Pular para o conteúdo principal

DIETA SEM GLÚTEN:ELA É MESMO FEITA PARA VOCÊ ?

Farinha de trigo é alimento com glúten (Foto: Tavinho Costa/Vogue Brasil)


Dieta sem glúten: ela é mesmo feita para você?

Saiba os prós e contras de cortar o glúten de sua alimentação



20/01/2015 - 08h39 - Atualizado 16h10

Ao lado da lactose, o glúten é o vilão alimentar do momento. São inúmeros livros a respeito do assunto (Barriga de Trigo, de William Davis é o pioneiro e mais famoso) e mais outras tantas celebridades que resolveram cortar de vez alimentos com glúten de sua dieta diária – inclua aí os nomes de Kim Kardashian a Lady Gaga

O glúten é uma proteína encontrada no trigo, na cevada e no centeio ou seja, está presente em praticamente todos os alimentos: pão, massa, cereais, bolachas, além de cerveja, sopas e molhos. O consumo dessa proteína por pessoas com alergia ou celíacas desencadeia uma reação autoimune que danifica o revestimento do intestino delgado, causando diarreia, gases, inchaço e outros sintomas como irritabilidade, cãibras musculares, erupções na pele, anemia, além de um risco de desenvolver câncer intestinal. Mesmo quem nasce sem a doença, pode vir a enfrentar problemas mais tarde. “Algumas pessoas podem comer glúten por 20, 30 e até 40 anos e de repente desenvolver um problema” diz Alessio Fasano, diretor do Centro de Pesquisa e Tratamento para Celíacos do Hospital MassGeneral.

Adeptos da dieta sem glúten apreendem a apreciar grãos alternativos como o amaranto, trigo-sarraceno, quinoa e arroz. Entre as promessas da dieta gluten-free, a perda de peso é o objetivo mais almejado. "Algumas pessoas perdem peso, sem dúvidas, mas não é garantido" comenta Andrea Giancoli, nutricionista da Academia de Nutrição e Dietética. Então  a pergunta que não quer calar é: será que o esforço vale a pena? 
Benefícios: os celíacos ou alérgicos a proteína são os que verão mais benefícios. “Muitas pessoas costumam se sentir bem melhor. Inchaço e dores de cabeça costumam sumir em pouco tempo” declara Fasano. “Alguns ficam melhor fisicamente também já que o glúten desencadeia uma inflamação que pode gerar acne e eczema” explica o dermatologista americano Fredric Brandt. Se você não tem alergia, pode não notar nenhuma diferença seja no humor, pele ou intestino.
Desvantagens: você pode acabar ganhando uns quilos extras. "Acreditava-se que uma dieta livre de glúten garantia a perda de peso pois são poucos os alimentos que não contem a proteína como frutas e vegetais” explica Susan Bowerman, diretora de treinamento nutricional da Herbalife Internacional. Mas, graças à recente tendência de excluir o glúten da dieta do dia a dia, já podem ser encontrados no mercado uma extensa gama de produtos gluten-free (pense em muffins, bolos e até pizzas) que muitas vezes têm bem mais calorias que os originais pois são feitos com fécula de batata. Outro problema é que evitar glúten pode desencadear falta de vitaminas, já que o trigo é rico em tiamina e outras vitaminas do complexo B, que são importantes para a saúde de seu cabelo, pele, cérebro e nervos. 

Fonte:http://vogue.globo.com/beleza/fitness-e-dieta/noticia/2015/01/dieta-sem-gluten-funciona-mesmo.html

Farinha de trigo é alimento com glúten (Foto: Tavinho Costa/Vogue Brasil)

Postagens mais visitadas deste blog

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …