Pular para o conteúdo principal

DHA,ENCONTRADO NOS PEIXES,TURBINA O DESENVOLVIMENTO INFANTIL

  • Sardinha e atum em lata são fontes acessíveis e excelentes da gordura tipo DHA
  • Sardinha e atum em água são fontes acessíveis e excelentes da gordura tipo DHA

Encontrado nos peixes, DHA turbina o desenvolvimento infantil

É sabido que o ômega 3, um tipo de gordura, faz um bem danado à saúde, diminuindo os índices de colesterol ruim (LDL) e aumentando os do bom (HDL). De uns tempos para cá, uma fração dele vem ganhando tanta fama quanta o próprio.

Graças à biologia molecular, hoje se sabe que o ácido docosahexaenóico, mais conhecido pela sigla que o representa, DHA, é responsável por desempenhar funções essenciais, como recobrir membranas celulares e ajudar na formação da retina e dos neurônios, pois é um componente da bainha de mielina, que recobre essas estruturas e torna possível a comunicação entre elas.
Para o organismo infantil, o DHA é essencial, pois é, nos primeiros anos, que a capacidade cognitiva humana se desenvolve com mais ênfase e é bastante solicitada para impulsionar a aprendizagem.
"O cérebro é formado por 60% de gordura e quase tudo provém do ômega-3 e da fração de DHA. Se não existem esses ingredientes, outras formas de gordura, nem sempre benéficas, entram no lugar", afirma Dennys Cintra, professor de nutrigenômica da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

Fazer com que a alimentação da criança contenha DHA é fundamental. São necessários entre 800 mg e 1.000 mg por dia. Evidentemente, ninguém precisa enlouquecer para controlar essa quantidade –tão pequena e tão significativa ao mesmo tempo.
"Cuidar para que a dieta alimentar contenha alimentos com DHA duas vezes por semana é suficiente", diz Christiane Leite, do Conselho Científico do Departamento de Nutrologia e Suporte Nutricional da SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria).

Mas o que é fonte de DHA? Alguns vegetais e peixes, nozes e certas sementes, de acordo com Luciana Setaro, docente do curso de nutrição da Universidade Anhembi Morumbi, em São Paulo.

Alimentos que contêm a substância

- Peixes: atum, bacalhau, sardinha, salmão, entre outros. Segundo Cintra, da Unicamp,  a maior concentração de DHA nos peixes está nos olhos, no cérebro, no fígado (que chega abrigar cerca de 98%) e no rim desses animais –e ainda nas ovas deles–, partes pouco consumidas pelos brasileiros.

"Atum ralado e sardinha em lata, à venda em supermercados, são excelentes fontes, pois é possível encontrar resquícios de rim e fígado misturados à carne", diz o professor de nutrigenômica.Mas prefira atum e sardinha em água. Já os filés, mais secos por conter pouca gordura, consequentemente, não são tão ricos em DHA.

- Sementes: linhaça e chia. É possível incorporar na rotina alimentar das crianças, incorporando-as em saladas ou, então, na forma de farinha, para engrossar sopas, molhos e massas.
- Óleos: de canola e de soja.
No caso das sementes e dos óleos, de acordo com Cintra, é preciso cautela e não exagerar no consumo. Eles são ricos em alfa linoléico, também uma fração do ômega 3, que, depois de ingerida, é transformada em DHA pelo organismo. "Porém, somente 15% do que consumimos sofrem o processo", declara o professor da Unicamp.

Para mulheres em fase gestacional, a recomendação de Christine, da SBP, é ingerir de duas a três vezes por semana esses alimentos.

Na fase do aleitamento materno, o ingrediente segue sendo fundamental: fornecer DHA para o bebê, por meio do leite materno, contribui com o desenvolvimento dos neurônios. Na criança pequena, o processo de mielinização (formação da bainha de mielina, citada no início desta reportagem) é muito rápido nos primeiros dois anos de vida e de extrema importância para o desenvolvimento e o bom funcionamento cérebro.

Fonte:http://mulher.uol.com.br/gravidez-e-filhos/noticias/redacao/2014/04/29/encontrado-nos-peixes-dha-turbina-o-desenvolvimento-infantil.htm

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …