Pular para o conteúdo principal

NUTRICIONISTAS ALERTAM PARA A ESCOLHA CERTA DOS ALIMENTOS FORA DE CASA

Para evitar problemas de saúde, quem come fora diariamente deve tomar alguns cuidados escolhendo o que, a quantidade e qualidade do que come. (Beto Novaes/EM/D.A Press)

Nutricionistas alertam para a escolha certa

dos alimentos na refeição fora de casa

O assunto é tema da campanha 2013 do Conselho Federal de Nutricionistas. A expectativa é frear o crescimento de doenças relacionadas à má alimentação, como obesidade e alterações no colesterol e glicose.

 
Comer fora de casa não é uma opção para muita gente, mas comer bem é uma escolha possível a todos. Essa máxima será difundida ao longo do ano de 2013 pelo Conselho Federal de Nutricionistas (CFN) e seus conselhos regionais com a proposta de conscientizar os brasileiros sobre a importância de se ter uma alimentação saudável mesmo comendo longe do conforto do lar.

Confira algumas dicas para comer com qualidade fora de casa

Atualmente no Brasil, cerca de 70% da população faz suas refeições assim. E é esse número elevado que preocupa o conselho, uma vez que junto da alimentação na rua vem, geralmente, o consumo inadequado de alimentos. “Se a pessoa é bem focada e orientada ela faz escolhas alimentares melhores dentro ou fora de casa”, comenta a presidente do Conselho Regional de Nutricionistas em Minas Gerais, Heloísa Magalhães de Oliveira. No entanto, é frequentemente observado que quando as refeições são feitas em restaurantes ou lanchonetes, as pessoas se permitem cometer deslizes na dieta, com maior frequência.

Associado aos deslizes também está o aumento de doenças relacionadas à má alimentação, o que reforça, na opinião da presidente, a necessidade de mais cuidado na hora das refeições. “Os dados atuais no Brasil que indicam a alteração de pressão, obesidade, glicose alterada e sedentarismo na população são alarmantes. O consumo de sódio, por exemplo, precisa ser revisto. Hoje o brasileiro usa em média 12 gramas de sódio por dia, sendo que a recomendação é de 5 ou 6 gramas, no máximo diariamente”, alerta.
 
Para regular o consumo de sódio diário, a nutricionista aconselha não salgar os alimentos e evitar aqueles que já vêm com grande concentração de sódio. “Um grama de sal é o equivalente a uma tampa de caneta. O recomendado é adicionar ao alimento três tampinhas ao longo do dia e tomar cuidado com alimentos congelados, embutidos ou enlatados, que já vem com muito sal. Temperos prontos, queijos e salames também devem ser evitados”, afirma. Além das disfunções renais (que atingem mais de 10 milhões de brasileiros), a hipertensão é uma doença ligada ao consumo de sódio que tem preocupado especialistas e já é identificada em cerca de 22% da população.

Assim como o consumo desenfreado de sódio, os lanches ricos em açúcar também são danosos. “Existe um número grande de pessoas com alterações de glicose – que não envolvem só a diabetes. As pessoas têm comido muitos biscoitos, pães brancos, doces e carboidratos em excesso. O problema é que quando essas disfunções não são cuidadas com uma dieta adequada, acompanhada de exercícios físicos regulares, essas pessoas ficam bem mais próximas da diabetes”.


Fonte:http://sites.uai.com.br/app/noticia/saudeplena/noticias/2013/04/18/
 

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …