Pular para o conteúdo principal

AS PROPRIEDADES DO MAMÃO E DA PAPAÍNA



As propriedades do mamão e da papaína

Frutas e verduras são ricas em vitaminas e sais minerais e têm também substâncias capazes de proteger o organismo contra algumas enfermidades. O mamão, rico em vitamina A e C, é um bom exemplo. Boa fonte de sais minerais, como cálcio e potássio, contém ainda papaína, encontrada em maior quantidade no fruto verde. Para extrai-la, risca-se o fruto verde e o líquido que escorre é transformado em pó ou em cápsulas usadas em tratamentos alternativos.

A única certeza por enquanto é que essa substância tem um importante papel no bom funcionamento do aparelho digestivo e para nos beneficiarmos disto, podemos consumir o próprio fruto. Para ingerir a papaína em cápsulas ou em pó é necessário ter acompanhamento médico e nutricional.

Quem quer manter uma dieta equilibrada deve incluir o mamão entre os alimentos consumidos, em razão de suas vitaminas, sais minerais e papaína. Esse fruto, que deve ser consumido diariamente para ajudar a equilibrar o organismo, é uma excelente opção para o café da manhã ou mesmo como sobremesa auxiliando no processo digestivo.

Ao comprá-lo, verifique se o fruto não tem rachaduras, buracos e picadas de insetos -o ideal é que sua casca esteja firme. Quando estiver verde, embrulhe-o em folhas de jornal e armazene-o em local fresco. Não risque o mamão para acelerar o amadurecimento porque esse líquido perdido contém substâncias nutritivas responsáveis pelo sabor.

No Brasil encontramos duas variedades de mamão: Havaí e formosa. O mais consumido é o Havaí, conhecido como papaia, que tem propriedades nutritivas similares.

Apesar de ser uma fruta muito nutritiva e com poucas calorias, veja na tabela a indicação de calorias e nutrientes encontradas em 200 gramas de mamão (equivalente a 1 xícara de mamão picado):

Mamão papaiaQuantidade em 200 gramas
Energia78 Kcal
Vitamina A56.80 RE
Vitamina C122 mg
Cálcio48 mg
Potássio514 mg
Folato76 mcg


 ANDRÉA GALANTE*

 
*Andrea Galante é mestre e doutora em Nutrição Humana Aplicada pela Universidade de São Paulo, e presidente da Associação Brasileira de Nutrição. Escreve quinzenalmente na Folha Online, às terças-feiras.

E-mail:
andrea.galante@uol.com.br


Fonte:Folha Online

Papaína : o mercado brasileiro ainda não despertou!

 
A papaína é uma enzima extraída do látex do mamoeiro (Carica papaya L.). Ela é uma enzima de forte poder proteolítico, com ação semelhante à  enzimas como pepsina e tripsina. É utilizada para os mais variados fins nas indústrias têxteis, farmacêuticas, de alimentos e de cosméticos.De acordo com Ruggiero (1988), o Brasil é um dos maiores produtores mundiais de mamão, sendo responsável por cerca de 20% da produção mundial, que até o momento é dirigida principalmente para a produção de frutos para o consumo in natura (www.todafruta.com.br). Seja por dificuldades com a produtividade da enzima, baixo investimento em novas tecnologias ou melhores preços obtidos com a exportação, o fato é que no mercado brasileiro, a produção de cápsulas de papaína para uso oral é incipiente e pouco explorada.
Papaína é uma enzima alcalóide extraída do mamão (Carica papaya). É usada em testes com imunoglobulinas, e na indústria farmacêutica vem sendo usada associada a um curativo (esparadrapo + gaze) como um acelerador do processo de cicatrização, muito utilizado em tratamentos de úlceras de decúbito. Na culinária é utilizada como amaciante de carnes.
 
Esta enzima pode ser utilizada sob a forma de pó ou em forma de gel. A papaína provoca dissociação das moléculas de proteínas, resultando em desbridamento enzimático. Tem ação bactericida e bacteriostática, estimula a força tênsil da cicatriz e acelera a cicatrização. É indicada no tratamento de úlceras abertas, infectadas e para o desbridamento de tecidos desvitalizados e/ou necróticos.
A papaína atua na reação catalítica em faixa de pH própria para a digestão humana, no intestino delgado, possui poder proteolítico maior que a bromelina (enzima do abacaxi), ação anti-inflamatória no tecido mucoso gástrico e intestinal, sendo que, ao final da reação, permanece inalterada, capaz de reagir novamente. Sua ação estimula a síntese de diversas proteínas favorecendo a produção enzimática e hormonal. A enzima do mamão papaya também está em estudo para ser utilizada na prevenção da rejeição de próteses de silicone, uma vez que a mesma diminui a formação fibrosa ao redor dos implantes (Rev.Bras.Cir.Plást. 2008; 23( 4 ): 317- 2 1).
Nos EUA, pastilhas mastigáveis de sabor bastante agradável são oferecidas em lojas de suplementos e supermercados. O consumidor pode levá-las dentro de bolsas/pastas no lugar de balas que, na maioria das vezes, contém corantes alergênicos e edulcorantes nocivos como o aspartame. Produtos como estes e com tal qualidade faltam no mercado brasileiro. Um trabalho de divulgação na área médica, especialmente na gastroenterológica, de pastilhas produzidas com frutos brasileiros, seria uma aposta promissora: o paciente estaria mastigando de 2 a 3 vezes ao dia, uma pastilha que auxilia na digestão de proteínas, diminuindo o potencial alergênico das mesmas, conferindo propriedades cicatrizantes, anti-inflamatórias e bacteriostáticas à mucosa gastrointestinal e agregadas de sabor apreciável.
Quem apostaria no insucesso?


por Milla Rúbia Carvalho,em 14 de novembro de 2011
 
   
Papaína é uma enzima alcalóide extraída do mamão (Carica papaya). É usada em testes com imunoglobulinas, e na indústria farmacêutica vem sendo usada associada a um curativo (esparadrapo + gaze) como um acelerador do processo de cicatrização, muito utilizado em tratamentos de úlceras de decúbito. Na culinária é utilizada como amaciante de carnes.

Propriedades

É uma enzima proteolítica obtida da Carica papaya, com ação proteolítica obtida do látex do mamoeiro. A enzima possui amplo espectro de especificidade, os peptídeos, amidas, ésteres e tioésteres são todos susceptíveis para hidrólise catalítica da papaína. Após a introdução de enzimas proteolíticas como agentes debriadores em processos cirúrgicos, várias enzimas foram ensaiadas como antiinflamatórios; resultados bastante animadores foram registrados com a papaína.

Indicação

De uso tópico é usada no tratamento da doença de Peyronie por sua ação proteolítica nas bordas das placas fibróticas. Como debridante de tecido necrosado e liquefação de material necrosado em lesões crônicas e agudas como: úlceras de pressão, varicose, úlcera diabética, queimaduras, feridas pós operatórias, feridas traumáticas ou infectadas, deiscência de sutura.

Mecanismo de Ação

É uma enzima proteolítica obtida do fruto de carica papaya. Potente digestivo de material morto proteíco. Sua eficácia é aumentada na presença de ativadores que estimulam sua potência digestiva: como a uréia, que desnatura proteínas por ação solvente e desnatura material necrosado permitindo que fique mais susceptível a digestão enzimática. Estudos tem demonstrado que a combinação com uréia é duas vezes mais eficaz que a papaína pura.
Dose 2% - 10% ou 8,3 x 105 unidades USP associados 100mg de uréia/g pomada ou creme. Aplique a formulação de pomada ou creme, em área limpa, cobrindo o curativo apropriado para fixar no lugar. Aplicar a cada 12 – 24 horas.
Excipientes Compatíveis Pomada base hidrofílica, soro fisiológico, glicerina, fosfato de potássio monobásico, metilparabeno, propilparabeno.
Interação medicamentosa Nenhuma interação documentada. Contato com peróxido de hidrogênio ou outro medicamento contendo sais metálicos como prata, mercúrio, chumbo, podem inativar a papaína.

Contra – indicação

Em pacientes com sensibilidade à substância ou outro componente da formulação.
Efeitos Adversos Sensação de queimadura. O exsudado liquefeito da digestão enzimática pode irritar a pele. Lavagens e limpeza freqüente da área ao redor da lesão pode aliviar o desconforto.
Informações Complementares Evite lavar as lesões com peróxido de hidrogênio em solução pois pode inativar a papaína. Usar para lavagem soro fisiológico ou papaína 4 – 6 % em soro fisiológico.
Sugestão de Fórmula
  • Papaína...........................................2%
  • Hialuronidase.................................300 UTR%
  • Vitamina E......................................0,5%
  • Creme ou loção cremosa qsp..........50g

Uso Oral

Auxiliar na digestão de proteínas em pacientes com dislepsia crônica e gastrite. Foi indicada como nematicida porque a camada externa da cutícula de vários nematóides é constituída por uma queratina resistente às proteases intestinais, mas não a outras enzimas proteolíticas estranhas ao organismo e que, digerindo a queratina, provocam em um segundo a morte dos parasitas. Dose 120 a 600mg diariamente

Precauções

Seu mecanismo de ação não está ainda estabelecido, seu emprego como o de todas as enzimas proteolíticas oferece perigo em casos de afecções hepáticas ou renais e durante o tratamento com anticoagulantes. Podem ocorrer reações alérgicas.


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …