Pular para o conteúdo principal

OS MITOS E VERDADES POR TRÁS DOS ALIMENTOS FUNCIONAIS

  (Foto: Thinkstock)

Os mitos e verdades por trás dos alimentos funcionais

Da velha e boa linhaça ao novo queridinho koubo, desvendamos o que há de mito e verdade por trás dos inúmeros alimentos funcionais 

Descubra os maiores mitos e verdades por trás dos alimentos funcionais, da velha e boa linhaça ao novo queridinho koubo.

LINHAÇA
se hoje nos preocupamos mais com o teor funcional que com as calorias dos alimentos, é graças à linhaça. a semente conquistou o melhor lugar à mesa por reunir ativos capazes de diminuir a quantidade de gordura corporal, combater o inchaço, reduzir inflamações e colocar para funcionar o intestino. “ela também contém substâncias antioxidantes que retardam o envelhecimento da célula”, completa a nutricionista funcional e esportiva Fernanda granja, de são Paulo. Melhor: não há contra-indicação e é pouco calórica.

QUINOA
Mesmo sendo calórica, faz jus ao seu longevo sucesso pela quantidade de vitaminas e aminoácidos essencias. “É um grão tão completo que favorece desde o intestino e a imunidade até a melhora da capacidade de funcionamento do cérebro”, diz a nutricionista funcional carioca Patrícia Davidson. Plus: ameniza os sintomas da TPM.

AMARANTO
amigo das musas fitness, é um ótimo complemento para quem quer definir o corpo. “ele possui 15% de proteína e estimula a queima de gordura e a recuperação dos músculos após atividade física”, explica Davidson. a ordem é consumir ao menos duas colheres de flocos de amaranto por dia em sucos, caldos ou iogurtes.

ÓLEO DE COCO
Bastou a top Miranda Kerr dizer que recuperou a forma após a maternidade graças ao óleo de coco para que virasse hit.oque parece contraditório -um óleo eliminar gordura - tem explicação: ele controla o cortisol, hormônio do estresse que aumenta a gordura abdominal. “uma colher de sopa ao dia é o suficiente. Por conter ácidos láurico e caprílico, fortalece o sistema imunológico e melhora o funcionamento do intestino”, afirma granja. Mas deve ser consumido com parcimônia devido ao seu alto teor calórico: são 110 calorias numa colher de sopa.

KOUBO
O superalimento da vez é o koubo (também chamado de pitaya), fruta bem conhecida na caatinga do Nordeste, que tem como principal função aumentar a saciedade e amenizar aquele desejo quase incontrolável por doce. “além de rica em fibras, proteínas, vitamina C e ácidos graxos, carrega em sua composição substâncias, como a tiramina, que diminui a fome”, ensina Davidson. Disponível também em cápsulas com extrato da fruta, deve ser consumida antes das principais refeições.

BATATA-DOCE
É o carboidrato preferido das fitness girls por liberar energia para o treino de forma gradual. além disso, ajuda a não fugir da dieta. “Tem índice glicêmico baixo, nutrientes e enzimas que a fazem ser digerida lentamente, equilibrando a taxa de insulina e glicose e diminuindo picos de fome”, explica a nutricionista funcional Mariana Poletto, de são Paulo.

GOJI BERRY
Boa aliada da dieta, a fruta asiática antes desconhecida se tornou item indispensável de quem segue uma alimentação saudável. “Contém triptofano, hormônio que atua na sensação de bem-estar, diminuindo o apetite e prolongando a saciedade”, explica granja. Pouco calórica e rica em vitamina C, zinco, magnésio e ferro, é bem mais nutritiva que uma laranja. (ANDRÉIA MENEGUETE)


Fonte:http://vogue.globo.com/beleza/fitness-e-dieta/noticia/2014/10/da-linhaca-ao-koubo-os-mitos-e-verdades-por-tras-dos-alimentos-funcionais.html

  (Foto: Thinkstock)

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …