Pular para o conteúdo principal

CONHEÇA ALGUNS ALIMENTOS RICOS EM ANTI-OXIDANTES

Conheça alguns alimentos ricos em antioxidantes




Frutas vermelhas: "Também conhecidas como berries, são consideradas frutas nobres pelo sabor peculiar e por conter antioxidantes", diz a nutricionista Marcella Quattrucci, do Seletti Culinária Saudável. No Brasil, a mais comum é o morango, mas também é possível encontrar nos mercados polpas congeladas de amora e sucos de cranberry, entre outras. Um dos seus principais antioxidantes são as antocianinas, que auxiliam na manutenção da saúde, prevenção de doenças crônicas como diabetes e doenças do coração e agem contra os danos ao cérebro naturais da idade, explica Quattrucci.


Uva: recomendada por Rafaela Isis Allevato, nutricionista do Hospital San Paolo, é uma fruta rica em potássio, nos chamados flavonoides e no resveratrol, poderoso antioxidante que aumenta os níveis do colesterol HDL e reduz os níveis de pressão arterial, protegendo o coração e todo o sistema circulatório.


Frutas cítricas: laranjas, mexericas, limões e acerolas são indicados por Rafaela Isis Allevato, nutricionista do Hospital San Paolo, por conterem vitamina C e fenólicos, compostos com uma forte característica antioxidante.


Tomate: alimento que se destaca por apresentar uma combinação de betacaroteno com o antioxidante chamado de licopeno, que diminui o risco de cânceres de bexiga, pulmão, próstata, estômago e pele, assim como de problemas coronarianos



Grãos integrais: são alimentos muito saudáveis por três razões, diz Marcella Quattrucci, nutricionista do Seletti Culinária Saudável: as fibras solúveis contribuem para a regulação dos níveis de açúcar e gordura no sangue e saciedade; as fibras insolúveis regulam o funcionamento do intestino; contam com antioxidantes, sobretudo os polifenóis, que atuam na prevenção de doenças como diabetes e pressão alta, além de exercerem um efeito protetor no fígado e no pulmão, e combaterem os danos naturais do sistema nervoso.



Salmão: contém ácidos graxos essenciais ômega-6 e ômega-3. "Esses ácidos graxos fazem parte de todas as células do corpo, colaboram com o funcionamento do sistema de defesa e nervoso, com o equilíbrio do colesterol e ainda podem auxiliar na prevenção de doenças do coração e câncer", explica Marcella Quattrucci, nutricionista do Seletti Culinária Saudável.


Maçã: contém boas quantidades de duas substâncias antioxidantes: os polifenóis (que atuam na prevenção de doenças como diabetes e pressão alta, protegem o fígado e o pulmão, e combatem os danos naturais do sistema nervoso) e a vitamina C (que fortalece o sistema imunológico e previne o câncer).


Brócolis: contém diversos elementos antioxidantes, como o betacaroteno, as vitaminas A, C, E e o selênio. Como as demais hortaliças com cor verde escura, ainda é rico em magnésio, mineral essencial para a fixação do cálcio no tecido ósseo, e que ajuda na formação da serotonina, um neurotransmissor que melhora a sensação de bem estar.


Banana: indicada por Rafaela Isis Allevato, nutricionista do Hospital San Paolo, como um dos principais alimentos com ação antioxidante, a banana é rica em vitaminas C e B, e em minerais como potássio, zinco, selênio, entre outros nutrientes.


Milho: alimento versátil, o milho pode ser consumido cozido, em forma de pipoca, como pamonha, canjica, bolo etc. Rico em amidos e proteínas contém altas concentrações do antioxidante conhecido como polifenol, que previne diabetes, pressão alta, problemas do fígado e do pulmão, e ainda combate os danos naturais do sistema nervoso, segundo explica Marcella Quattrucci, nutricionista do Seletti Culinária Saudável.


Repolho: ótima fonte de vitamina C, o repolho também é rico em vitamina A e B6, em ferro, potássio, cálcio, magnésio, fibras, além de polifenóis (substância antioxidante). A variedade roxa é a que concentra mais antioxidantes.


Beterraba: é um alimento altamente nutritivo, rico em vitamina C, ferro e ácido fólico, indicado no combate à anemia e no fortalecimento do sistema imunológico. Contém ainda o antioxidante antocianina, que ajuda a prevenir diabetes, cardiopatias e age contra os danos ao cérebro naturais da idade.



Soja: segundo o nutrólogo Durval Ribas Filho, presidente a Abran, o consumo regular de soja é recomendado, pois reduz o risco de doenças do coração, diminui os níveis do mau colesterol (o LDL) e aumenta o bom colesterol (HDL). O componente responsável por tudo isso é conhecido como isoflavona, um tipo de antioxidante.


Cebola: seu consumo traz tantos benefícios à saúde que ela recebeu o título de alimento funcional, explica Durval Ribas Filho, presidente da Associação Brasileira de Nutrologia. Entre outros nutrientes, é rica em quercetina, um antioxidante do tipo flavonoide com poder anti-inflatório, analgésico, que combate úlceras, diabetes e diversos tipos de cânceres


Alho: outro alimento bem comum nas cozinhas brasileiras e cheio de propriedades benéficas, diz o nutrólogo Durval Ribas Filho, presidente da Abran. A principal ação antioxidante vem da alicina, que também dá ao alho seu cheiro tão característico. O consumo de alho ajuda a melhorar a circulação sanguínea, diminuir a formação de trombos, inibir a formação de catarata, além de prevenir diversos tipos de câncer e doenças ligadas ao envelhecimento cerebral


Fonte:http://noticias.uol.com.br/saude/album/2012/09/20/


Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …