Pular para o conteúdo principal

OVO,TIDO COMO VILÃO HÁ MUITOS ANOS, É MUITO SAUDÁVEL E NUTRITIVO

Considerado vilão por muitos anos, ovo concentra série de vitaminas e sais minerais

Fonte de todos os aminoácidos essenciais para a saúde, proteína de alta qualidade, colágeno, sais minerais e outras tantas substâncias fundamentais para o funcionamento adequado do organismo

Fonte de todos os aminoácidos essenciais para a saúde, proteína de alta qualidade, colágeno, sais minerais como ferro e cálcio, lipídios, vitaminas A, D, E, K e B12, além de selênio, colina, riboflavina e outras tantas substâncias fundamentais para o funcionamento adequado do organismo. Parece difícil acreditar que todos esses benefícios estejam concentrados no ovo de galinha, mas a verdade é que o estigma que carregou durante décadas se sobrepôs às suas vantagens para a saúde e o impediu de figurar como protagonista na dieta dos brasileiros.

Associado ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares por se acreditar que o alimento poderia elevar o colesterol do sangue, o ovo foi tachado de vilão e excluído das refeições. Que a gema apresenta altos índices de colesterol não há dúvida. A unidade pode ter entre 50 e 250 miligramas da substância, quando a recomendação da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é de consumo diário de até 300 miligramas. Mas daí a inferir que todo esse colesterol vai direto para a parede das artérias é um grande erro.

“A alimentação só contribui com 30% do aumento do colesterol”, garante o nutricionista esportivo Marcus Ávila. A nutricionista Juliana Castilho ainda acrescenta. “Estudos científicos comprovam que as doenças cardiovasculares estão mais relacionadas com a sensibilidade hereditária e maus hábitos alimentares, como a ingestão de gorduras saturadas, principalmente as trans.” Um ovo de 60 gramas tem cerca de 1,5 grama de gordura saturada, quantidade considerada baixa. “Pesquisas indicam que o colesterol sanguíneo é produzido, em grande parte, pelo fígado e as gorduras saturadas consumidas impactam negativamente. Por isso, o consumo necessariamente de ovo não é o único a ter reflexos na elevação do LDL”, reforça Rita de Cássia Ribeiro, professora do Departamento de Nutrição da UFMG.

A verdade é que em apenas 70 calorias é possível consumir 10% de toda a recomendação diária de proteína, ferro, minerais e vitamina B, inclusive o ácido fólico, importante na alimentação das grávidas. Todos esses fatores levam o cardiologista Marco Aurélio Toledo de Miranda a colocar o ovo na segunda posição entre os alimentos mais importantes da natureza, atrás apenas do leite materno. “Enquanto o pintinho está ali dentro, ele precisa de todas essas proteínas e vitaminas para sua formação e o corpo humano também precisa desses itens”, afirma.

E até o tão temido colesterol tem funções importantes no organismo, como formação das membranas das células, produção de hormônios sexuais, vitamina D e até a formação da bile. É na gema que ele se concentra, enquanto a composição da clara se resume basicamente à proteína conhecida como albumina. Descartar a gema para se ver livre do colesterol é um erro, já que todas as demais substâncias benéficas do ovo se concentram ali (veja quadro). “É onde se encontra a maior parte dos nutrientes essenciais. É rica, por exemplo, em luteína e zeaxantina, fundamentais para a saúde dos olhos”, lembra Juliana Castilho.

ALIADO DA MALHAÇÃO Mas se o objetivo é tirar o maior proveito possível da melhor fonte alimentar de proteínas, talvez seja aconselhável reduzir o número de gemas. “Ela é superimportante. No entanto, a maior concentração de calorias está ali. Para quem consome seis claras, por exemplo, consumir também a gema significaria acrescentar centenas de calorias”, observa Marcus Ávila. As proteínas da clara são cobiçadas pelos praticantes de atividades físicas pela importância na reconstituição do tecido muscular. “Durante o exercício, ocorre o estresse muscular, quando as fibras são lesionadas. Se não houver essa reconstrução, pode haver lesões nos treinamentos seguintes”, reconhece Marcus.

Empenhada nos treinamentos para concursos de fisiculturismo, a psicóloga Simone Rodrigues de Oliveira Madsen, de 35 anos, come cinco claras todos os dias. “Não posso comer whey protein porque tem soja e tenho uma dieta restrita. Consegui substituí-la pelo ovo e não notei nenhuma perda de massa magra e ainda consegui reduzir os índices de gordura”, garante. Com baixo índice glicêmico, o ovo ainda traz a tão desejada sensação de saciedade, fundamental para quem busca perder alguns quilinhos.

CONSUMO Especialistas garantem que a ingestão de cinco ovos por semana não traz nenhum reflexo sobre as taxas de colesterol no sangue, número que pode chegar a duas unidades ao dia, desde que a alimentação seja balanceada e a prática de atividades físicas recorrente. “Há porém restrições para quem tem colesterol alto e precisa tomar estatina para controlar. Nesse caso, três ovos por semana é o ideal”, observa o cardiologista Marco Aurélio. Para ter acesso a todos os benefícios citados, o preparo do ovo é importante. “A forma mais correta é o poché. Dessa forma, ele mantém as propriedades e não leva gordura. Cozido também é uma boa alternativa”, aconselha Marco.

Fonte:http://sites.uai.com.br/app/noticia/saudeplena/noticias/2014/02/10/

Uma dúzia de fatos extraordinários sobre ovos


Não, ainda não descobrimos se eles vieram antes ou depois do que as galinhas, mas sabemos de algumas curiosidades que o deixarão maravilhado enquanto você prepara um ovo frito – ou então, pelo menos, alimentarão uma boa conversa de bar. Confira uma dúzia de curiosidades fresquinhas sobre ovos:

1. A casca do ovo…

… é feita de carbonato de cálcio, que é o ingrediente principal de alguns antiácidos que tomamos quando estamos com azia. A casca, apesar de ser leve, representa quase 75% do peso total do ovo e, apesar de parecer maciça, ela possui poros, que permitem que o ar entre, não asfixiando o pintinho que pode estar se desenvolvendo ali dentro.

2. A clara do ovo…

… é feita, principalmente, de uma proteína chamada albumina, e também contém niacina (também conhecida como vitamina B3), riboflavina (vitamina B2), cloro, magnésio, potássio, sódio e enxofre. A clara contém 57% das proteínas do ovo.

3. A cor da gema do ovo…

… é determinada pela dieta da galinha. Quanto mais pigmentos amarelos e laranjas existirem nos grãos usados para alimentar a penosa, mais vibrante será a cor da gema.

4. A cor do ovo também pode variar…

… por outros fatores, mesmo depois que ele já saiu do organismo da galinha. Claras que são mais opacas (quando cruas, obviamente) indicam que o ovo é muito fresco. Já as mais transparentes mostram que o ovo já é mais velho. Se a clara for rosa, desista do seu omelete – os ovos já estão estragados e não devem ser consumidos.
5. Se você encontrar sangue no seu ovo…

… não significa que ele não pode ser consumido. Isso indica que um vaso sanguíneo que pode existir na gema se rompeu. Mas que é macabro ver um ovo sangrando, isso é.

6. A temperatura de um ovo…

… chega a 40 graus Celsius quando ele é botado. Quando eles esfriam, o líquido do seu interior se contrai e uma bolha de ar é formada na extremidade mais larga do ovo. Você pode perceber esse achatamento quando cozinha um ovo por muito tempo para que ele fique duro e o descasca.

7. Uma galinha bota…

… de 250 a 270 ovos por ano. Haja fôlego!

8. Ovos brancos ou caipiras?

A cor da galinha determina a cor da casca de seus ovos. Segundo empresas distribuidoras de ovos, não há diferenças nutricionais significativas entre um ovo de casca escura ou um ovo de casca branca.

9. Os ovos demoram…

… de 24 a 26 horas para se formar dentro de uma galinha. Primeiro uma célula similar ao óvulo feminino desenvolve a gema, em um ovário da galinha. Durante a ovulação da ave, a gema  cai em um tubo chamado “ovoduto”. Esse tubo leva a substância para o útero e é nele que a albumina é formada e depositada ao redor da gema. A casca é formada no útero. Depois de 30 minutos em que a galinha bota o ovo, o processo se inicia novamente.

10. O Brasil produz…

… dois bilhões de dúzias de ovos por ano, em média. Destes, 60% são destinados aos consumidores, 9% vão para restaurantes e o resto é usado por indústrias produtoras de alimentos e vão parar na sua maionese comprada pronta, por exemplo. A China é o maior produtor de ovos do mundo e produz 390 bilhões de ovos todos os anos, cerca de metade da produção mundial.

11. Ovos de peru…

… também são saudáveis e comestíveis, mas você não irá encontrá-los em mercados por aí. Os perus são mais difíceis de serem criados, precisam de mais espaço, então, economicamente falando, produzir ovos de peru não compensa. As peruas também têm instintos maternais muito fortes, então coletar seus ovos é uma tarefa complicada.

12. Os dinossauros…

… também botavam ovos e, muitas vezes, era o pai que era o responsável por chocá-los. Cientistas afirmam que isso resolveria o enigma “quem veio primeiro, o ovo ou a galinha?”, porque os ovos de dinossauro estavam aí muito antes do que as penosas. Mas não é bem assim que o paradoxo funciona, certo?

Fonte:http://hypescience.com/uma-duzia-de-fatos-extraordinarios-sobre-ovos/


Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …