Pular para o conteúdo principal

ESPECIALISTA LISTA 13 ALIMENTOS QUE PARECEM,MAS NÃO SÃO 100% VEGETARIANOS

Banana, figo, cerveja, parmesão, missoshiro: segundo especialista, esses alimentos parecem não ter ingredientes de origem animal, mas têm (Foto: Think Stock)

Especialista lista 13 alimentos que parecem, mas não são 100% vegetarianos

Queijo parmesão, cerveja e até banana! Expert aponta os produtos que contêm componentes animais e a lista surpreende mesmo quem não é vegano

Você acabou de começar um regime ou mesmo um detox e resolveu excluir produtos de origem animal de suas refeições. Então, come uma inocente salada de frutas ou uma massa com aquele queijo ralado e pensa estar segura, certo? Bom, é melhor repensar sua alimentação vegetariana ou vegana.

Especialista neste tipo de dieta, a inglesa Karin Ridgers, fundadora da Veggie Vision TV, reuniu para Daily Mail uma lista de produtos que parecem mas não são 100% vegetarianos. A relação inclui desde cerveja a bananas que, segundo ela, utilizam no plantio pesticidas que contêm componentes de alguns crustáceos.

“Eu nunca como nada sem antes ler os ingredientes; tem uma grande quantidade de componentes não vegetarianos que acho que todo mundo deveria evitar, vegetariano ou não”, diz ela. 

Veja quais são:


MISSOSHIRO

Mesmo que sua base seja o tofu, o queijo à base de soja que é um “queridinho” de dietas vegetarianas, a soupa de missô é feita com dashi (um tempero feito basicamente com algas e flocos de peixe desidratado). É o dashi que dá o sabor do missoshiro e muitas outras sopas da cozinha oriental.


PARMESÃO

Muita gente não sabe que para ser considerado autêntico, muitos queijos utilizam para o coalho a quimosina, uma enzima retirada do estômago do bezerro. Este processo é usado na produção do parmesão, assim como alguns queijos populares, como o pecorino romano, grana padano e gorgonzola.
FIGOS

Uma fruta entre os alimentos de origem animal? Karin explica: “os figos podem conter alguns componentes de origem animal dentro”. Segundo a especialista, algumas espécies de vespas que ajudam a espalhar o pólen que dá origem ao figo muitas vezes acabam presas dentro da fruta e são convertidas em proteína por uma enzima.


BANANAS

Outra surpresa! A especialista reforça o alerta para que vegetarianos ou veganos prefiram as frutas de origem orgânica, já que na produção de bananas não orgânicas são usados pesticidas que contêm componentes de animais. Um deles, chamado Chitosan, que combate bactérias e preserva a fruta por mais tempo, é feito com a casca de crustáceos como camarão e caranguejo, segundo o site Science Daily.


IOGURTE

Mesmo versões light de iogurte e as que se autointitulam “sem lactose” utilizam gelatina para conseguir a textura cremosa. Karin Ridgers alerta para que os adeptos de uma dieta vegana leiam o rótulos antes de comprar uma nova marca.


CERVEJA

Alguns componentes de peixes são usados no processo de filtragem de algumas cervejas e chopes, como a famosa Guinness. Como é uma parte ínfima, os itens não estão listados na lista de ingredientes. Ao final do processo, eles são retirados para evitar que o líquido fique turvo. Um porta-voz da Guinness confirmou ao Daily Mail o uso de partículas de peixe que, segundo ele, ajudam a remover a levedura da cerveja. “Embora o processo de fabricação ajude a remover a vasta maioria ou todo o produto, nós acreditamos que alguns traços possam restar no produto final”, disse.


BALAS VERMELHAS

Balas de cor vermelha ou quaisquer outros produtos que utilizam tintura natural vermelha geralmente contém produtos de origem animal. Uma delas, diz a especialista, é extraída de insetos mortos triturados, que são fervidos em uma solução com carbonato de sódio ou amônia.


MOLHO INGLÊS

Condimento que é utilizado em muitos pratos e até drinques –alguém aí pensou em Bloody Mary?- o molho inglês ou Worcester contém anchovas na sua composição. Como o dashi no missoshiro, o peixe é responsável pelo sabor marcante do molho.


SUCO DE LARANJA ENGARRAFADO

Ok, só para deixar claro, a especialista não está se referindo ao suco da laranja espremida, mas alguns tipos engarrafados que se vendem como “enriquecidos”. Mais uma vez, Karin manda ficar de olho no rótulo, que muitas vezes inclui entre os ingredientes ômega 3, a gordura boa extraída de alguns peixes.


CEREAIS MATINAIS

Há um grande número de cereais no mercado que contêm gelatina animal na composição, que é extraída dos ossos, pele e cartilagem de animais. A proteína é usada em muitos produtos light e é feita a partir da fervura destas partes dos animais.


MASSAS PRONTAS DE TORTA E BOLOS

Muitos desses produtos são produzidos com gordura animal, principalmente porco, em vez de margarina. Isso porque, além de custar bem menos, a gordura animal preserva o produto por mais tempo.


MARSHMALLOW

Originalmente, esse confeito era feito a partir da fervura das raízes da planta do marshmallow, que produz uma subtância rica em amido. Mas a maioria dos produtos comercializados é feita usando gelatina na receita –que, como se sabe, é obtida de componentes animais. É a gelatina que dá ao doce a firmeza e textura leve.


MOLHO PESTO

Outro grande aliado das dietas veganas, o molho italiano, que muitas vezes vem com um “vegetariano” escrito no rótulo, não é exatamente assim. O problema é que a receita muitas vezes leva, além de pinoli, azeite e manjericão, uma boa quantidade de queijos pecorino ou grana padano –ambos, como já foi dito, utilizam uma substância retirada do estômago de bezerros no coalho.

Fonte:http://revistamarieclaire.globo.com/Beleza/noticia/2015/05/especialista-lista-13-alimentos-que-parecem-mas-nao-sao-100-vegetarianos.html

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …