Pular para o conteúdo principal

PROPRIEDADES TERAPÊUTICAS DO GENGIBRE





O gengibre é uma planta arbustiva, que pode atingir até 80 cm de altura. Possui folhas de cor verde claro a verde escuro, com área foliar pequena. Normalmente planta-se o gengibre no início do período das chuvas, que em nossa região vai de outubro a novembro. Mesmo assim recomenda-se que a área seja irrigada, pois é uma planta que precisa de muita água para uma boa produtividade. A colheita se dá nos meses de seca, junho, julho, agosto, quando as folhas secam, desenterrando-se os rizomas. É um condimento muito utilizado na culinária oriental, sendo que no ocidente não tem muita utilização, não apresentando um grande valor econômico. Foi introduzido na Europa por Marco Pólo, que teve o primeiro contato com esta especiaria na Ásia Tropical. Após isso se tornou muito importante na Europa, se tornando a especiaria mais procurada e comercializada. Somente no período do Renascimento que perdeu fôlego na culinária européia. No Brasil já está bastante difundido, e deve ter sido trazido pelos primeiros colonizadores.
O gengibre é riquíssimo em princípios ativos, poderíamos ficar horas falando dos seus compostos químicos, mas como este não é o objetivo deste trabalho, podemos citar o mais importante, que são os óleos essenciais.
Como é uma planta muito rica quimicamente, é de se esperar que também seja utilizada para uma infinidade de casos. Possui uma ação carminativa e digestiva, sendo muito útil seu consumo juntamente com os alimentos. É usado para controlar enjôos e vontade de vomitar devido a viagens de avião, carro e navio. Tem estudos mostrando que possui a mesma ação que o Plasil (medicamento utilizado para controlar enjôos). Na China é usado para diminuir os efeitos de uma intoxicação alimentar. É usado para gripes, resfriados, possui ação antitussigena, podendo ser utilizado com excelentes resultados para a bronquite. Ajuda a fortalecer o sistema nervoso segundo a medicina ayurveda. Os indianos dizem que permite transportar mais energia pelo corpo, podendo ser usado para cólicas menstruais, tônico corporal para fadiga geral e até mesmo para febre.
O emprego do gengibre na culinária proporciona verdadeiras surpresas. Podemos utilizá-lo seco, na forma de pó, que particularmente eu não gosto, pois o pó deixa muito a desejar em sabor e aroma; e fresco que é o mais aromático. A falta de aroma do pó de gengibre se deve ao processo de secagem, que acaba por volatilizar o óleo essencial. É muito empregado na culinária japonesa, indiana e nos países asiáticos como um todo. No Brasil praticamente não se usa o gengibre no dia-a-dia, a não ser pelos descendentes japoneses e na região norte, onde o gengibre é conhecido pelo nome de mangarataia. Nesta região é muito comum o chá de mangarataia, que é consumido como chá terapêutico e também como bebida resfrescante. Já em outras regiões do Brasil é comum o preparo do quentão nas festas juninas. Algumas observações interessantes sobre o gengibre pelo mundo: No Japão se consome o sashimi (peixe cru) com gengibre para que este possa matar possíveis larvas de vermes presentes na carne do peixe; o gengibre vai na composição do curry, o que o faz ser amplamente consumido em várias regiões do mundo, em vários países se prepara um refrigerante a base de gengibre sendo que esta formula já esteve no Brasil, mas parece que não agradou muito o paladar brasileiro.
O gengibre pode ser curtido e consumido durante as refeições ou mesmo como petisco durante o aperitivo. Pegue rizomas frescos e de preferência dos mais grossos, descasque, lave e com uma faca bem afiada vá cortando em fatias bem finas, mas no sentido transversal das fibras. Coloque um pouco de sal e misture. Deixe na geladeira umas 12 horas e com a mão vá pegando alguns punhados e aperte bem, para retirar toda a água. O uso do sal é para desidratar os rizomas. Uma vez bem espremidos, coloque em um vidro e adicione vinagre tinto. Os japoneses colocam um corante vermelho para ficar mais bonito, mas aqui no Brasil os descendentes colocam o que eles chamam de ume para colorir o gengibre. Depois de alguns dias curtindo o gengibre já pode ser consumido, e esta conserva pode durar vários anos. Outro prato muito gostoso é carne de porco com gengibre. Pegue um bom pedaço de carne de porco, limpe e faça alguns furos com uma faca. Deixe marinando de um dia para o outro em um preparado de alho, cebola, limão (de preferência o limão cravo), pimenta cumarí (na carne de porco esta pimenta dá um toque todo especial), pimenta do reino e gengibre ralado, mas coloque bastante gengibre. Coloque este tempero dentro dos furos da carne. Na hora de preparar coloque na panela óleo, cebola, alho, gengibre fatiado em tiras e depois de alguns minutos coloque a carne para refogar. Doure bem a carne até ficar com aquela casquinha por fora e depois vá adicionando um pouco de água para o cozimento completo. Sirva com arroz branco, legumes refogados, e uma salada verde temperada com vinagre balsâmico. Outro prato saboroso é uma salada de alface temperada com gengibre. Lave algumas folhas de alface, de preferência o alface americano. Em uma vasilha rasgue estas folhas, coloque vinagre, shoyu, óleo de soja e rale gengibre por cima da salada.
Ademar Menezes Junior


AÇÃO E INDICAÇÃO

Auxilia no controle de enjôos, refluxo, úlceras estomacais e gastrite. Combate gripes e resfriados. Para tosse seca e dor de garganta.

FORMAS UTILIZADAS

  • Cápsula (pó da planta)
  • Tintura (líquido)
  • Extrato Fluido (líquido)
  • Óleo Essencial
  • Xarope
  • Chá (rasura)
O Gengibre é utilizado também como óleo em massagens contra dores de coluna e problemas nas articulações.
Em resumo, o gengibre é utilizado contra gripes, problemas digestivos, dores musculares, náuseas e até ressaca. E para quem ainda não acredita no poderoso gengibre, saiba que o gengibre ajuda também no emagrecimento. Diversas funções terapêuticas se devem à presença de óleos essenciais, que dão à planta efeitos antissépticos e anestésicos.



GengibreTempero - fitoterápico - alimento






Foto de Armando FalconiNeste mês  o outono começa a dar os seus primeiros sinais.

É a inclinação do planeta, que regido pela órbita em torno do próprio eixo e em torno do sol segue sua jornada nesta grande jornada chamada vida cósmica, influenciando os reinos minerais, vegetais e animais. E, é claro, mexendo com as marés, movimentando até mesmo os 70% de peso corporal humano, fazendo e estimulando nosso sistema imunológico a malabarismos na tarefa de defesa da saúde orgânica.

É hora de buscarmos alimentos que aqueçam nosso corpo, estimulem a circulação, ativem os "linfócitos T", ajudem a manter os níveis de glicose, gordura e aminoácidos em quantidades adequadas ao enfrentamento das novas temperaturas.

Nosso aliado será, então, uma raiz, um rizoma, conhecido desde a antiguidade e usado em diversas culturas, estamos falando do gengibre.

Seu nome científico: Zingiber officinale Roscoe. Parte usada: rizoma (raiz).

No popular, encontramos diversas sinonímias como: gengibre-de-jamaica, gengibre-africano, raiz dedo dentre outras. Os indígenas chamavam-na de mangaratiá ou magarataia.

O gengibre é uma planta asiática, originária da ilha de Java, da Índia e da China, de onde se difundiu pelas regiões tropicais do mundo.

É conhecido na Europa desde tempos muito remotos, para onde foi levado por meio das Cruzadas. Em Portugal, existe registro da sua presença desde o reinado de D. João III (1521-1557). No Brasil, o gengibre chegou menos de um século após o descobrimento. Naturalistas que visitavam o país (colônia, naquela época) achavam que se tratava de uma planta nativa, pois era comum encontrá-la em estado silvestre.

Hoje, o gengibre é cultivado principalmente na faixa litorânea do Espírito Santo, Santa Catarina, Paraná e no sul de São Paulo, em razão das condições de clima e de solo mais adequadas. Trata-se de uma planta perene, que pode atingir mais de um metro de altura. As folhas verde-escuras nascem a partir de um caule duro, grosso e subterrâneo (rizoma). As flores são tubulares, amarelo-claro e surgem em espigas eretas.

Gengibre na história

O gengibre tem importância na medicina chinesa há muitos séculos, sendo mencionado, inclusive, nos escritos de Confúcio. O gengibre corta a gordura das carnes gordas. Use-o no preparo de carne de porco ou de pato. Se quiser amenizar o sabor picante do gengibre, ferva-o antes do preparo.

Desde a antiguidade, o gengibre é um dos métodos mais populares de combater dores, por ser um ingrediente barato e saudável. Popularmente, o chá de gengibre, feito com pedaços do rizoma fresco fervido em água, é usado no tratamento contra gripes, tosse, resfriado e até ressaca.

De acordo com a fitoterapia chinesa, a raiz do gengibre apresenta as propriedades acre e quente. O gengibre é usado para aquecer o baço e o estômago expelindo o frio, bem como para aquecer os pulmões a fim de expelir secreções. A raiz também é usada contra a perda de apetite, membros frios, diarreia, vômitos e dor abdominal.

Devido a grande quantia de propriedades terapêuticas que possui, o gengibre é denominado por pesquisadores como "medicamento universal".

Propriedades terapêuticas do gengibre

Há milênios, o gengibre é utilizado na fabricação de xaropes para combater a dor de garganta. Sua ação antisséptica pode ser a responsável pela fama, tanto que muitos locutores e cantores revelam que entre os seus segredos para cuidar bem da voz está o hábito de mastigar lentamente um pedacinho de gengibre. No entanto, esse hábito (mascar gengibre e em seguida cantar ou falar, enfim, fazer uso da voz) é contraindicado visto que o gengibre possui também propriedades anestésicas e esta "anestesia tópica" diminui o controle da emissão vocal, favorecendo o aparecimento de abusos vocais.

Pesquisas científicas comprovam que o gengibre possui propriedades antiinflamatórias, sendo considerado uma ótima solução para dores como mencionamos mais acima.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) reconheceu a ação dessa planta sobre o sistema digestivo, tornando-a oficialmente indicada para evitar enjoos e náuseas, confirmando alguns dos seus usos populares, onde o gengibre é indicado na digestão de alimentos gordurosos e diferentemente das drogas, não provoca efeitos colaterais, nem sonolência, pois o gengibre não atua através do sistema nervoso.

Podemos constatar que, como planta medicinal, o gengibre é uma das mais antigas e populares do mundo. Suas propriedades terapêuticas são resultado da ação de várias substâncias, especialmente do óleo essencial que contém canfeno, felandreno, zingibereno e zingerona.

Popularmente, banhos e compressas quentes de gengibre são indicados para aliviar os sintomas de gota, artrite, dores de cabeça e na coluna, além de diminuir a congestão nasal, cólicas menstruais e um tipo de câncer.

Tem efeitos contra resfriados, tosse, bronquites, asma, rouquidão, inflamações na garganta e para clarear a voz, usado sob forma de cristais; em pequenos pedaços, mastigando.

Ajuda a fortalecer o sistema imunológico. Possui antiinflamatório natural e, por isto, é eficiente nas aplicações para aliviar as dores.

Combate cólicas causadas pelo acúmulo de gases, constipação, auxilia na expulsão de resíduos alimentares estagnados do sistema digestivo.

No Japão, massagens com óleo de gengibre são tratamentos tradicionais e famosos para problemas de coluna e de articulações.

Acrescentar um pouco de gengibre para bloquear os gases produzidos por alguns alimentos como a ervilha, realmente são benéficos. Pesquisadores indianos, estudando propriedades terapêuticas do gengibre, comprovaram sua eficácia como antiflatulente.

O gengibre fresco é amplamente utilizado na China, no Japão, na Indonésia, na Índia e na Tailândia. No Japão costuma-se usar o suco (com o gengibre espremido) para temperar frango e as conservas (beni shouga) feitas com os rizomas jovens são consumidas puras ou com sushi. Já o gengibre cristalizado é um dos confeitos mais consumidos no Sudeste Asiático.

O seu caule subterrâneo é utilizado como especiaria desde a antiguidade, na culinária e na preparação de medicamentos.

Existem combinações espetaculares como cristais de gengibre com própolis, com canela, com hortelã etc., para tentar disfarçar sua propriedade picante.

Náuseas de gestantes: na dosagem de um gramo de rizoma em pó por decocção, três vezes ao dia. Pode-se conseguir tintura — dois ou três mililitros em copo com água, duas ou três vezes ao dia. Se aparece indigestão ou azia, o seu uso deve ser diminuído. Misturá-lo com alcaçuz ou camomila pode ajudar.

Como estomáquico: Meia a uma colher de chá mais uma colher de chá de mel ou uma colher de chá de pó em uma xícara de leite, duas a três vezes ao dia.

Foto de gengibreCefaleia: 500 ml de gengibre seco ao dia.

Resfriados: Associar hortelã ou cravo da índia.

Laringite: É costume misturar gengibre ralado, mel e limão ao chá de camomila.

Estimular a circulação local, reduzir dores e rigidez muscular.

Uso externo (banho de infusão, chá). Há um produto americano, em spray, para hidratar cabelos e pele, que é anunciado como tendo gengibre havaiano. Awapuhi é o nome do produto.

Outras indicações do gengibre que ressaltamos

Combate a ressaca, tomando o chá.

É expectorante e sudorífero, aquece os pulmões e seca a umidade excessiva dos mesmos, auxiliando na expulsão do muco do sistema respiratório. Produz um aquecimento do corpo através da circulação sanguínea, sendo eficaz para casos crônicos de extremidades frias ou com um sistema linfático, usar o xarope.

É fonte natural de antioxidante, contribuindo para a diminuição dos efeitos do envelhecimento.

Por ser considerado um vegetal afrodisíaco, é indicado contra a impotência sexual masculina.

A maior indicação de uso externo refere-se a dores musculares e correlatas.

Contra traumatismo, reumatismo e artrite, é usado o óleo (misturado com algum outro óleo neutro) em fricções leves. No Japão, o óleo é também empregado em massagens na coluna e articulações.
Para dores de ouvido, aplicar algodão embebido no óleo de gengibre.


Como antisséptico e contra mau hálito fazer bochechos com a tintura; também pode ser mastigado um pequeno pedaço da planta.

Graças ao seu alto poder bactericida, tem-se comprovado que o consumo desta planta em estado cru por uns trinta dias (pode-se moer e acrescentar adoçante, mel, etc.) elimina de vez a bactéria Hlicobacter pilori existente em casos de gastrite ou úlceras.

Como usar

1 - Corte em fatias bem fininhas, ou rale, na quantidade de uma colher das de café de gengibre e acrescente no arroz, na comida em geral, em cada uma de suas refeições, misturando bem.

2 - Corte em cubinhos e deixe secar a sombra, depois use colocando um deles na boca e deixando derreter como se fosse uma bala — até desaparecer.

3 - Use em forma de conservas tipo picles, feito com vinagre de maçã.

4 - Use em forma de chá, seja para uso interno ou para gargarejos. Use sempre o chá morno para quente, é o melhor, pois o chá frio está dormindo (nosso corpo não tem temperatura suficiente para despertá-lo em seus princípios ativos, o chá gelado está morto, perdeu suas propriedades terapêuticas e o chá com açúcar está doente, pois açúcar é veneno que intoxica).


Fonte:http://www.acessa.com/saude/arquivo/ser_holistico/2012/03/01-gengibre-tem-propriedades-terapeuticas-e-serve-como-tempero-e-alimento/

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …