Pular para o conteúdo principal

FUCOXANTINA, ORIUNDA DE ALGAS PARDAS OU MARRONS, MUITO EFICAZ PARA EMAGRECER




O que é fucoxantina e quais são as
suas aplicações clínicas?


A fucoxantina é um pigmento presente em algas pardas ou marrons comestíveis, como a Undaria pinnatifida (Wakame), Hijikia fusiformis (Hijiki) e Laminaria japonica (Ma-Kombu). Trata-se de um carotenoide pertencente à classe dos que não são convertidos em vitamina A (não pró-vitamina A) e está relacionado com propriedades antioxidantes, anticâncer, antiobesidade e antidiabetes.


 Fucoxantina representa um pigmento presente nas algas pardas, diatomáceas e crisófitas. As suas respectivas colorações devem-se à presença desse pigmento, aliada à iridescência de suas paredes celulares, formadas por sílica ou celulose.

Estudos experimentais demonstram efeitos promissores da fucoxantina incluindo a melhora da saúde cardiovascular, redução da inflamação, diminuição dos níveis de colesterol e triacilglicerois plasmáticos, controle da pressão arterial e melhora da função hepática. Neste sentido, suas aplicações têm sido relacionadas com a prevenção e tratamento da síndrome metabólica, obesidade e outras doenças crônicas. Além disso, esses estudos verificaram que a suplementação com a fucoxantina isolada é segura e não está relacionada com efeitos adversos.

Uma das aplicações clínicas mais promissoras é na obesidade, pois a fucoxantina aumenta a quantidade de energia liberada na forma de calor no tecido adiposo, ou seja, aumenta a termogênese. O mecanismo de ação está associado com a indução da expressão da proteína desacopladora-1 (UCP-1, também conhecida como termogenina) no tecido adiposo branco, levando ao aumento da oxidação de ácidos graxos e produção de calor. No entanto, apenas um estudo realizado em humanos avaliou a eficácia da suplementação de fucoxantina na perda de peso. O estudo foi realizado por Abidov M. e colaboradores, em que testaram um suplemento contendo fucoxantina (2,4 mg), durante 16 semanas, em 151 mulheres obesas na pré-menopausa. A dieta foi reduzida para 1800 kcal por dia, com 50% de carboidrato, 30% de proteína e 20% de gordura. Os resultados demonstraram que houve redução significativa do peso corporal, massa gorda e pressão arterial, além de diminuição dos níveis de triacilglicerois e marcadores inflamatórios.

Portanto, apesar dos estudos experimentais encontrarem efeitos benéficos da fucoxantina, os estudos em seres humanos ainda são escassos e existem poucas informações a respeito de sua dosagem na prevenção e tratamento de doenças. Por isso, é necessário cautela para realizar sua recomendação.




Bibliografia (s)

D'Orazio N, Gemello E, Gammone MA, de Girolamo M, Ficoneri C, Riccioni G. Fucoxantin: a treasure from the sea. Mar Drugs. 2012;10(3):604-16.

Abidov M, Ramazanov Z, Seifulla R, Grachev S. The effects of Xanthigen in the weight management of obese premenopausal women with non-alcoholic fatty liver disease and normal liver fat. Diabetes Obes Metab. 2010;12(1):72-81.



Fucoxantina, aliado ao emagrecimento?

    

A fucoxantina é o composto que dá à alga parda a sua cor distinta. Estudos recentes  chamaram atenção, o que foi determinado é que um extrato de alta potência da fucoxantina contida na alga parda Wakame possui um amplo potencial  para combater a obesidade e doenças associadas, como diabete tipo II.


Metabolicamente, fucoxantina parece promover a indução da UCP1 (uncoupling protein-1) proteína desacopladora mitocondrial, essa proteína de alguma forma é capaz de impedir a formação de ATP. UCP1 parece ser capaz de desempenhar um papel importante nos processos termogênicos, ou seja, aqueles processos que produzem calor na transformação metabólica, principalmente em células de gordura branca. Células de gordura branca são aquelas que se acumulam no fígado e em volta da barriga, como resultado de excesso de peso ou obesidade. Ao contrário da cafeína, efedrina e outros estimulantes, o efeito de fucoxantina é conseguido sem estimular o sistema nervoso central por isso não há nervosismo, perda de sono, ou superestimulação.


Outro benefícios de saúde da fucoxantina:
 
Diabete: Também foi constatado em estudos com animais que a fucoxantina reduz os níveis de insulina e glicose no sangue. Os pesquisadores formulam uma hipótese de que o efeito “antidiabete” da fucoxantina pode ser devido ao fato de a fucoxantina aparentemente promover a formação de DHA (o ácido graxo omega-3 encontrado no óleo de peixe). Pensa-se que o DHA aumenta a sensibilidade à insulina, melhora os triglicerídeos e reduz o colesterol LDL ("ruim").

Alga Marrom é uma iguaria culinária apreciada por muitas sociedades, especialmente asiáticos, há milhares de anos. Assim, não é nenhuma surpresa ouvir todos os benefícios saudáveis da alga marrom. É rico em vitaminas, minerais e gorduras e água compostos solúveis como fucoidan e fucoxantina. 

SALADA DE LEGUMES COM ALGA WAKAME



1 cenoura
3 pepinos pequenos
2 tiras de alga wakame seca
3 colheres (sopa) de molho de soja
3 colheres (sopa) de vinagre de arroz
½ colher (sopa) de açúcar

Coloque as algas secas no fundo da tigela que você vai usar para fazer a salada. Enquanto isso corte os vegetais em tiras finas e coloque-os em cima das algas - elas irão começar a absorver os líquidos a secretar dos vegetais.
Adicione o molho de soja, vinagre e açúcar, e misture. Deixe a salada descansar por cerca de 10 minutos, até que os vegetais absorvam o sabor dos molhos e as algas se tornam macias.


 
por Bruno Garbini e Danielle Loverri


 
Fontes consultadas:


TEIXEIRA, J. P. L. A FUNÇÃO ENDÓCRINO-METABÓLICA DO TECIDO ADIPOSO CASTANHO E A SUA APLICABILIDADE NA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA OBESIDADE. Dissertação – Artigo de Revisão Bibliográfica. Mestrado Integrado em Medicina - 2009/2010.
 
 
 

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …