Pular para o conteúdo principal

ALERTA : CERCA DE 175 PRODUTOS QUÍMICOS PERIGOSOS PARA A SAÚDE,FORAM ENCONTRADOS NA EMBALAGEM DE ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS

Alerta: Cerca de 175 produtos químicos perigosos para a saúde foram encontrados nas embalagens de industrializados 

Um estudo realizado pela Packaging Food Forum encontrou cerca de 175 produtos químicos, que estão diretamente ligados ao câncer e a problemas de fertilidade.

 Prontamente, a Food Standards Agency tranquilizou seus consumidores, explicando que as embalagens possuem produtos químicos sim, mas são totalmente inócuos, pois estão dentro das restrições impostas pelo padrão estabelecido.

Porém, o que o estudo, que foi publicado na revista Food Additives and Contaminants, encontrou foi uma realidade um tanto diferente. As substâncias detectadas interferem na produção do esperma, podem causar malformações genitais e interromper a geração de hormônios em todo o corpo.
A Dra. Jane Muncke, diretora-gerente da Packaging Food Forum, disse: "Do ponto de vista do consumidor, é certamente indesejável e também inesperado encontrar produtos químicos tão prejudiciais sendo usados intencionalmente em materiais que ficam em contato com os alimentos”.

A lista desses produtos inclui tanto aqueles que se acumulam no ambiente como no corpo humano. Um exemplo encontrado foram os ftalatos, substância amplamente usada como plastificante, que pode provocar a infertilidade masculina e desenvolver o câncer.
Benzofenonas e compostos organoestânicos, encontrados em tintas de impressão e nos revestimentos dos invólucros de alimentos, também foram identificados. Os pesquisadores descobriram também que alguns recipientes de armazenamento liberam essas substâncias a níveis baixos, porém, quando a pessoa ingere diariamente, pode gerar graves consequências.

Dra. Muncke disse que a maioria dos produtos químicos identificados no estudo preenchem os critérios de “substâncias de elevada preocupação”, criado pelo REACH (Registration, Evaluation, Authorisation and Restriction of Chemicals). Sob as regras europeias, as substâncias que vêm sob este critério tem de ser registradas e autorizadas para uso, porém as orientações não restringem as embalagens de alimentos.

Ela acrescenta: "Como consequência, os produtos químicos com propriedades altamente tóxicas podem legalmente ser usados na produção de materiais que entram em contato com alimentos, mas não de outros produtos de consumo, como computadores, têxteis e tintas. Essa regra existe mesmo que essa contaminação da comida seja muito mais relevante”.
O relatório alega que materiais de contato com os alimentos são uma possível fonte de contaminação intensa da comida. A lista desses materiais passa de 6 mil substâncias, regulamentadas ou não, que estão envolvidas com doenças crônicas.

Um porta-voz da Food Standards Agency afirma: "Os consumidores não devem se preocupar com a presença desses produtos químicos em materiais em contato com alimentos, pois são usados dentro de limites ou restrições estabelecidos para a sua utilização".

Fonte: DailyMail Foto: Reprodução / Fentonpackaging /Cflhomeless
http://www.jornalciencia.com/meio-ambiente/diversos/4135

Postagens mais visitadas deste blog

ALTERNATIVAS NATURAIS PARA DIMINUIR A LIPOPROTEÍNA 'A'

Comer peixe que tenha bastante ácidos graxos ômega-3 pode diminuir os níveis de lipoproteína (a)
O QUE É A LIPOPROTEÍNA 'A'
A lipoproteína (a) [Lp(a)] consiste numa partícula semelhante à LDL e a apolipoproteína específica (a) [apo(a)], que é covalente ligada à apoB da partícula semelhante à LDL. As concentrações plasmáticas de Lp(a) são altamente hereditárias e controladas principalmente pelo gene da apolipoproteína (a) [LPA] localizado no cromossoma 6q26-27. As proteínas apo(a) variam em tamanho devido a um polimorfismo de tamanho [KIV-2 VNTR], que é causado por um número variável de repetições kringle IV no gene LPA. Esta variação de tamanho ao nível do gene é também expressa ao nível da proteína, resultando em proteínas apo(a) com 10 a > 50 repetições kringle IV (cada variável do kringle IV consiste em 114 aminoácidos). Estes tamanhos variáveis ​​das apo(a) são conhecidos como "isoformas apo (a)". Existe uma correlação geral inversa entre o tamanho da isoforma a…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…