Pular para o conteúdo principal

ENTENDA A DIFERENÇA ENTRE OS PRINCIPAIS TIPOS DE AÇÚCARES E ADOÇANTES

Entenda as diferenças entre os principais tipos de açúcares e adoçantes

DANIELA SALÚ
Da Redação
Açúcar ou adoçante? Perguntar a opção na hora de adoçar a bebida virou algo comum nos dias de hoje, afinal, são cada vez mais pessoas interessadas em economizar algumas calorias, mesmo que seja apenas em um simples cafezinho ou suco. Os adoçantes dietéticos começaram a se tornar populares no Brasil na virada das décadas de 1980 e 1990. Inicialmente utilizados por diabéticos, logo ganharam a adesão de pessoas que estavam tentando controlar o peso. 
  • Folha Imagem
    Apesar de geralmente ser produzido de maneira mais artesanal, o açúcar mascavo não traz nutrientes expressivos que o torne mais saudável que os demais.


Os açúcares - especialmente o refinado - ainda são os mais utilizados pela população para adoçar alimentos e bebidas, mas o consumo de adoçantes vem aumentando rapidamente. "Calcula-se em 10% o crescimento anual do consumo de alimentos e bebidas nas categorias light e diet", diz Samantha Caesar de Andrade, nutricionista e pesquisadora doutoranda do Departamento de Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da USP. 

Hoje encontramos uma gama bastante diversificada de adoçantes artificiais nas prateleiras. Se por um lado isso se traduz em mais opções para o consumidor, por outro, multiplica as dúvidas em relação ao uso do produto e seus efeitos no organismo. "Ainda não sabemos os efeitos a longo prazo, pois eles são produtos recentes. O que temos é a regularização dos órgãos que preconizam quantidades seguras para não causar prejuízos à saúde, desde efeitos como diarréias e dor de cabeça, até alergias", afirma Viviane Laudelino Vieira, nutricionista do Centro de Referência para a Prevenção e Controle de Doenças Associadas à Nutrição (CRNUTRI) da Faculdade de Saúde Pública da USP.

No ano passado, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) decidiu reduzir a quantidade máxima da sacarina e do ciclamato em bebidas e alimentos e aprovar o consumo brasileiro de três substancias novas - a taumatina, o eritrol e o neotame, adoçantes já aprovados por outros organismos de saúde. "Segundo especialistas da agência, a quantidade de sódio presente tanto no ciclamato como na sacarina pesou na decisão, já que o sódio é, por si só, uma substância condenada pela Organização Mundial de Saúde (OMS)", afirma Samantha Caesar de Andrade. O alto teor de sódio presente nas duas substâncias causaria uma dificuldade a mais no combate de doenças como a hipertensão. A sacarina já e proibida no Canadá, e o ciclamato, nos Estados Unidos, pois pesquisas com camundongos nestes países mostraram um aumento no risco de câncer de bexiga. Embora não haja estudos que mostrem esse risco em humanos, é recomendável limitar a quantidade do consumo destas substâncias.

  • Folha Imagem
    Aspartame, Sucralose, Sacarina, Ciclamato e Acessulfame-K são algumas das substâncias presentes nos adoçantes dietéticos disponvíeis no Brasil


Segundo os profissionais de nutrição, o uso contínuo dos adoçantes artificiais não provoca um efeito cumulativo no organismo. "Muitos deles não chegam a ser metabolizados pelo corpo, e são eliminados da mesma forma que entraram", afirma Veridiana Russo, nutricionista da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Ela afirma que um indivíduo saudável pode consumir qualquer adoçante sem problemas. Já as pessoas com doenças que exigem alguma restrição alimentar devem consultar um médico antes para fazer a opção mais adequada ao seu caso.

Apesar da ausência de estudos comprovando possíveis malefícios à saúde, os médicos costumam desaconselhar o uso de adoçantes artificiais para crianças e gestantes, por precaução. "Existe um receio por ser uma substância química e sabermos que tudo o que alimenta a mãe vai para o bebê. Como não temos certeza de como isso pode interferir, por via das dúvidas a tendência é restringir, mesmo sem ter algum efeito maléfico comprovado", diz Viviane Laudelino Vieira. 

Os especialistas consultados por UOL Estilo não apontam um tipo de adoçante ideal. A recomendação geral é moderação no consumo, pois muitos tendem a abusar das doses - seja qual for a opção escolhida. "O consumo de açúcar no Brasil é três vezes maior do que recomenda a Organização Mundial de Saúde", diz Mariana Del Bosco Rodrigues, nutricionista do Departamento de Nutrição da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica - ABESO. Veja na tabela algumas características dos principais açúcares e adoçantes disponíveis no Brasil e faça a sua escolha.
Fonte:http://estilo.uol.com.br/ultnot/2009/05/22/ult3617u7372.jhtm
Entenda a diferença entre os tipos de açúcar aqui:

CRISTAL

O caldo de cana passa por processos de purificação, evaporação, cristalização, centrifugação e, por último, pela secagem. A partir do açúcar cristal, são obtidos outros tipos de açúcar, como o refinado e o confeiteiro. O açúcar cristal, portanto, passa por menos processos na hora de ser preparado.
REFINADO
Tipo de açúcar conquistado a partir da diluição do açúcar cristal. A calda obtida passa por diversos processos até chegar ao peneiramento. A porção mais fina é separada para a obtenção do açúcar de confeiteiro. O restante é o açúcar refinado.
DE CONFEITEIRO
A granulação do açúcar de confeiteiro é mais fina do que o refinado, podendo ou não ter como aditivo algum tipo de amido ou fosfato de cálcio para dar maior leveza. Sua minúscula constituição favorece a fixação sobre pães e doces após o seu preparo e para a confecção de coberturas. Pode ser feito em casa moendo o açúcar comum em um moedor de café ou em um processador.
ORGÂNICO
O diferencial é que a cana utilizada em sua fabricação é cultivada sem fertilizantes químicos. O açúcar orgânico utiliza processos apoiados na sustentabilidade do meio ambiente, desde o plantio até a etapa final. Suas características nutricionais se assemelham com as do açúcar mascavo. Portanto, apresenta uma quantidade maior de vitaminas e minerais em relação ao açúcar refinado.
LIGHT
É uma mistura de açúcar (sacarose) e adoçante (sucralose, ciclamato ou sacarina). Por causa dessa mistura, o light não apresenta o gosto residual que os adoçantes contêm, mas também não tem uma redução de calorias. A diferença é que a mesma quantidade de açúcar light adoça entre duas e cinco vezes mais do que o açúcar comum. Podemos dizer que o açúcar light é intermediário entre o açúcar refinado e o adoçante. O seu consumo é contraindicado para dietas com restrição de açúcar, a exemplo dos diabéticos.
LÍQUIDO
É também uma solução aquosa, obtida a partir da sacarose transparente e límpida, usada quando é fundamental a ausência de cor, caso de bebidas claras, balas, doces e produtos farmacêuticos.
FRUTOSE
Como o próprio nome indica, está bastante presente em frutas. É mais doce do que a sacarose (o açúcar propriamente dito). Você pode encontrá-la ainda em cereais, vegetais e até no mel.
MASCAVO
Por não passar pelo processo de refinamento, a qualidade nutricional do açúcar mascavo é melhor em relação ao açúcar refinado. Ele apresenta vitaminas e minerais que não estão presentes na versão refinada.
DEMERARA
Em termos nutricionais, é muito parecido com os valores nutricionais do mascavo. O grão do açúcar demerara é marrom-claro e possui um beneficio em relação ao mascavo: não altera o sabor dos alimentos.
Fonte:http://www.nutrivanessalodi.com.br/voce-sabe-a-diferenca-entre-os-tipos-de-acucar/

Açúcar: Qual a melhor opção?

Conhecendo um pouco a história: o açúcar já era produzido desde a Antiguidade por indianos e persas, extraído da cana. Foram os árabes que o apresentaram aos europeus  por volta do século X, como especiaria exótica e caríssima. No século XVI, 1 kg de açúcar era vendido por 10 cabeças de gado! O açúcar entrou para civilização Ocidental e evoluiu para a condição de fármaco que dava corpo e sabor doce a xaropes, avançou para a condição de especiaria apreciada pelas elites burguesas e finalmente saltou para a mesa de todos. Essa trajetória só foi possível graças a uma produção que ganhou escala cada vez maior depois que espanhóis e portugueses trouxeram para o novo mundo a cultura da cana-de-açúcar.
É comum chamar de açúcar tudo o que tem o poder de adoçar o alimento. Podendo ser o mel, adoçantes, açúcar de mesa (açúcar branco) e suas variações.
“Açúcar é a sacarose obtida de Saccoharum officinarum ou de Beta alba, L., por processos industriais adequados”, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Na nossa alimentação pode estar presente em duas maneiras:
  • açúcar intrínseco (dentro de frutas, vegetais ou doces);
  • açúcar extrínseco (adicionado às preparações).
Ele é extraído sobretudo da cana-de-açúcar e da beterraba.
Tipos mais comuns de açúcar encontrados nos mercados:
  • Refinado ou branco: é o mais prejudicial. No refinamento, seus sais minerais e vitaminas são perdidos e inúmeros produtos químicos são utilizados para que o açúcar fique branco, solto e bonito, motivo este que leva à perda de seus nutrientes.
  • Cristal: com grânulos grandes, difíceis de serem dissolvidos, passa por refinamento, mas conserva 10% dos sais minerais;
  • Confeiteiro: muitíssimo refinado, recebe amido de arroz, de milho ou fosfato de cálcio para os minicristais não se juntarem novamente. Normalmente usado no preparo de doces;
  • Light: combina açúcar refinado a adoçantes artificiais. Porém contém mais aditivos químicos;
  • Demerara: de cor marron-clara, passa por leve refinamento e não tem aditivo químico. Tem alto valor nutricional;
  • Mascavo: é escuro e úmido (cuidado com a umidade devido a presença de fungos). Por não ser refinado, conserva cálcio, ferro e sais minerais. Tem acentuado gosto de cana.
O açúcar orgânico é um produto de granulação uniforme, produzido sem nenhum aditivo químico, tanto na fase agrícola como na industrial, e pode ser encontrado nas versões claras e dourada. Além disso o açúcar orgânico utiliza processos apoiados na sustentabilidade do meio ambiente, desde plantio até etapa final. No mercado já existem algumas opções, como o açúcar cristal orgânico e o açúcar demerara orgânico. Vale lembrar que o demerara possui mais nutrientes que o cristal, mesmo sendo orgânico.

Nutrientes
Refinado
Mascavo / Demerara
Energia
387kcal
376kcal
Carboidratos
99,9g
97,3g
Proteínas
-
-
Vitamina B1
-
0,01mg
Vitamina B2
0,02mg
0,01mg
Vitamina B6
-
0,03mg
Cálcio
1mg
85mg
Magnésio
0mg
29mg
Cobre
0,04mg
0,03mg
Fósforo
2mg
22mg
Potássio
2mg
346mg
Adaptado da Tabela de Composição de Alimentos. Sônia Tucunduva

O excesso de açúcar no organismo leva a alterações como cáries, superacidez (que provoca perda de minerais importantes como por exemplo o fósforo e o cálcio), até a desordens como Resistência a Insulina, Diabetes e até aumento de Triglicerídeos, colesterol, e como consequência a obesidade. Lembre-se: nosso organismo não é preparado para receber excessos dessa carga química.

O ideal é não consumir produtos e alimentos com grandes quantidades de açúcar e adoçantes (principalmente artificiais), como refrigerantes e doces de padaria. Saiba que até pão, pizza, molho shoyo, guaraná “natural” e vinho possui açúcar (olho no rótulo). Evite adicionar em sucos, chás e café, e quando fazê-lo tomar muito cuidado na quantidade (sempre pouco) e buscar pela melhor opção de açúcar: quanto mais escuro e orgânico, mais nutrientes são preservados e menos química é adicionada. Seu organismo agradece!

Muita saúde a todos!
Referências:
  • Tabela de  Composição de Alimentos. Sônia Tucunduva Philippi
  • Açúcar: O perigo doce. Fernando Carvalho.
  • Nux Nutrição Avançada

Fonte:http://ligadasaude.blogspot.com.br/2011/08/acucar-qual-melhor-opcao.html

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …