Pular para o conteúdo principal

EXPERTS DÃO DICAS PRECIOSAS PARA NÃO ENGORDAR NO INVERNO

Saiba como não engordar no inverno  (Foto: Arquivo Vogue)

Experts dão dicas preciosas para não engordar no inverno

Saiba como manter o ponteiro da balança no lugar mesmo com a chegada do frio com o endocrinologista Pedro Assed e a nutricionista funcional Andrea Santa Rosa Garcia


03/06/2015 - 19h30 - Atualizado 19h32 
Junto com o frio, o inverno traz não só os casacos quentinhos saídos do  fundo do armário como também aquela fome descomunal que brota dentro até do mais comportado dos mortais. "No inverno o organismo queima mais calorias para manter a temperatura corporal, disparando gatilho de fome para compensar esse maior gasto calórico", explica o endocrinologista Pedro Assed.

Para evitar o ganho de peso na estação, pedimos ao expert e a nutricionista funcional Andrea Santa Rosa Garcia que elaborassem uma lista com dicas para escapar das ciladas típicas das baixas temperaturas e sobreviver com o manequim intacto até a primavera chegar.
Driblando a vontade de doces
"Por conta do gasto calórico para manter homeostase corporal, o cérebro tenta recuperar essas calorias com as formas de alimento que possuem mais açúcares e gorduras, que são os combustíveis primários de que ele e todo o organismo trabalham e necessitam", diz Assed. "Beba mais água, pois, às vezes, confundimos sede com fome. Faça exercício físico para aumentar a massa magra (e com isso a termogênese), e consuma alimentos ricos em fibras, como nozes, folhas e verduras, castanhas do Pará, amêndoas, uva passa e canela. Farinhas de aveia e de maracujá também ajudam a tornar a absorção de carboidratos mais lenta no organismo, colaborando consequentemente também na diminuição do apetite pelo doce".

Fugindo das gorduras

"É importante ter disciplina de horários para comer, evitar beliscar, tirar da dispensa e da geladeira tudo que possa atrapalhar a dieta. Opte por alimentos com fibras e integrais, que saciam com mais eficácia. As versões light e zero gordura de diversos alimentos como sorvete, iogurte e leite desnatado também ajudam", indica o endócrino.

Saciedade à vista

"Invista em alimentos que contenham aminoácidos essenciais como triptofano, presente nos grãos (grão de bico, lentilha, ervilha) e na quinua: ele está envolvido na síntese de serotonina, um neurotransmissor que ajuda na regulação da saciedade", justifica Andrea Santa Rosa Garcia. "Acrescente sementes na salada ou sopa. Elas são fontes de gordura que também ajudam na saciedade. Exemplos: semente de girassol, abóbora, amêndoas, macadâmia – todas devem ser tostadas por 8 minutos no forno para eliminar fatores antinutricionais".

Adoçante natural, por favor

"O uso de adoçantes estimula neuropeptídeos que diminuem a sensação de saciedade e estimulam a compulsão alimentar. Opte por açúcar demerara, o doce natural das frutas, agave ou mel", ensina a nutricionista.

Sobremesa light

"Sobremesas com frutas assadas ou levadas ao microondas são uma boa opção, como a banana recheada com canela e com sucralose em pó. levada ao microondas por 30-45 segundos. Geleia feita a partir de ameixa, feita em casa e da própria fruta refogada e depois colocada em banho-maria, serve como boa opção de baixa caloria para comer como sobremesa", ensina o médico. "Opte por sobremesas leves como frutas assadas com canela, anis, cravo ou chocolates com teor maior que 70% de cacau para garantir os seus benefícios", continua Andrea.

Esquentando...

"As sopas sempre devem ser elaboradas com caldo de legumes natural. Os temperos industrializados são ricos em substâncias químicas que aumentam o grau de inflamação das células, provocam a retenção de líquido e são pré-fatores de câncer. Tenha cuidado com a quantidade de sódio presente nos rótulos desses produtos industrializados e evite sopas prontas vendidas no mercado (o teor de sódio é muito elevado)", alerta a nutricionista funcional.

Hidrate-se

"Apesar de sentirmos menos sede no inverno, a ingestão regular de água é importante para garantir uma hidratação adequada das células, ajudando a eliminar toxinas e restos metabólicos que colaboram para aumentar o grau de inflamação do nosso corpo. A gordura pode ser considerada um tipo de toxina", conta Andrea. "Aposte nos chás diuréticos para ajudar a eliminar os exageros em que às vezes cometemos nessa época do ano. Alguns exemplos: chá de cavalinha, dente de limão, chá verde, carqueja e chá de hibiscos. Adicione limão, hortelã, canela e cravo para ajudar a melhorar o paladar".
Não pule o café da manhã
"Não acorde e vá direto almoçar, pulando o café da manhã. Mesmo que acorde tarde, sempre coma algo e somente depois de 30 minutos almoce", indica o endocrinologista. (VICTORIA MARCHESI)

Fonte:http://vogue.globo.com/beleza/fitness-e-dieta/noticia/2015/06/experts-dao-dicas-preciosas-para-nao-engordar-com-no-inverno.html

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …