Pular para o conteúdo principal

SUPERFRUTA,GOLDEN BERRY É RICA EM FERRO E IDEAL PARA QUEM NÃO COME CARNE


Superfruta, golden berry é rico em ferro e ideal para quem não come carne

Mais uma superfruta da família dos berries está chegando ao Brasil. Desta vez é o golden berry (Physalis peruviana) que, ao contrário dos demais, como goji berry e morango, que vêm da Ásia ou Europa, é originário da América do Sul, mais especificamente dos Andes peruanos e equatorianos. 

 Ele já é conhecido em outros países como África do Sul, Austrália e China e recebeu uma variedade de nomes como inca berry, cape gooseberry e cereja-do-chão peruana. Esse pequeno fruto amarelo-ouro de gosto peculiar traz diversos benefícios à saúde e, por suas propriedades nutricionais, é considerado um dos mais completos alimentos de origem vegetal da atualidade.

Por ser rico em ferro, muitos consideram o golden berry especialmente benéfico para vegetarianos e veganos, que não consomem carne.  A nutricionista Renata Saffioti, consultora da rede de produtos naturais Nação Verde, elogia a fruta: "Ela contém aminoácidos essenciais. Desta forma, dentro de uma dieta balanceada, pode ser uma opção de alimento fonte de proteínas e ferro em substituição à carne vermelha, e suprir parte da necessidade desses nutrientes". 

A também nutricionista Carolina Favaron, do Meeting Brasileiro de Nutrição & Estética, confirma: "Golden berry é uma excelente fonte de ferro, apesar de não ter a mesma quantidade encontrada na carne. A cada 100 gramas da fruta encontra-se 1,7 mg de ferro. Além disso, também é rica em vitamina C, o que aumenta a absorção do ferro no organismo". 

Aminoácidos
Favaron afirma que a fruta tem grande quantidade de aminoácidos, geralmente encontrados apenas em alimentos de origem animal: "E com o benefício de ser livre das gorduras saturadas presente nas carnes".

Pelas qualidades citadas, a fruta pode ser usada por praticantes de atividade física como fonte de aminoácidos. E também em dietas de emagrecimento, pois pode suprir aquele desejo de comer um doce, por possuir um sabor bem agradável. Já as vitaminas do complexo B presentes no fruto participam do metabolismo dos carboidratos, proteínas e gorduras, por isso, ajudam a dar mais energia e aumentar o gasto calórico. 

Além disso, contribui para o funcionamento normal do sistema imunológico e para a redução do cansaço e fadiga. Saffioti acrescenta que o golden berry é considerado uma superfruta, por conter propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias assim como as outras berries. "Ele é fonte de betacaroteno, flavonoides e vitaminas A e C".

Outra qualidade da fruta é possuir pectina, uma fibra que ajuda a regular os níveis de açúcar no sangue e reduzir o colesterol. Favaron sugere que o golden berry pode ser consumido com iogurtes, vitaminas, tortas, compotas, saladas e em smoothies. 
O único "problema" da fruta, é seu preço, já que ela é importada. A nutricionista da Nação Verde confirma que o golden berry ainda é um alimento caro e diz que no Brasil ele será encontrado mais facilmente na versão seca. Uma porção de 100 gramas da fruta a granel, na versão seca, é vendida por cerca de R$ 32,92.

Uma porção de 100 gramas de golden berry possui:



Fonte: uol/saúde

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …