Pular para o conteúdo principal

A PRIVATIZAÇÃO DA ÁGUA - NESTLÉ NEGA QUE A ÁGUA SEJA UM DIREITO HUMANO



Nestlé nega que a água seja um direito humano fundamental. A maior empresa produtora de alimentos industrializados do mundo, na figura de seu chairman, declara e acredita que a resposta para as questões globais da escassez da água no planeta é a privatização da mesma. O chefe da Nestlé, o chairman Peter Brabeck-Letmathe, acredita que “o acesso à água não é um direito público.” Também não é um direito humano. Então, se a privatização é a resposta, é nesta empresa em quem o público deve colocar a sua confiança?

O atual Chairman e ex-CEO da Nestlé, Peter Brabeck-Letmathe, que é a maior produtora de alimentos do mundo, acredita que a resposta para as questões globais da água é a privatização da mesma. Esta afirmação está no registro da empresa maravilha que vendia “junk food”* na Amazônia e que tem investido dinheiro para impedir a rotulagem de algum de seus produtos que são produzidos com Organismos Geneticamente Modificados-OGM, tem ainda um preocupante registo no que diz respeito a ética e saúde da sua fórmula de leite infantil industrializado, e implantou um ciber-exército de forma a monitorizar a crítica à empresa na internet e as discussões nas redes sociais. {n.T. Marketing antiético de leite artificial: Desde 1977 (com uma quebra entre 1984-1988), a Nestlé tem sido alvo de um boicote internacional por suas estratégias de marketing duvidosas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que cerca de 1,5 milhão de crianças morrem a cada ano por causa da alimentação inadequada, porque as crianças que são mais vulneráveis à doenças estão sendo alimentados com mamadeira em substituição ao leite materno, em vez de receberem leite materno sempre que for possível
[Nota de rodapé: www.babymilkaction.org ].
Como a maior empresa produtora de leite industrializado e artificial para bebês do mundo, controlando 40% do mercado, a Nestlé tem sido vista como uma das principais causas desta catástrofe, embora outras empresas, como a empresa holandesa, Dumico e a empresa dos EUA, Mead Johnson também estão implicadas.
Esta é, aparentemente, a empresa em quem deveríamos confiar para gerir a nossa água, apesar do registo de grandes empresas de engarrafamento como a Nestlé terem um histórico de criação de escassez: Às grandes empresas multinacionais de bebidas são normalmente dados privilégios como acesso a águas subterrâneas (e até isenções fiscais), porque elas criam postos de trabalho, o que é aparentemente mais importante para os governos locais (principalmente em países de terceiro mundo) do que o direito à água para os seus cidadãos pagadores de impostos. Essas empresas, como a Coca-Cola e a Nestlé (que engarrafa água subterrânea suburbana de Michigan e chama-lhe Poland Spring) sugam milhões de litros de água por dia, deixando as populações a sofrer com a escassez da água. (Fonte) Mas o Chairman, Peter Brabeck-Letmathe, acredita que “o acesso à água não é um direito público.” Também não é um direito humano. Então, se a privatização é a resposta, é nesta empresa em quem o público deve colocar a sua confiança?
Apenas como exemplo, entre muitos, do interesse desta empresa para com as populações até o momento: Na pequena comunidade paquistanesa de Bhati Dilwan, um antigo governante da vila diz que as crianças estão a adoecer devido à água contaminada. Quem é o culpado? Ele diz que é garrafa de água da Nestlé, pois esta cavou um poço profundo que está a privar os moradores de água potável. “A água não é apenas muito suja, mas o nível de água caiu de 100 pés para 300 a 400 pés”, diz Dilwan. (Fonte)
Por quê? Porque se a comunidade tivesse água potável canalizada, a Nestlé ficaria privada do seu mercado lucrativo de água engarrafada sob a marca Pure Life (“Vida Pura”).  
Brabeck discute os seus pontos de vista sobre a água, bem como alguns comentários interessantes sobre a sua visão da natureza – que é “cruel” – e, claro, a declaração obrigatória de que o alimento orgânico é ruim e os Geneticamente Modificados -OGM são bons. Na verdade, de acordo com Brabeck, você é essencialmente um extremista se tiver opiniões opostas às dele. É importante rever as suas declarações pois continuamos a ver o mundo à nossa volta transformando-se num ambiente mais mecanizado e robótico, a fim de evitar a Natureza impiedosa a que ele se refere.
A conclusão deste segmento é talvez a mais reveladora sobre a visão de mundo de Brabeck, como ele destaca um clipe de uma de suas operações de fábrica. Evidentemente, o papel de salvador do Grupo Nestlé no sentido de garantir a saúde da população global deve ser graciosamente recebido. Você está convencido desse papel de salvador? Kevin Samson Artigo em inglês :
The Privatization of Water: Nestlé Denies that Water is a Fundamental Human Right, 20 de Abril de 2013 Activist Post -
Traduzido por Filipe T. Moreira *Junk food (“comida lixo”, numa tradução literal do inglês), também coloquialmente, “porcaria” ou “besteira”, é uma expressão pejorativa para “alimentos com alto teor calórico, mas com níveis reduzidos de nutrientes”. In Wikipedia.

Thoth3126@gmail.com By Kevin Samson – Global Research, May 03, 2013 - Activist Post http://www.globalresearch.ca

Permitida a reprodução desde que mantenha a formatação original e mencione as fontes.


Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …