Pular para o conteúdo principal

STAFFAN LINDBERG - A NUTRIÇÃO E AS DOENÇAS DA ERA MODERNA

STAFFAN LINDBERG - A NUTRIÇÃO E AS DOENÇAS DA ERA MODERNA

Staffan Lindberg é um médico e investigador sueco, especialista em nutrição, que realizou um estudo sobre um povo que não tem doenças da Era Moderna. Nos anos 90, este médico trocou a sua casa por uma ilha nos Antípodas na Papua-Nova Guiné, juntamente com a sua família, e passou a viver na ilha de Kitava para estudar a população do ponto de vista médico.
"O meu objetivo era saber se seria possível que as doenças mais comuns nos países europeus estivessem mais ou menos ausentes ou mesmo completamente ausentes nesta sociedade."
A hipótese foi levantada com base em estudos anteriores de antropologia e etnologia; faltava um estudo no campo da medicina sobre os hábitos particulares deste povo, muito semelhantes aos dos nossos antepassados Homo sapiens.
"Eu estava à procura de vestígios de doença coronária, apoplexia e de outras doenças cardiovasculares comuns." 
E o resultado:

"Não as encontrámosIsto reforça a ideia de que a maioria das doenças comuns nos países ocidentais pode ser evitada. Claro que podemos pensar que estas pessoas são geneticamente diferentes de nós mas quando mudam para a cidade passam a ter estas doenças."
Foram estudadas 2300 pessoas na ilha de Kitava, mais 23000 pessoas de outras ilhas Trobiand; a ausência das chamadas doenças da Era Moderna dá que pensar... Numa sociedade de contornos primitivos e em que as mortes ocorrem geralmente por infeções ou por acidentes, os idosos mantêm-se ativos até tarde e não há sinais de demência ou de falta de memória.
"É muito difícil de provar mas eu acho que a grande explicação é a nutrição, muito mais importante do que outro factor do estilo de vida."
A alimentação dos habitantes das Trobiand é constituída por vegetais e raízes, peixe e grande quantidade de frutos; a ingestão de vitaminas, minerais e fibras é muito elevada e a de gorduras muito baixa.

"Eles não comem o tipo de alimentos que fornecem a maior parte das calorias nos países europeus. 70% ou mais das calorias, em países como a Suécia e acho que em Portugal é semelhante, vem dos cereais, lacticínios, margarina, óleos, gorduras refinadas e açúcar. É daqui que vem a maior parte das calorias. E, ainda por cima, temos um elevado consumo de sal. Acho que é algures aqui que reside a explicação", explica Staffan Lindberg.
A dieta natural dos habitantes de Kitava e das Trobiand é o que os nutricionistas atualmente apelidam de dieta do Paleolítico, para a qual o organismo humano está adaptado - cereais e comidas industriais são ainda demasiado recentes na história da evolução. Estudos como este reforçam a ideia de que muitas das doenças que sofremos podem ser evitadas.



Staffan Lindberg é um médico e investigador sueco, 
Fonte:http://oplanetaquetemos.blogspot.com.br/2013/08/staffan-lindberg-nutricao-e-as-doencas.html

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …