Pular para o conteúdo principal

DIETA SEM GLÚTEN EVITA DOENÇAS E AJUDA A EMAGRECER




Dieta sem glúten evita doenças e ajuda a emagrecer

Nutricionista sugere cardápio que pode ser seguido por qualquer pessoa

Imagem ilustrativa / Foto: Getty Images


Retirar o glúten da dieta está na moda, mas você sabe os benefícios que uma alimentação sem esta substância pode trazer? “O glúten é uma proteína presente na farinha de trigo, centeio, cevada, malte e aveia. Ela provoca inflamações que podem gerar inchaço, dores articulares e indisposição. Retirar a substância do cardápio elimina estes problemas e ainda ajuda na perda de peso”, explica a nutricionista
Andréa Santa Rosa.



Retirada do glúten estimula o metabolismo 
 

Pessoas com intolerância ao glúten, ou celíacos, não podem ingerir alimentos que contenham a substância, já que ela impede a correta absorção de nutrientes pelo intestino. Os portadores de sensibilidade ao glúten também precisam evitar ao máximo o seu consumo, mas os benefícios da dieta sem esta proteína podem ser percebidos por qualquer pessoa. “Eliminar o glúten da dieta provoca a redução no grau de inflamação do organismo. Assim, o metabolismo volta a funcionar normalmente, o que promove a diminuição da retenção de líquidos, perda drástica e rápida de peso, correta absorção dos nutrientes pelo intestino e prevenção de doenças não transmissíveis, como a obesidade e complicações cardiovasculares”, diz a nutricionista. 


Jornada Mundial da Juventude fornecerá alimentação livre de glúten

De acordo com dados da Fenacelbra (Federação Nacional das Associações de Celíacos do Brasil), estima-se que o número de portadores de doença celíaca no Brasil chegue a dois milhões, a grande maioria sem diagnóstico correto. Pensando nestes números, a Jornada Mundial da Juventude, que acontece entre os dias 23 e 28 de julho, no Rio de Janeiro, contará com kits de alimentação sem glúten. Os organizadores do evento, que esperam reunir cerca de 2,5 milhões de católicos para a primeira visita do Papa Francisco ao país, fornecerão 10% de kits sem glúten. A ideia é atender portadores de doença celíaca e também aqueles que apresentam alguma sensibilidade a esta proteína.   

Glúten, o super vilão

Diminua o consumo e veja o resultado!

Imagem ilustrativa / Foto: Getty Images
 
De acordo com o médico americano William Daves, em seu best seller "Barriga de Trigo", o aumento do consumo dessa coisa geneticamente modificada, conhecida como trigo moderno, explica o contraste entre as pessoas sedentárias e esguias dos anos 50 e as pessoas com sobrepeso do século 21.

O autor acrescenta que efeitos peculiares do trigo nos seres humanos, já documentados, incluem a estimulação do apetite, picos exagerados de açúcar no sangue, envelhecimento precoce, inflamações e alterações de pH que provocam ativação de distúrbios nas respostas imunológicas e desgaste de cartilagens e ossos. Uma complexa série de enfermidades resulta do consumo do trigo, desde a doença celíaca, devastadora enfermidade intestinal desencadeada pela exposição a esta substância, até uma variedade de transtornos neurológicos, diabetes, doenças cardíacas, artrite, estranhas urticárias e os delírios incapacitantes de esquizofrenia.

Como cardiologista, William explica que atende a milhares de pacientes ameaçados por doenças cardíacas e observou que, quando seus pacientes eliminavam o trigo da alimentação, a gordura da barriga que se derramava por cima do cinto desaparecia. Em geral, ocorria uma perda de peso de 10, 15 ou 25 quilos, já nos primeiros meses. Essa perda de peso rápida e sem esforço costuma ser acompanhada de inúmeras vantagens pra saúde.

Se este texto não de convenceu a parar de comer glúten ou pelo menos diminuir drasticamente o seu consumo, compre o livro e leia. Pesquise, se informe. Nunca se falou tanto sobre isso e nunca na história da humanidade os seres humanos comeram tanto trigo! É só observar a quantidade cada vez maior de produtos sem glúten sendo oferecidos.

Eu sei que é difícil mudar hábitos, mas que tal experimentar por um mês uma dieta com zero glúten e sentir os efeitos em você?

É um desfio que segundo esse médico pode mudar a sua vida para muiiiiito melhor!
                                
  • 1
    Alimentos que contêm glúten
    Pães, massas, tortas, farinha para preparo de bolo, massas, biscoitos, pizzas, panquecas, nhoque, lasanha, salame, salsicha, alimentos empanados, waffles, cereais matinais, sopas prontas, cerveja, doces, molhos de soja, teriaki e alguns próprios para saladas. Hoje já é possível encontrar, em lojas de produtos naturais, alguns destes alimentos em versões sem glúten, produzidos com alimentos alternativos.
  • 2
    Alimentos permitidos na dieta sem glúten
    Tapioca, feijões, quinoa, chia, linhaça, milho, laticínios, batata, arroz, castanhas, sementes, mandioca, frutas, vegetais, carnes e cereais produzidos sem trigo, cevada ou malte, entre outros.
  • 3
    Cardápio sem glúten
    A seguir, a nutricionista Andréa Santa Rosa sugere um cardápio livre de glúten, que ajuda a perder peso
    Opções de café da manhã:
    - 1 unidade de tapioca com 1 ovo caipira mexido + ½ copo de suco de uva integral
    OU
    - 1 fatia de pão sem glúten + 1 colher de sopa de geleia de frutas vermelhas + 1 xícara de chá 
    OU
    - 3 torradas sem glúten com pasta de tofu, azeite de oliva e manjericão + ½ papaya + ½ copo de leite de arroz com café
    OU
    - Shake completo: 1 porção de frutas + 1 copo de leite de amêndoas ou arroz + 1 colher de chá de semente de linhaça ou chia + 1 colher de chá de biomassa de banana verde

    Lanche da manhã:
    - 5 damascos
    OU
    - 1 maçã verde
    OU
    - 1 copo de suco de uva integral
    OU
    - 1 xícara de chá de frutas com 1 colher de chá de farinha de linhaça estabilizada

    Almoço:
    - Mix de alfaces com tomate cereja e azeite aromatizado com manjericão + 3 colheres de sopa de arroz 7 grãos + 1 xícara de brócolis refogado com alho em lascas + 1 unidade de filezinho de frango na chapa
    OU
    - Mix de rúcula com tomate cereja  + 1 porção de filé de tilápia ou salmão com azeite de ervas e champignon + 3 colheres de sopa de repolho roxo com gengibre + 3 colheres de sopa de lentilha refogada com cenoura em lascas
    OU
    3 colheres de sopa de legumes grelhados na salsa + 1 pedaço médio de lasanha de berinjela com tofu e tomate grelhado + 2 colheres de sopa de quinoa refogada com abobrinha e cenoura
    OU
    - Mix de folhas com gergelim, azeite e limão + 1 xícara de chá de macarrão sem glúten (à base de quinoa ou arroz) com legumes + 1 porção de filé grelhado com tomilho

    Lanche da tarde:
    - 1 pires de fruta picada com 1 colher de sobremesa de semente de chia
    OU
    - 1 barra de cereal orgânica sem glúten
    OU
    - 1 torrada de pão sem glúten com 1 fio de azeite de oliva e ervas + 1 xícara de chá
    OU
    - 2 colheres de sopa de mix de oleaginosas (castanhas, nozes, damasco e amêndoas)

    Jantar:
    - Salada de alface roxa, cenoura, brócolis e maça verde + 1 filé de peixe grelhado + 3 colheres de sopa de arroz integral com lentilhas
    OU
    - Mix de folhas verdes temperadas com limão e azeite + 3 colheres de sopa de tabule de quinoa + filé de frango assado com ervas desidratadas
    OU
    - 1 prato raso de salada com atum, vagem, cenoura, tomate, palmito, alface lisa, salsinha, vinagre de maça, azeite e limão 
    OU
    - 1 prato raso de salada de rúcula com castanhas do Pará (2 unidades picadas) + 1 filé de salmão no alho e limão. 
Fonte:http://gnt.globo.com/bem-estar/noticias/Dieta-sem-gluten-evita-doencas-e-ajuda-a-emagrecer.shtml

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …