Pular para o conteúdo principal

GMO - VERDADES E MENTIRAS SOBRE OS ORGANISMOS GENETICAMENTE MODIFICADOS



GMO - Verdades e Mentiras sobre os
Organismos Geneticamente Modificados
(Relatório para Download GRÁTIS abaixo)

A adoção dos GMO (Organismos Geneticamente Modificados) (*) vem sendo estimulada com base em uma série de reivindicações da indústria do agro-negócios e seus apoiadores.

Eles dizem que as culturas GM:
  • São uma extensão da reprodução natural e não apresentam riscos diferentes das culturas cultivadas naturalmente;
  • São seguras para alimentação e podem ser mais nutritivas que as culturas cultivadas  naturalmente;
  • São estritamente reguladas para a segurança;
  • Têm maior rendimento;
  • Reduzem o uso de pesticidas;
  • Beneficiam os agricultores e facilitam suas vidas;
  • Trazem benefícios econômico;
  • Beneficiam o meio ambiente;
  • Podem ajudar a resolver problemas causados ​​pela mudança climática;
  • Reduzem o consumo de energia;
  • Vão ajudar a alimentar o mundo.

Por outro lado, um grande e crescente corpo de cientistas e evidências importantes, mostram que essas alegações não são verdadeiras. Pelo contrário, as evidências apresentadas neste relatório indicam que as culturas GM: 
  • São feitas em laboratório usando tecnologia que é totalmente diferente dos métodos de reprodução natural, e apresentam riscos diferentes das culturas não-GM;
  • Podem ser tóxicas, alergenicas ou menos nutritivas que suas contrapartes naturais;
  • Não são adequadamente regulamentadas para garantir segurança;
  • Não aumentam o rendimento potencial;
  • Não reduzem o uso de pesticidas, pelo contrário, elas os aumentam;
  • Criam sérios problemas para os agricultores, incluindo as "super ervas daninhas" tolerantes a herbicidas,  o comprometimento da qualidade do solo, e o aumento da suscetibilidade das plantações a doenças;
  • Têm efeitos econômicos confusos;
  • Prejudicam a qualidade do solo, perturbam os ecossistemas e reduzem a biodiversidade;
  • Não oferecem soluções efetivas para as alterações climáticas;
  • São “famintas” por energia, como quaisquer outras culturas cultivadas quimicamente;
  • Não resolvem o problema da fome no mundo, mas distraem nossas atenções de suas causas reais - pobreza, falta de acesso a alimentos e, cada vez mais, a falta de acesso a terras para cultivo.

Baseado nas evidências apresentadas neste relatório, não há a necessidade de correr riscos com culturas geneticamente modificadas, quando já existem soluções eficazes, amplamente  disponíveis e sustentáveis ​​para os problemas que a tecnologia GM reivindica abordar. 

As culturas das plantações convencionais, ajudadas em alguns casos por tecnologias modernas e seguras - como o mapeamento genético e a seleção assistida por marcadores - continua a superar os cultivos geneticamente modificados (GM) alcançando alto rendimento, tolerância a secas, e  resistência a pragas e doenças, que podem atender às nossas necessidades alimentares presentes e futuras.
(*) vegetais ou animais, esse texto refere-se aos vegetais


Faça o Download Grátis do Relatório:

Texto extraído do site: http://www.globalresearch.ca

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …