Pular para o conteúdo principal

A IMPORTÃNCIA DOS ALIMENTOS RICOS EM ÔMEGA 3,6 E 9 NA PREVENÇÃO CARDIOVASCULAR !





A importância da prescrição correta de Ômega-3 e Ômega-6 na prevenção cardiovascular. A doença cardiovascular (DCV) e os processos inflamatórios vasculares apresentam-se associados de forma muito clara na gênese da aterosclerose1,2. A prevenção de eventos cardiovasculares tem sido, nas últimas décadas, focado sobre o controle dos fatores de risco para a doença cardiovascular. Em relação à dislipidemia, muitos estudos epidemiológicos e de intervenção, demonstraram inequivocamente que a redução dos níveis plasmáticos de LDL-C diminui a chance de eventos cardiovasculares, seja na prevenção secundária ou primária. Nesse sentido, a redução de LDL-C constitui ponto fundamental para prevenção cardiovascular e deve ser a meta de qualquer tratamento3. Os ácidos graxos Ômega-3 de origem marinha, ácido docosaexaenóico (DHA) e ácido eicosapentaenóico (EPA), são responsáveis por vários aspectos fisiológicos e do metabolismo que podem interferir sobre desenvolvimento de doenças cardiovasculares. O consumo de peixes ricos em ácido graxo Ômega-3 faz parte da recomendação para uma dieta saudável nas mais diversas diretrizes internacionais. Alguns trabalhos científicos sugerem que a recomendação da suplementação da dieta com cápsulas de óleo de peixe possa fazer parte do arsenal clínico de prevenção cardiovascular. Alguns estudos mostraram que a suplementação com 2 a 4 g de EPA/DHA ao dia pode diminuir os níveis de triglicérides (TG) em até 25% a 30%, aumentar discretamente os níveis de HDL-colesterol (1% a 3%) e elevar os de LDL-colesterol em até 5% a 10%4,5, enquanto que o consumo de Ômega-6 diminui o LDL – colesterol, contrabalanceando. Indivíduos com níveis basais maiores de TG parecem apresentar maiores benefícios com a suplementação de EPA/DHA, sendo uma redução aproximada de 5% a 10% para cada 1 g de EPA/DHA consumido ao dia6,7. A utilização de Ômega-3 vegetal não encontra respaldo científico validado na literatura, pois sabe-se que o percentual de conversão do ALA em DHA é muito restrito, necessitando dessa forma, de grande aporte em suplementação para induzir os reais benefícios. Efetivamente poucos estudos mostram a validade da utilização do ALA. Em uma metanálise com 14 ensaios randomizados e controlados com suplementação com ácido alfa linolênico (ALA), não se observou influência significativa sobre colesterol total, LDL-colesterol ou triglicérides, encontrando-se um efeito mínimo sobre o HDL-colesterol (redução de 0,4 mg/dL)8. Na literatura leiga, existe uma variedade de justificativas em prol da utilização de linhaça in natura ou na forma de cápsulas (óleo). Sabe-se que os efeitos da linhaça em animais de experimentação variam de efeito nulo à discreta redução lipídica9, e uma revisão sugeriu um efeito redutor de triglicérides pelo consumo de grandes quantidades de óleo de linhaça em humanos10. Desta forma, na prática diária a melhor forma de suplementação, para atingir níveis de eficácia em utilização de Ômega-3, deve ser focada em utilizar EPA e DHA,oriundos do óleo de peixes, na forma de cápsulas10. Os ácidos graxos poli-insaturados (AGPI) Ômega-6 são caracterizados pela presença de pelo menos duas ligações duplas carbono-carbono, sendo que a primeira dupla ligação está localizada no sexto carbono a partir do terminal metila. As quantidades mínimas de Ômega-6 a serem ingeridas diariamente por adultos saudáveis não estão ainda bem estabelecidas sendo que estimativas derivadas de vários estudos sugerem um consumo de pelo menos 5-10% de energia total a ser consumidadiariamente. Dados norte-americanos defendem que em indivíduos com idade entre 19 a 50 anos, uma ingestão em torno de 6 a 7% da energia total diária consumida11. A Sociedade Brasileira de Cardiologia, em recente diretriz sobre o consumo de gorduras e a saúde cardiovascular, reconhece a necessidade do consumo dos ácidos graxos poli-insaturados dentro de uma relação adequada entre Ômega-6 e Ômega-312. Referências bibliográficas: 1-Pollock NK, Bundy V, Kanto W, et al. Greater fructose consumption is associated with cardiometabolic risk markers and visceral adiposity in adolescents. J Nutr 2012; 142(2): 251-257. 2- Neuhorser ML, Schwarz Y, Wang C, et al. A low-glycemic load diet reduces serum C-reactive protein and modestly increases adiponectin in overweight and obese adults. J Nutr 2012; 142(2): 369-374. 3- Sposito AC, Caramelli B, Fonseca FA, et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia. IV Diretriz Brasileira Sobre Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Bras Cardiol. 2007; 88 Suppl 1:2-19. 4- Balk EM, Lichtenstein AH, Chung M, et al. Effects of omega-3 fatty acids on serum markers of cardiovascular disease risk: a systematic review. Atherosclerosis. 2006; 189(1):19-30. 5- Hartweg J, Perera R, Montori V, et al. Omega-3 polyunsaturated fatty acids (PUFA) for type 2 diabetes mellitus. Cochrane Database Syst Rev. 2008; (1):CD003205. 6- Miller M, Stone NJ, Ballantyne C, et al. On behalf of the American Heart Association Clinical Lipidology, Thrombosis, and Prevention Committee of the Council on Nutrition, Physical Activity, and Metabolism, Council on Arteriosclerosis, Thrombosis and Vascular Biology, Council on Cardiovascular N. Triglycerides and Cardiovascular Disease: A Scientific Statement From the American Heart Association. Circulation. 2011; 123(20):2292-2333. 7- Jacobson TA. Role of n-3 fatty acids in the treatment of hypertriglyceridemia and cardiovascular disease. Am J Clin Nutr. 2008; 87(6):1981S-90S. 8- Wendland E, Farmer A, Glasziou P, et al. Effect of alpha linolenic acid on cardiovascular risk markers: a systematic review.Heart. 2006; 92(2):166-9. 9- Prasad K. Flaxseed and cardiovascular health.J Cardiovasc Pharmacol. 2009; 54(5):369-77. 10- Harris WS. N-3 fatty acids and serum lipoproteins: human studies. Am J Clin Nutr. 1997;65(5 Suppl):1645S-1654S. 11- Moshfegh A, Goldman J, Cleveland L. What we Eat in America: NHANES 2001–2002: Usual Nutrient Intakes from Food Compared to Dietary Reference Intakes. Beltsville, MD: US Department of Agriculture, Agricultural Research Service. 2005. 12 – Santos R.D.,Gaglairdi A.C.M., Xavier H.T., Magnoni C.D.,Cassani R.,Lottemberg A.M.P., et al SociedadeBrasileira de Cardiologia. I Diretriz sobre o consumo de Gorduras e Saúde Cardiovascular. Arq. Bras. Cardiol. 2013;100(1supl.3);1-40
 
Fonte: Biolab Farmaceutica ;
http://amedicinanaturalaseualcance.blogspot.com.br/2013/07
 

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …