Pular para o conteúdo principal

GLÚTEN ENGORDA SIM E PODE CAUSAR DANOS AO ORGANISMO


Glúten engorda sim e pode causar danos ao organismo


O Glúten além de engordar, o que já é prejudicial a saúde, pode causar também inflamação no organismo. Saiba tudo a respeito e aprenda fazer uma receita sem glúten para sua dieta.

Essa é a dúvida de muitas pessoas. Não é raro ouvir alguém falando sobre os malefícios que o glúten faz para o corpo, inclusive que ele proporciona quilos extras na balança.
A verdade é que nada é exatamente como parece e é necessário conhecer um pouco mais sobre essa substância para saber quais são as suas reais propriedades e o que de fato ela consegue fazer com o nosso corpo.

Mas, afinal de contas, o que é o glúten?

glúten engorda e causa danos a saúde
O glúten é formado a partir da combinação de duas proteínas: a gliadina e a glutenina. Portanto, pode-se deduzir que o glúten é, também, uma proteína. Ele é encontrado na semente de diversos cereais como o trigo, o centeio, a cevada, entre outros. Portanto, todos os alimentos que contêm esses produtos como o pão, biscoito, macarrão e outros, são alimentos que contém glúten.
Essas duas palavras juntas “contém glúten” pode fazer você pensar que já ouviu isso antes. Não só ouviu, como possivelmente, leu também nas embalagens de diversos alimentos. Qualquer produto que contenha essa proteína em sua fabricação precisa ser claramente identificado por causa dos portadores da doença celíaca. Eles possuem intolerância ao glúten e costumam passar muito mal quando ingerem alguma comida com essa proteína.
Sabe aquele pão quentinho, que acabou de sair do forno, crocante por fora e bem macio por dentro? Pois bem, essa “maciez” se deve ao glúten que promove não apenas a elasticidade das massas, mas também, a viscosidade que elas apresentam. É uma proteína formada, principalmente, por pontes de hidrogênio (quem lembra das aulas de química?). Esse é um tipo de ligação muito forte e difícil de ser quebrada.Por isso, o glúten pode levar até 26 horas no nosso organismo até que seja completamente digerido.

O glúten engorda ou não?

Sim, o glúten engorda. Principalmente, porque os alimentos que contém glúten são, justamente, aqueles com alto teor de carboidratos e são eles que se acumulam no corpo em forma gordura quando não são gastos. Porém, outros mecanismos próprios da proteína podem fazer você ganhar uns quilos a mais.
O glúten forma uma espécie de cola na parede do sistema digestivo causando inflamação. Por sua vez, essas substâncias inflamatórias estimulam a produção de tecido adiposo. Ele também consegue formar uma espécie de barreira para a absorção de substâncias importantes como as vitaminas, prejudicando diversas funções do organismo. Quando você elimina o glúten da sua alimentação, em alguns dias, já se sentirá mais magro. Isso se deve ao corpo desinchar, já que o processo inflamatório acumula líquidos no organismo.
Dieta sem glúten
Quer ter uma dieta mais saudável? Muitas pessoas, inclusive famosos, estão adotando a Dieta do Glúten. Não é muito difícil conseguir montar uma dieta sem a proteína já que, por conta dos portadores da doença celíaca, existem vários alimentos sem glúten já disponíveis no mercado ao alcance de qualquer pessoa. O glúten está associado a diversas doenças como o diabetes e também aumenta a sensação de cansaço já que reduz a quantidade de insulina circulante no corpo e assim, as células ficam sem glicose.
Em quais alimentos investir?
Existem diversos alimentos que não contém glúten, mas não adianta comprar um pão sem glúten que vem com recheios que engordam muito. É preciso saber ter controle sobre o que você ingere. O arroz, o fubá, a farinha de feijão, a quinoa e tantos outros alimentos não possuem glúten em sua composição. Um alimento muito comum, principalmente no nordeste e norte do país, é a tapioca. Além de ser muito saborosa e poder ser ingerida com diversos recheios, não contém glúten e pode substituir, facilmente, o pão nosso de cada dia.
Como preparar a tapioca
A tapioca não é exatamente um alimento diet, pois apenas 50 gramas possui 70 calorias, mas, ainda assim, é uma opção melhor do que o pão. Ela pode substituir qualquer refeição do dia como o café da manhã, almoço e jantar e o melhor é que seja ingerida apenas uma vez ao dia. Ela é muito fácil de fazer e difícil de enjoar, pois é possível fazê-la com as mais diversas combinações de recheios. Você pode comprar a tapioca nas feiras em forma de cubos para ralar ou a farinha já ralada. Existem também, em supermercados, os sacos de tapioca ralada na prateleira.
Basta misturá-la com um pouco de sal e espalhar por uma frigideira. Ainda na panela, adicione o recheio, que pode ser salgado (frango com queijo) ou doce (de coco, por exemplo) e depois de poucos minutos, quando ela já estiver deslizando pela panela, você já pode dobrá-la ao meio e comer.
Mas, preste atenção! Comer tapioca sem ingerir líquidos pode causar prisão de ventre. Como é um alimento muito seco, ela tende a sugar a água do organismo em grande quantidade. Então, coloque uma garrafinha de água ao seu lado em todas as atividades que você fizer.
Fonte:http://www.treinomestre.com.br/gluten-engorda-sim-e-pode-causar-danos-ao-organismo/

Postagens mais visitadas deste blog

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …