Pular para o conteúdo principal

AS SUBSTÂNCIAS COLOCADAS EM ALIMENTOS PARA QUE VOCÊ COMA MUITO



As Substâncias Colocadas em Alimentos para que Você Coma Muito



Acontece com todos nós. Enquanto andamos pela rua, sem aviso prévio chega às nossas narinas um cheiro irresistível: um aroma de comida grelhada que imediatamente desperta nosso apetite. Como explica o escritor Michael Pollan em seu livro Cooked: A Natural History of Transformation, o cozimento dos alimentos de alto teor calórico fazem com que liberem uma série de substâncias que se tornam irresistíveis à maioria dos carnívoros. Nosso instinto nos indica que onde se encontra esse aroma há comida, e é especialmente apetitosa e que irá nos fornecer muitas calorias. É então quando giramos o pescoço e nos vemos babando em frente à uma lanchonete, churrascaria ou pizzaria.

“A comida tem sido manipulada de formas muito inteligentes para que seja viciante e muito difícil deixar de comer”, explicou Pollan em uma entrevista ao El Confidencial. A indústria usa internamente termos como “viciante” ou blitz point (algo como “explosão de sabor”), e “snackability” (quão apetitoso é algo para petiscar). Eles estão deliberadamente trabalhando para criar uma comida que não podemos parar de comer. E eles sabem como fazê-lo, misturando basicamente sal, açúcar e gordura”

Esta santíssima trindade de alimentos viciantes, mesclada nas proporções corretas tornam os alimentos irresistíveis. Como explica o premiado Pulitzer Michael Moss em seu livro “Salt Sugar Fat: How the Food Giants Hooked Us” (ou “Sal Açúcar Gordura: Como os Gigantes dos Alimentos nos Viciaram“) o processamento dos alimentos é pensado para nos oferecer “uma sensação de bem estar, ao ativar os mecanismos cerebrais que nos tornam dependentes“.

Mas a indústria alimentícia não utiliza apenas açúcar, gordura e sal. Ao longo do tempo seus produtos tornaram-se mais sofisticados e há uma série de substâncias amplamente estendidas que despertam nossos mais profundos instintos e nos convidam a comer mais e mais. Estas são as cinco mas perigosas, não só porque nos levam a ingerir mais calorias do que deveríamos, e sim porque são, em sua maioria, muito pouco saudáveis.


1. Nitrito de sódio

O bacon é um dos alimentos cujo aroma quando salta da panela torna-se mais atraente. E a culpa é do nitrito de sódio (E 250), um sal utilizado como conservante de carne e fixador de cor, em defumados, conservas, frios e enlatados. Seu uso se justifica porque impede o crescimento das bactérias esporógenas, responsáveis pelo botulismo, mas a quantidade que se pode adicionar às carnes está regulamentada, já que gera nitrosaminas, um composto químico cancerígeno.

O nitrito é utilizado combinado com outros sais, como o potássio e o nitrato de sódio, que constituem os chamados “sais de cura”, presente em todos os tipos de enlatados e carnes processadas. Seu aroma desperta a fome e seu gosto nos é muito atraente, pois destaca o umami, o quinto sabor, que está presente em muitas outras “joias” da indústria alimentícia.

“Quando você vê ingredientes como a proteína vegetal texturizada ou o glutamato monossódico, são todos químicos conhecidos como umami“, explica Pollan. “Os humanos estão programados pela evolução para gostar, provavelmente porque seja o sabor da carne. O bacon é o melhor exemplo, tem todos os compostos químicos que configuram o umami”


2. Diacetil

O diacetil é um produto químico natural que surge pela fermentação mas é adicionado artificialmente em alguns alimentos para criar um sabor parecido com o da manteiga. Está presente na maioria de margarinas, alguns óleos e em pipocas de microondas e outros petiscos, para dar-lhes seu popular e irresistível sabor.
Embora o composto ainda seja legal, tem sido objeto de uma grande controvérsia. Os aromas que desprendem da substância podem provocar algo conhecido como a “doença de pulmão de pipoca” ou a bronquiolite obliterante, uma doença que os trabalhadores de fábricas de pipoca sofrem devido a inalação da substância. Há dois anos atrás, o americano Wayne Watson conseguiu ganhar uma ação contra uma marca de pipocas por provocar-lhe a doença e embolsou 7 milhões de dólares. Ele esteve comendo dois sacos de pipoca diariamente durante 10 anos (fonte: ABC News).


3. Cafeína

A cafeína é a substância estimulante mais consumida no mundo e, embora seu consumo moderado pareça ter mais benefícios do que riscos, como a maioria das drogas, pode tornar-se viciante. A constante exposição à cafeína (presente principalmente em refrigerantes e no café), faz com que nosso cérebro diminua a secreção de sua própria substância estimulante, a norepinefrina, o que faz com que tenhamos que buscar este estímulo em fontes externas, ou seja, um outro refrigerante ou café.


4. Acrilamida

A reação de Maillard (ou glicação proteica) é um processo químico complexo que tem seu lugar quando aquecemos os alimentos a temperaturas muito altas. O processo libera uma série de moléculas que acrescentam sabor e aroma e que se tornam altamente viciantes, entre elas destaca-se a acrilamida, a substância responsável pela coloração própria da carne, a casca do pão ou a apetitosa cor das batatas fritas. Uma substância irresistível e provavelmente cancerígena em humanos, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) (fonte: OMS).

A acrilamida se forma em temperaturas superiores a 120°C, e embora possa aparecer quando cozinhamos em casa (especialmente se fritarmos ou fizermos um churrasco), é muito mais comum em produtos processados. Ela está presente na maioria dos petiscos, torradas, biscoitos e muitos produtos de confeitarias. A OMS considera que uma baixa concentração de acrilamida implica um baixo risco, mas não se consumida com frequência.


15 de junho de 2014

Fonte:Cura natural


Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …