta diminui significativamente os níveis de colesterol e, consequentemente, o risco de desenvolver doenças cardiovasculares. "A soja é fonte de isoflavonas e isoflavonoides, substâncias que atuam como antioxidante, auxiliam na redução da taxa do colesterol ruim (LDL) e previnem o surgimento das doenças cardiovasculares", explica Marisa Bailer, nutricionista do Hospital Samaritano de São Paulo.


Tomate: além de fortalecer o sistema imunológico, o tomate é rico em licopeno: "O licopeno neutraliza os radicais livres e tem propriedades anticancerígenas, especialmente contra o câncer de próstata", diz Carla Muroya, nutricionista do Hospital Albert Einstein de São Paulo. Um estudo recente, da Universidade de Kentucky, nos EUA, comprovou que o tomate também é fonte de ácido ferúlico, que preserva os neurônios da degeneração provocada pelo estresse oxidativo, protegendo contra as doenças de Alzheimer, de Parkinson e contra a demência senil. A dica para aproveitar ao máximo seus benefícios é consumi-lo quente, pois a disponibilidade de licopeno aumenta quando o tomate é submetido ao calor do fogo.



               Uva: tanto a fruta, como o suco ou o vinho são poderosos aliados para a longevidade. Isso porque ela é rica em uma substância chamada resveratrol, que estimula enzimas celulares essenciais para o reparo e concerto do DNA, prolongando, desta forma, a vida das células. "Essa substância traz benefícios para saúde, inclusive tem a função de ser um antirradical livre, que atrasa o envelhecimento celular e orgânico, e também impede a oxidação do colágeno, substância que dá sustentação à pele, retardando a formação de rugas", afirma a nutricionista Bruna di Chiara Passos. Além disso, pesquisas realizadas pelo National Institute of Aging (NIA) dos Estados Unidos apontam que a substância também ajuda a combater males associados ao envelhecimento como doenças cardiovasculares, diabetes, osteoporose, formação de catarata e perda de memória, assim como pode diminuir os níveis de açúcar no sangue. Mas atenção, o resveratrol é encontrado especialmente na casca das uvas vermelhas e, quanto mais escuras, maior sua concentração.

Fonte:http://noticias.uol.com.br/saude/album/2012/11/29/


        Cenoura:cujo nome científico é Dacus carota, é um vegetal pertencente à família Apiaceae, da qual estão inclusas mais de 3000 espécies, entre elas a salsa, o aipo, o coentro e ate mesmo espécies de plantas altamente tóxicas como a cicuta. Nativa da Europa e da Ásia, a cenoura é cultivada em várias regiões do mundo e tende a se adaptar melhor em climas amenos, onde a temperatura esteja em torno de 10 a 15 graus Celsius, que é a condição climática ideal para que haja um crescimento saudável das raízes (parte comestível da cenoura).

Cenoura
Cenoura
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem:
Apiales
Família: Apiaceae
Gênero: Daucus
Espécie: D. carota
A China, os Estados Unidos, a Rússia, a França, a Inglaterra, estão entre os maiores produtores de cenoura. No Brasil a cenoura é amplamente cultivada na região Sudeste, nos municípios de Carandaí, Santa Juliana, São Gotardo, Piedade, Ibiúna e Mogi das Cruzes. Na região Sul a maior parte da produção de cenouras vem do município de Marilândia e, na região Nordeste, os municípios de Lapão e Irecê se destacam.
A parte comestível da cenoura são as raízes. Estas raízes caracterizam-se por serem tuberosas, grossas, carnudas e de cor profunda. Existe uma variedade enorme de raízes de cenouras presentes na natureza, que diferem em cor e tamanho. Embora as raízes de cenouras sejam conhecidas por terem a coloração alaranjada, elas são encontradas em uma variedade de outras cores como o branco, o amarelo, o vermelho e ate mesmo roxo. Elas também são encontradas em tamanhos diversos entre 20 cm até 3 metros de comprimento. As raízes de cenoura são muito saborosas e possuem uma textura crocante e um sabor mentolado. No entanto as raízes maiores são na maioria das vezes menos saborosas, pois são mais fibrosas. Outras partes da planta da cenoura como as folhas são de coloração esverdeada. Já as flores possuem hastes que podem chegar até 1 metro de altura, e suas pétalas são brancas.
Muito apreciadas na culinária, as raízes de cenoura são utilizadas em diversos pratos. São consumidas cruas ou cozidas em saladas, como ingrediente para o preparo de bolos, tortas, sanduíches, purês, suflês, sopas, creme, doce, sucos e várias outras receitas.
A cenoura é considerada um alimento altamente nutritivo por conter excelentes quantidades de vitamina A (β-caroteno), que é uma vitamina importantíssima para o ser humano. Esta vitamina é eficaz em combater os radicais livres, pois atua como antioxidante, como também protege a visão, evitando o aparecimento de doenças como a cegueira noturna e a xeroftalmia. Sua carência contribui para que o indivíduo apresente pele seca e áspera, fissuras nos lábios, dores de cabeça, dores ósseas e ate mesmo dores articulares. Além de ser rica em vitamina A, a cenoura também contêm boas doses de vitamina C, K, minerais como o potássio, fibras dietéticas e é um alimento de baixa caloria (100g oferecem cerca de 50 kcal).
Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Cenoura
http://www.cnph.embrapa.br/sistprod/cenoura/index.htm
http://www.biotecnologia.com.br/revista/bio16/16_cenoura.pdf
http://www.infoescola.com/plantas/cenoura/

A cenoura trás benefícios para os olhos, a pele, cabelos, mucosas, ossos e sistema imunológico. Ainda previne úlceras, reumatismo e arteriosclerose.

É indispensável para crianças em fase de desenvolvimento, mas também os adultos não podem ficar sem este precioso alimento, pois carrega grande quantidade de vitamina A, além disso, a cenoura contém vitaminas B e C. A primeira beneficia o sistema nervoso, a segunda estimula as defesas orgânicas contra enfermidades.
Nela ainda contém sais minerais de grande importância para a saúde, tais como cálcio, magnésio, ferro, cobre e iodo.

O iodo é primordial à glândula tiróide que acelera a nutrição, comanda os processos de crescimento, vitaliza toda área cerebral e equilibra o melhor funcionamento de todas outras glândulas.
Melhor comer crua, sem nenhuma manipulação, sendo excelente para fortalecer os dentes das crianças e adolescente, já o adulto, deve tomar cuidado, se não fortaleceu seus dentes na época correta.
A segunda opção é ralar, mas sempre na hora que vai comer, nada de guardar para mais tarde, a não ser em dias especiais, que pode temperar, mas tenha o cuidado de deixar na geladeira, pois enquanto ela está fechada, a cenoura está no escuro e não entra em contato com a circulação do ar.
Fazer sucos na centrífuga, pois a vitamina A, em contato com a luz, perde sua potencialidade, por isso não é aconselhável fazer o suco no liquidificador.
A maneira que aproveita menos os nutrientes é cozinhando, pois a fervura, principalmente demorada e o vapor, desintegram os nutrientes, sendo que o grelhado é o menos agressivo.
Armazenamento
A cenoura deve ser guardada em um recipiente preferencialmente escuro e hermeticamente fechado, para não perder os nutrientes, mas se isto não for possível, faz-se adaptações.
Ingira sempre a cenoura fresca, o ideal seria a colhida na hora e aquela que não recebeu agrotóxico.
Suas folhas são nutritivas e muito úteis, tanto na culinária, como no suco.
Aqui e ali, como cenoura.

Suzete*

*Suzete é Naturopata, Iridóloga e Instrutora dos Exercícios Visuais. Autora do livro: Cuide de Seus Olhos
Contato: suzete@saudeintegral.com
Fonte: www.saudeintegral.com, www.iridologiasp.com.br e www.metodobates.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …