Pular para o conteúdo principal

HÁBITOS ALIMENTARES DE ADOLESCENTES : A PERCEPÇÃO DE MÚLTIPLAS EXPERIÊNCIAS

Alimentação  (Foto: shutterstock)

Hábitos alimentares de adolescentes: A percepção de múltiplas experiências

*AMANDA LO BIANCO BORGES
28/01/2015

A adolescência é a fase na qual ocorrem intensas mudanças físicas, psicológicas e comportamentais. Estas mudanças fazem parte de um processo contínuo e dinâmico, que sofre influências do meio social e do ambiente onde o jovem se encontra. Nessa fase da vida, a alimentação tem um peso “extra”.  É na adolescência que se consolidam os hábitos alimentares para a vida adulta. Além disso, é um período de altas necessidades nutricionais que precisam ser satisfeitas para propiciar adequado crescimento e desenvolvimento da pessoa. Como é o período em que se adquire determinada independência e assumem-se responsabilidades, o adolescente fica mais vulnerável, do ponto de vista nutricional.

Num contexto mais geral, as escolhas alimentares podem ser influenciadas pelos determinantes sociais de saúde, que envolvem fatores sociais, econômicos, culturais, étnicos/raciais, psicológicos e comportamentais. No Rio de Janeiro, por exemplo, o Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), atuante nas comunidades da Zona Oeste, identificou que a dieta da família e dos amigos e os aspectos psicológicos e econômicos são os principais fatores de influência na criação dos hábitos dos adolescentes. A vulnerabilidade social da população dessas comunidades é um fator adicional e preponderante para o bem-estar físico, mental e social que definem o conceito de saúde. Além disso, há certo comodismo em relação às práticas alimentares observadas atualmente, que em geral não são saudáveis.
Amanda Lo Bianco Borges (Foto: Humberto Teski)
Durante os trabalhos de educação nutricional e alimentar realizados no NASF da Zona Oeste do Rio, percebeu-se o elevado consumo de alimentos de alta densidade energética com baixo valor nutricional. Entre os alimentos mais consumidos estão os salgadinhos à base de milho, refrigerantes, maionese, biscoitos recheados, frituras e pão branco. De acordo com novo “Guia Alimentar para a População Brasileira” (2014), do Ministério da Saúde, os passos para a alimentação saudável devem limitar o consumo de alimentos processados e evitar o consumo de alimentos ultraprocessados. E são estes os grupos de alimentos os mais consumidos pelos adolescentes, o que leva ao surgimento cada vez mais precoce do sobrepeso e da obesidade, assim como de outras doenças crônicas não-transmissíveis, como a diabetes.
"Falta de tempo" é a justificativa mais frequentemente alegada pelas famílias, que substituem a comida caseira pela comida congelada, o suco natural pelo industrializado. A praticidade para os pais se traduz em problemas de saúde para os filhos, apresentando-se em forma de hipertensão arterial e dislipidemias (altos níveis de gorduras no sangue). Os adolescentes também não possuem o hábito de realizar as seis refeições diárias e negligenciam o desjejum e o jantar. A falta de atividade física relacionada ao sedentarismo e às facilidades da vida moderna também contribuem no processo “obesogênico” desse grupo.

É preciso enfatizar que as ações de educação nutricional e alimentar devem ser permanentes. A mudança de hábitos, muitas vezes já enraizados, requer diálogo, reflexão e vigilância constantes, num grupo de adolescentes tipicamente despreocupados com o futuro de sua própria saúde. As ações educativas têm que ser atrativas e dinâmicas para ampliar a autonomia e a consciência dos adolescentes no momento da escolha dos alimentos. O trabalho realizado pelo NASF também estimula a integração social lançando mão de atividades lúdicas, oficinas culinárias com reaproveitamento integral de alimentos (otimiza a utilização dos recursos alimentares disponíveis no local), oficinas temáticas, rodas de conversa, entre outras.

O cenário exposto até aqui é fundamental para que se entenda e se pratique o conceito da Segurança Alimentar e Nutricional, que em sua definição indica o consumo alimentar de qualidade. Na 28ª edição do Prêmio Jovem Cientista, o tema abordado convida à reflexão sobre as práticas alimentares promotoras de saúde, que devem ser cada vez mais estimuladas dentro de escolas, em unidades de atenção básica e em locais públicos, nos fazendo repensar a importância da educação nutricional e alimentar na formação de todos os cidadãos.


* Amanda Lo Bianco Borges é nutricionista do NASF - Núcleo de Apoio à Saúde da Família

Fonte:http://epoca.globo.com/vida/noticia/2015/01/bhabitos-alimentares-de-adolescentes-b-percepcao-de-multiplas-experiencias.html

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …