Pular para o conteúdo principal

"A CARNE É FRACA" : VÍDEO SOBRE OS MALEFÍCIOS DIVERSOS DA INDÚSTRIA DA CARNE SOBRE A SAÚDE HUMANA


Provavelmente o documentário recente mais popular sobre os malefícios diversos da indústria da carne para alimentação humana, “A Carne é Fraca” (2005) já é conhecido como uma espécie de Terráqueos” (Earthlings) brasileiro – um olhar revelador sobre o que acontece na pecuária, nos abatadouros, no meio-ambiente, no ser humano e em nosso modo-de-vida com o atual estado da indústria da carnificina. É um filme denuncista que mostra o que precisa acontecer para que tantas picanhas, nuggets, hambúrguers e linguiças possam ser entregues às mesas de vários brasileiros todos os dias, explorando aspectos da vida, da saúde, do meio ambiente, da economia e do desrespeito e brutalidade com os animais. O documentário traz algumas cenas fortes que geralmente são desconfortáveis ou perturbadoras demais para algumas pessoas, mas que naturalmente são parte fundamental da rotina diária da indústria, que mata mais de 250 milhões de toneladas de carne por ano, e do consumo inconsciente do que desconhece o processo e continua alienado a essa realidade. 
“Porque não permitem que a gente entre e visite e grave coisas nos abatedouros? Porque realmente aquelas cenas lá dentro são muito chocantes”.
~ Marly Winckler, Presidente SVB (Sociedade Vegetariana Brasileira)
“O Ministério Público precisa acordar para essa questão”.
~ Laerte Levai, Promotor de Justiça (SP)
Apesar de trazer alguns dados estatísticos interessantes da realidade brasileira e depoimentos como o do conceituado jornalista Washington Novaes, o rigor estatístico não é o forte do documentário, e sim o levantamento de quantas áreas estão em grave condição com a atividade predatória e insustentável da indústria da carne, além da questão defesa da vida animal, que é grave o suficiente. Entre elas, a precificação da carne brasileira, que, como diz João Meirelles Filho (Instituto Peabiru), “é mais barata no Brasil porque os custos ambientais não estão internalizados no custo da carne“.
Produzido pelo Instituto Nina Rosa, que “promove conhecimento sobre defesa animal, consumo sem crueldade e vegetarianismo”, o documentário tem vários trechos onde a fundadora, Nina Rosa Jacob, e de vários especialistas, como psicólogos, professores, médicos, ativistas, veterinários, jornalistas e a participação especial do pugilista Eder Jofre, vegetariano desde 1956.
“Esse é um velho e surrado clichê, pretexto pra dizer ‘Mas sem carne como é que eu vou obter minhas proteínas’?”
~Márcio Bontempo, médico ortomolecular
“Algumas mães ainda perguntam: mas não vai fazer falta (pro meu filho)? Eu digo: “absolutamente”. Quanto mais tarde ele souber que existe a tal da carne, melhor.
~ Paulo Eiró Gonsalves, médico pediatra
Segue o documentário na íntegra em HD (53min20seg):



Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …