Pular para o conteúdo principal

DIETA SEM GLÚTEN : NUTRICIONISTAS DIZEM DEZ ALIMENTOS QUE SÃO PERMITIDOS

AS NOZES SÃO FONTE DE ÔMEGA 3 E O IOGURTE GREGO É RICO EM PROTEÍNA (Foto: Thinkstock)

Dieta sem glúten: nutricionistas dizem dez alimentos que são permitidos

A noz, o iogurte grego e a batata doce são alguns ingredientes que você pode (e deve!) incluir no seu regime sem glúten


A nova tendência das dietas do momento é excluir o glúten da rotina alimentar.  A proteína encontrada no trigo e no centeio se tornou a uma vilã da alimentação. Celebridades como a estilista Victoria Beckham e a atriz Gwyneth Paltrow já declararam que seguem um regime sem de glúten.
Mas ao eliminar alguns itens do seu cardápio, você deve substituí-los por outros para garantir o bom funcionamento do organismo e consumir todas os nutrientes vitaminas necessários para o corpo. A versão inglesa da Marie Claire consultou especialistas e listou 12 alimentos que podem ser ingeridos em uma dieta sem glúten.
1. FARINHA DE ARROZ
“A farinha de arroz é uma alternativa à farinha comum”, diz o nutricionista Jonny Stannard. “Use para fazer um pão, um bolo ou para engrossar sopas e molhos.”

2. IOGURTE GREGO
"Alguns iogurtes contêm aditivos que não são permitidos para aqueles seguem uma dieta livre de glúten", explica o nutricionista Martin MacDonald. "Mas o iogurte grego natural é feito apenas com dois ingredientes: leite e as culturas do iogurte. Além disso, é também uma grande fonte de proteína."

3. QUINOA
“A quinoa é uma boa opção no lugar do macarrão e do pão nas refeições.”, afirma Martin. “Sua digestão é lenta e, portanto, mantém seus níveis de energia estáveis e dá saciedade por mais tempo.”

4. NOZES
Segundo a nutricionista Madeleine Shaw, as nozes são ricas em ômega 3, gordura saudável que ajuda a aumentar a capacidade intelectual. Fora isso, elas dão a sensação de saciedade.

5. OVOS
Madeleine aconselha adicionar ovos à sua dieta sem glúten. “Eles são uma boa fonte de proteína e a gema contém vitamina D, um nutriente essencial.”

ABACATE, OVO, QUINOA E SALMÃO SÃO ALGUNS DOS ALIMENTOS SAUDÁVEIS - E SEM GLÚTEN! (Foto: Thinkstock)
6. BATATA DOCE
Muitos grãos são cortados da dieta sem glúten, mas de acordo com Jonny eles são importantes na rotina alimentar. “Consuma grãos e amidos sem glúten, como batata doce e feijões.”

7. ÓLEO DE COCO
Depois de consumido, o óleo de coco é convertido instantaneamente em energia de forma semelhante aos carboidratos e açúcares. “No entanto, ele não aumenta os níveis de insulina. Isso significa que é menos provável que você sinta vontade de doces e ataque um durante o dia”, explica Madeleine.

8. ABACATE
Ainda segundo Madeleine, uma pesquisa mostra que comer um abacate por semana equilibra os hormônios e ajuda a prevenir o câncer do colo do útero. Eles são também uma boa fonte de gorduras boas.

9. PEIXES
“Em uma dieta sem glúten você corta muita carboidratos, por isso deve adicionar gorduras saudáveis à alimentação que irão dar a sensação de saciedade, proporcionar energia e nutrientes para o corpo”, afirma a nutricionista. “Essas gorduras são encontradas em alguns peixes, como o Salmão, que é rico em ômega 3 e ajuda a manter a função imunológica saudável.

10. FÍGADO
Se você reduzir o consumo de cereais, é importante ingerir vitaminais e minerais essenciais, como o ferro, por meio de outros alimentos. O fígado é uma ótima fonte de ferro e mais nutrientes.


Fonte:http://revistamarieclaire.globo.com/Beleza/noticia/2014/11/dieta-sem-gluten-nutricionistas-dizem-dez-alimentos-que-sao-permitidos.html

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …