Pular para o conteúdo principal

TAPIOCA : SAIBA SEUS BENEFÍCIOS E POR QUE É UMA OPÇÃO SAUDÁVEL NA DIETA


Tapioca: Saiba por que é uma opção saudável na dieta (4 receitas light)


Se preparada com recheios light e sem exagero no consumo, a tapioca não engorda e pode ser incluída no café da manha no lugar do pão branco.

A Tapioca ou beiju como é conhecida em alguns lugares no Brasil, é o nome de uma iguaria típica de Pernambuco que vem ganhando cada vez espaços maiores nas feiras livres, assim, como nas franquias abertas e encontradas nos shoppings das cidades.

tapioca engorda emagrece receitas
GettyImages

O que é Tapioca

Descoberta pelos índios, a Tapioca é feita com a goma da fécula da mandioca, e ao ser espalhada numa frigideira aquecida transforma-se numa espécie de panqueca, podendo ser feita no tradicional formato meia-lua, ou aberta, o recheio pode ser com incríveis sabores, os mais tradicionais são coco com leite condensado, coco com queijo coalho, só com manteiga, ou de recheios salgados.

Porque a Tapioca não engorda

A boa notícia para os fãs da Tapioca, é que pode ser incluída no cardápio de dietas para emagrecer, já que se trata de um alimento sem glúten, responsável pela formação de gordura e pelo aumento de peso durante o processo de digestão, além de liberar substâncias inflamatórias, produzir colesterol e desencadear vários tipos de complicações.
A simples ideia de começar uma dieta, é descobrir um alimento que seja ideal para substituir o pão francês pela manhã, já que a farinha branca é uma das principais vilãs para o aumento de peso, e nesse caso a tapioca é uma ótima alternativa, pois além de não ter a farinha em sua composição, é também isenta de glúten.
Como incluir a Tapioca nas dietas
A forma de aproveitar bem a Tapioca, está ligada aos ingredientes utilizados juntos para seu preparo, já que é rica em carboidratos, substâncias que liberam açúcar no sangue, por isso, os recheios calóricos devem ser evitados ao máximo.
Os recheios ideais para serem saboreados com a Tapioca, são aqueles que trazem benefícios a saúde como ricos em fibras que são os nutrientes necessários para promover uma saciedade maior, indicados para controlar a fome, perder peso e indicados também para o bom funcionamento do organismo.
A alimentação saudável consiste as vezes em fazer substituições em algumas receitas por outros ingredientes saborosos e ao mesmo tempo menos calóricos conforme os nutricionistas, já que a Tapioca pode ser incluída também na dieta, pois cada colher de sopa do alimento tem apenas 70 calorias.
Quais os benefícios da Tapioca na dieta

Existem vários motivos para incluir a Tapioca no cardápio diário não só na dieta, os principais são:
  • A Tapioca não contém glúten, portanto não possui em sua composição a gliadina, proteína encontrada no glúten responsável pelo aumento da inflamação do organismo e das gorduras localizadas, a conhecida gordura abdominal;
  • A Tapioca pode ser consumida inclusive pelos diabéticos;
  • É um ótimo substituto para o “famoso vilão” o pão branco, que tem farinha branca, glúten, e proteínas que não são digeridas pelo organismo, por isso a Tapioca pode ser consumida diariamente.
como preparar a tapioca light
GettyImages
O importante ao ser adotada a Tapioca na dieta, ou até mesmo no dia a dia, é que os acompanhamentos ou sejam os recheios, sejam escolhidos com cuidado, prefira ingredientes saudáveis, leves e que trazem reais benefícios ao organismo, na dúvida um simples fio de azeite sob uma Tapioca com toques de páprica ou orégano recheadas de tomate picados, já fazem toda a diferença, e para as Tapiocas doces a dica é a boa e velha geleia sem açúcar.
A ideia é que a Tapioca pode ser preparada da forma que preferir, até como uma deliciosa pizza servida com molho de tomate, mussarela de búfala, manjericão e o toque para deixá-la mais nutritiva com algumas sementes de chia.
Para mostrar a versatilidade da Tapioca separamos algumas receitas light:
Tapioca salgada de linhaça com ovos mexidos e tomate
Ingredientes:
2 colheres (sopa) de farinha de tapioca (goma de mandioca hidratada)
1 colher (sopa) de semente de linhaça
1 ovo
1 tomate picado e sem sementes
Orégano
Azeite
Sal
Modo de preparo:
Incorpore a farinha de tapioca com a semente de linhaça e leve a mistura para uma frigideira bem quente. Quando começar a grudar, vire. Faça um ovo mexido com o tomate, orégano e azeite e acrescente o sal.
Recheie a tapioca com o ovo mexido e feche.
semente de linhaça nesta receita é indicada também no controle de diabetes, além de auxiliar no funcionamento do intestino, deixa a pele mais saudável, é ideal para limpar as artérias, já que tem em sua composição gorduras do bem monoinsaturadas e as poli-insaturadas ômegas 3 e 6.
Tapioca doce com amaranto, banana e tahine
Ingredientes:
2 colheres (sopa) de farinha de tapioca (goma de mandioca hidratada)
1 colher (sopa) de farinha de amaranto
1 colher (sobremesa) de tahine (pasta de gergelim)
1 colher (sopa) de xarope de agave
1 banana picada
Modo de preparo:
Incorpore a farinha de tapioca com a farinha de amaranto e coloque a mistura em uma frigideira bem quente. Deixe grudar e vire, acrescente a banana, o tahine e o agave. Feche e sirva.
O amaranto é um grão completo como o arroz com feijão, é rico em proteína, possui aminoácidos, moléculas orgânicas essenciais para o organismo.
Tapioca salgada crocante com cottage e minas padrão
Ingredientes:
200g de goma de tapioca
1 colher (sopa) de óleo de coco extravirgem ou manteiga
3 colheres (sopa) de cottage
2 colheres (sopa) de queijo minas padrão ralado
1 colher (café) de flor de sal
Modo de preparo:
Em uma frigideira pequena, aqueça em fogo baixo o óleo de coco ou a manteiga. Peneire a tapioca sobre a frigideira e quando ela formar uma casquinha, vire por cerca de 2 minutos. Repita o processo mais 2 vezes, até que ela comece dourar e fique crocante. Retire do fogo e coloque o cottage e o queijo minas padrão ralado por cima, se preferir dê um toque de sal.
Tapioca com chia, cottage e mel
Ingredientes:
2 colheres (sopa) de farinha de tapioca (goma de mandioca hidratada)
1 colher (sopa) de semente de chia
2 colheres (sopa) de queijo cottage
1 colher (sopa) de mel
Modo de preparo:
Incorpore a farinha de tapioca com a chia e coloque a mistura em uma frigideira bem quente. Deixe grudar e vire. Acrescente o queijo cottage, o mel e feche. Sirva em seguida.
A vantagem de incluir a chia nas receitas, é devido as propriedades que possui como vitaminas do complexo B, de minerais como cálcio, fósforo, magnésio, potássio, ferro, zinco e cobre, o consumo diário é ideal principalmente para vegetarianos.
Os ingredientes das receitas apresentadas são meras sugestões, eles podem ser alterados de acordo com a preferência e o paladar, apenas escolha sempre alimentos de baixas calorias para o sucesso da dieta.
Fonte:http://www.treinomestre.com.br/tapioca-saiba-por-que-e-uma-opcao-saudavel-na-dieta-4-receitas-light/

Benefícios da Tapioca: Rica em fibras, proteínas e carboidratos

A Tapioca tem índice glicêmico alto, e é mais indicada para quem pretende o ganho de massa muscular, mas pode ser consumida por todos desde que com cuidado.
No Norte e no Nordeste, a tapioca faz parte do café da manhã de muitos moradores, desde sempre.
Mas quem poderia imaginar que aquela goma de mandioca que tanta gente come com manteiga de garrafa, leite condensado, queijo coalho, carne seca ou goiabada, faria sucesso entre os adeptos de uma alimentação saudável
A ideia de substituir o pão branco pela tapioca não é nenhuma novidade.
Os índios tupi-guarani já usavam a raiz como alimento bem antes da colonização.
Quando os portugueses descobriram o Brasil, logo perceberam que a goma era um bom substituto para o pão e, por influência dos escravos, ganhou recheios de coco e carne seca.
De lá pra cá, a tapioca manteve a sua importância na culinária brasileira, mas foi a moda das dietas sem glúten que a fez ganhar fama de aliada da boa forma.
Rica em carboidratos, a tapioca não tem glúten, sódio e não leva gordura nem no preparo.
Por outro lado, é pobre em fibrasproteínas e é um alimento de alto índice glicêmico (115).
índice glicêmico é um fator que diferencia os carboidratos, pois cada tipo “entra” na corrente sanguínea com diferentes velocidades.
Um alimento com baixo índice glicêmico, como a batata doce, tem liberação lenta, com poucas alterações glicêmicas. Já um alimento com alto índice glicêmico, como a tapioca, tem liberação rápida e provoca uma hiperglicemia.
Este quadro estimula a liberação do hormônio insulina, visando controlar os níveis glicêmicos.
Dependendo da quantidade de alimentos de alto índice glicêmico que comemos, pode ocorrer uma hipoglicemia de rebote.
Um dos principais sintomas da hipoglicemia é justamente a falta de energia, ou seja, tudo o que um praticante de atividade física não deseja durante o exercício.
Portanto, caso você sinta esse sintoma durante o treino após o consumo da tapioca, você teria duas opções.
Introduza um suplemento fonte de carboidratos durante o treino (waxy maize) ou substitua atapioca por batata doce ou outro alimento com baixo índice glicêmico.
Em resumo, o índice glicêmico é um indicador para sabermos quais os alimentos devemos comer para evitar o sobe e desce abrupto da glicemia.
No caso da tapioca, mesmo tendo um alto IG, quando consumida junto com alimentos ricos emfibras e proteínas não provoca a hiperglicemia, pelo menos não tão intensamente.
Para controlar o IG de uma refeição com tapioca, a dica é rechear a massa com proteínas (frango, claras de ovos, atum) e um pouco de fibras (vegetais).
Do ponto de vista da nutrição esportiva, os melhores horários para comer tapioca são no café da manhã, no pré-treino (entre 1 e 2 horas antes) e no pós treino (até 1 hora após).
Via de regra, esses três momentos do dia são os que necessitam de um maior aporte na ingestão decarboidratos.
Para quem faz atividades físicas moderadas e quer perder gordura corporal eu recomendaria a ingestão de alimentos fonte de carboidratos com baixo IG, como a batata doce ou a aveia, por exemplo, ao invés da tapioca.
Se o objetivo é melhora da performance e/ou ganho de massa muscular a dieta pode ser mais rica em carboidratos.
Neste caso, a tapioca acaba sendo uma boa alternativa para variar o cardápio.
Ou seja, mais uma vez, tudo dependerá de cada caso!
A tapioca possui também uma elevada concentração de carboidratos.
Uma tapioca pequena, com 50 gramas, contém 43 gramas de carboidratos.
Já a mesma quantidade (50 gramas) de batata doce cozida, possui em torno de 12 gramas desse nutriente.
Por isso, calcule bem as quantidades antes de sair consumindo a tapioca toda hora.
De um modo geral, a tapioca é, sim, uma boa alternativa para substituir o pão branco, por ter rápida digestibilidade, menos calorias e nada de sódio.
Agora, quem troca o pão pela tapioca, pensando apenas na quantidade de calorias, pode cometer o mesmo erro de quem tira o glúten da dieta e passa a comer alimentos sem fibras.
Equilíbrio e bom senso só fazem bem.
Antes de adicionar ou excluir algum alimento do seu cardápio é importante verificar se a dieta da moda tem todos os nutrientes que o seu corpo precisa, por isso, consulte sempre uma Nutricionista.
Autor do artigo – Rodolfo Peres – Nutricionista Esportivo

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …