Pular para o conteúdo principal

GURU DA COMIDA SAUDÁVEL LANÇA LIVRO COM MAIS DE 200 RECEITAS DE SUCO VERDE

A autora de "A revolução do suco verde", Victoria Boutenko Foto: Reprodução
A autora de "A revolução do suco verde", 
Victoria Boutenko (Reprodução)


Guru da comida saudável lança livro com mais de 200 receitas de suco verde 

A russa Victoria Boutenko desvenda os segredos da bebida no livro 'A revolução verde' 

Couve, maçã, limão e um copo de água. Não há dúvida: a não ser que a pessoa tenha morado em Marte nos últimos anos, ela sabe que essa é uma receitinha básica de suco verde. A pergunta “como é o seu suco verde?” parece vir em looping de tanto que surge nas conversas.
Se o assunto não muda, que ao menos as receitas deem uma variada. A guru da comida saudável Victoria Boutenko lançou “A revolução verde” (Alfa Livros) com mais de 200 receitas para ninguém enjoar.
Um dos motivos que fez Victoria inventar outros sucos verdes foi quando, logo no início da sua mudança de vida, bebendo sucos a base de couve diariamente, começou a sentir uma leve dormência no rosto.
— Alguns meses depois de estar bebendo o suco todo o dia, eu e minha filha Valya começamos a sentir os sintomas. Imediatamente, relacionei ao suco, já que era a única alteração na nossa alimentação — lembra Victoria, que logo começou a pesquisar o assunto.
Ela descobriu que a folha verde escura possui alcaloides, que funcionam como uma proteção para a planta: como são muito procuradas por animais (eles sabem onde as vitaminas se concentram), as folhas soltam alcaloides para que não sejam comidas em excesso (e sabem também quando algo pode fazer mal) e sejam eliminadas pelos bichos. Em grandes quantidades, os alcaloides podem ser venenosos.
— Em pequenas quantidades, eles não têm efeito colateral. Muito pelo contrário. Eles fortificam o sistema imunológico. Por isso é necessário variar os verdes para os alcaloides não se acumulem no corpo — explica. — Já as frutas não precisam variar.
Para não ir sempre na couve, ela indica usar dente-de-leão, salsa, alface, espinafre, acelga, aipo, azedinha, ramas de beterraba ou cenoura e até cactos.
Além das receitas, o livro fala de tudo ao redor do assunto: se é melhor o liquidificador ou a centrífuga, quanto se deve beber por dia, como adoçar naturalmente etc.
Entre as receitas, existem as melhores para crianças, para animais de estimação, para quem está começando a tomar e para quem tem uma alma aventureira (aí o céu é o limite).
O livro conta também casos que giram em torno do suco verde: de quem adotou uma dieta crudívora aos que tomam suco verde e nada mais. Há declarações bem pessoais e até a rotina de um homem que perdeu 75 quilos em seis meses.
A história de Victoria no mundo da comida saudável começou por necessidade. Em 1989, ela e a família se mudaram da Rússia para os EUA, onde Victoria foi convidada pela Universidade da Comunidade de Denver para ensinar sobre a Perestroika. Por lá, conheceram o sedutor mundo do fast-food e da comida pré-preparada e se encantaram. Em três anos, ela, o marido e três dos quatro filhos foram diagnosticados com alguma doença (como diabetes e hipertireoidismo). Até que Victoria conheceu uma mulher que havia curado um câncer apenas se alimentando de comidas cruas. Pimba! Uma nova vida começou.


Fonte:http://ela.oglobo.globo.com/vida/guru-da-comida-saudavel-lanca-livro-com-mais-de-200-receitas-de-suco-verde-12747872#ixzz33zI3kcps

 

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …