Pular para o conteúdo principal

COMO EVITAR O DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS

Banana

Tente comprar frutas, legumes e verduras 
pelo menos uma vez por semana
Foto: Reprodução revista VIDA SIMPLES

Como evitar o desperdício de alimentos

Evitar o desperdício de alimentos é uma das melhores formas de organizar a cozinha e ainda manter uma alimentação equilibrada


Sabe aquela velha história de que é melhor prevenir que remediar? Quem diria, vale também para a cozinha. Para encurtar a história: planejar as compras é o melhor antídoto contra o desperdício. E ainda por cima é uma mão na roda para a organização da cozinha e dos gastos em alimentação. Tome sua dose de programação acompanhada de uma pitada de cuidados básicos com o armazenamento dos ingredientes e veja que beleza é o efeito.

Planeje as compras

É como aquele segredinho que toda cozinheira de mão cheia guarda a sete chaves, sabe? Mas, para nossa sorte, este é publicável. Então vamos lá. Primeiro, faça um levantamento do consumo de alimentos e dos gastos semanais e mensais. Pense: quantas pessoas há na casa? De quantas refeições cada uma participa? Então crie o hábito de montar cardápios diários. Divida uma folha de papel pelos dias da semana e preencha cada um com os cardápios de todas as refeições. No verso, faça a lista dos ingredientes de que precisa assim, quando for ao supermercado saberá exatamente o que e quanto comprar.

Alimentos de época

Para elaborar os cardápios, leve em consideração que grande parte dos alimentos (principalmente aqueles vindos da terra) tem sua época mais favorável: a safra. É só lembrar de nossos antepassados. Como é que eles decidiam o menu do dia? Iam até a horta no quintal e viam quais ingredientes estavam no ponto de ir para a panela, certo? Pois então faça o mesmo. Claro, de acordo com sua realidade. Provavelmente, sua horta é o sacolão, a feira livre ou o supermercado mais próximo. Não importa, a lógica segue intacta: escolha os alimentos da época, que tendem a ser mais fresquinhos e vistosos.

Não ao desperdício

Pense na preferência dos integrantes da família, diz Solange Medeiros,do Movimento das Donas-de-casa de Minas Gerais. Isso vai ajudá-lo a resistir àquela banana-prata seduzindo você no supermercado. Se você nem gosta de banana-prata, para que levar? Só porque ela estava linda? Melhor dizer não àquela belezura na hora para não virar lixo depois. E aqueles morangos na oferta, então? Ai, ai, ai, dá para levar 1 quilo pelo valor de meio.E fazer o que com isso tudo se é só uma pessoa que come morango em casa? A não ser que você congele ou faça conservas, tal qual os pequenos produtores que só comem o que plantam e têm que se virar, já que nem tudo dá o ano inteiro.

Estocar para quê?

Quanto à frequência, se você puder comprar alimentos não-perecíveis (cereais, enlatados) a cada quinzena ou mês e ir passando na vendinha da esquina quase diariamente para pegar as frutas, verduras e carnes frescas isso é o mundo dos sonhos. Mas, como nem sempre a realidade corresponde a essa aspiração, tente comprar frutas, legumes e verduras pelo menos uma vez por semana, assim como queijos e laticínios. Uma boa dica da nutricionista Simone Valvassori, é comprar frutas maduras para consumo imediato e ainda não maduras para comer dentro de alguns dias.

Cuidados fundamentais

Para evitar o desperdício, mais duas pitadas de sabedoria do lar: antes de fazer compras, anote não só os produtos que estão faltando, mas também o que há na despensa, para você não correr o risco de ficar na dúvida e levar algo só por garantia. Não se esqueça de checar a data de validade dos produtos nas gôndolas do supermercado, em especial se for oferta, pois periga estar prestes a vencer. Por fim, antes de sair de casa, verifique a quantas anda seu estômago. Sim, isso mesmo. Ir às compras com fome é uma cilada, pois a chance de você levar alimentos desnecessários é enorme. Já ouviu falar em olho maior que a barriga?

Como limpar vegetais

As frutas, verduras e legumes devem ser limpos antes de serem guardados. Ou seja, logo que você chegar das compras. Lave-os em água corrente um a um, folha por folha, para tirar a sujeira, restos de terra ou bichinhos que, se não forem eliminados, podem acabar contaminando os alimentos ao redor. (Imagina só aquele monte de micróbio nadando de braçada na calda do pudim de leite, que lástima.) O que for consumido cru deve ser desinfetado numa solução de uma colher de sopa de hipoclorito de sódio (água sanitária) para cada litro de água. Deixe por 15 minutos e depois enxágüe em água corrente.

Como armazená-los

As hortaliças precisam ser secas antes de guardadas para que durem mais tempo. Para isso há o velho método de chacoalhar e deixar tomando um ar numa superfície limpa.Mas você pode usar um secador de verduras, uma centrífuga encontrada em lojas de utensílios para cozinha. Depois, coloque as hortaliças numa vasilha tampada ou retorne-a ao saquinho do supermercado, desde que esteja seco, e ponha na geladeira.Nas feiras livres, os alimentos costumam ser embalados num saco plástico colorido, que não é adequado para guardar o ingrediente na geladeira. Devido à umidade, a tinta pode soltar e ir para os alimentos, afirma Simone Valvassori.

Como guardar os secos

Os ingredientes secos, como cereais, açúcar, sal e café,devem ficar em recipientes fechados, em locais limpos, arejados, longe dos produtos de limpeza e da umidade.Você pode dividir o armário assim: biscoitos, chocolates e guloseimas na prateleira de cima,em especial se houver criança em casa, para controlar um pouco o consumo. No meio, grãos como arroz e feijão.Na parte de baixo, os enlatados.Bote os produtos que vencem antes na frente, para consumi-los primeiro. Para biscoitos e pães abertos, use um pote com tampa ou um pregador para vedar a embalagem.Mas não aquele que está segurando o cuecão no varal. No mercado, existem pregadores específicos para alimentos.

Aproveite (quase) tudo

Folhas, talos e cascas são ricos em vitaminas, ferro,potássio e outros nutrientes muitas vezes em quantidades bem maiores que na própria polpa ou folha. Então aproveite também essas partes dos alimentos. Para começar, dê um pulinho no sacolão ou na feira livre, pois será mais fácil encontrar hortaliças, legumes e frutas com talos e folhas, se comparado ao supermercado.Na hora do uso, siga a lógica do mais ao menos perecível. Consuma primeiro a folha, depois a polpa e então o talo, no caso dos vegetais. Se você puder aproveitar as cascas e talos imediatamente,ótimo.Senão,guarde-os na geladeira ou congele até que junte uma quantidade suficiente para uma receita completa.

Folhas

Às vezes, estamos tão condicionados a usar certas partes dos alimentos que nem percebemos coisas óbvias. Por exemplo: você já havia se dado conta de que a couve- flor é um tipo de couve? Pois é. Couve é o nome vulgar da espécie Brassica oleracea, a que pertencem couve-flor, brócolis, repolho, nabo e couve-manteiga (a nossa velha conhecida), entre outras. Pois então, que tal comprar a couve-flor ainda com a folha e usá-la para a salada? Quem sabe assim você até dispensa a couve - manteiga naquele dia? O mesmo vale para diversos legumes, como a cenoura, a beterraba e o rabanete.Avise ao feirante para não tirar a rama e encha o prato.

Talos e cascas

Estamos acostumados a comer o talo de alguns ingredientes, como brócolis ou alface. Então por que desprezar os talos de agrião, espinafre e acelga, que podem virar receitas surpreendentes? Eu mesma provei um pastelzinho assado com talos de salsinha e salsão, é uma delícia! Com as frutas a história é parecida. É comum comer maçã com casca, mas jogar a casca da melancia no lixo, que bem poderia virar um belo suco.Com cascas de goiaba, abacaxi, laranja e tangerina se fazem doces, geléias, chás, bolos e por aí vai. Dizem que o bolo de casca de banana é imperdível.E semente de abóbora torrada tal qual amendoim é um tira-gosto daqueles.

Congelamento

Retire o alimento da embalagem, higienize e divida em porções que sejam utilizadas de uma só vez.Coloque o ingrediente em potes plásticos tampados ou sacos vedados à entrada de ar e leve ao freezer. Não caia no erro clássico de lavar a carne, pois a água também leva embora nutrientes. Os vegetais ficam mais bem conservados se passarem pelo processo de branqueamento: mergulhe-os em água fervente, espere que a água volte a ferver, retire-os e mergulhe imediatamente em uma vasilha com água gelada (o mesmo vale na hora de congelar talos de hortaliças). Olho vivo: o vegetal não está pronto para o consumo, apenas preparado para uma estocagem, em média, de três meses.
Descongelamento
Quanto mais devagar o alimento for descongelado, maior o ganho.O ideal é retirálo do freezer 24 horas antes do preparo e deixá-lo na geladeira. Se não for possível, coloque o ingrediente direto na panela.Não se descongela alimento em água parada para não contaminar, diz a nutricionista Rosineia Bigueti, do Programa Alimente-se Bem do Sesi de São Paulo, sobre o velho mau hábito de deixar o congelado numa bacia cheia dágua. Por serem ricas em água, a maior parte das frutas não fica boa para ser consumida in natura após ser congelada e descongelada. Então, useas para recheios e caldas, por exemplo.

Reaproveite

Alguém aí pode ter torcido o nariz ao cogitar a idéia de fazer a quantidade exata de comida para não sobrar.Ora, em muitas famílias brasileiras, no almoço de domingo, todo mundo se esbalda e ainda volta para casa com uma merendinha num pote ou travessa. Que venha a fartura.Mas nada de desperdício.Reaproveite. Pratos como rabanada e arroz de forno estão aí para lembrar. Sobrou comida do almoço? Pode virar um mexidão para ninguém botar defeito. Mas consuma em 24 horas ou, se não der, no máximo em dois dias. E nada de guardar alimentos no forno. Coloque num pote e ponha na geladeira para não perder.

Para saber mais

Manual da Cozinha Congelada Gwen Conacher, Record

Fonte:http://vidasimples.abril.com.br/temas/como-evitar-desperdicio-alimentos-236984.shtml?

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …