Pular para o conteúdo principal

O CUSTO HUMANO DOS AGROTÓXICOS [VÍDEO]




O CUSTO HUMANO DOS AGROTÓXICOS [VÍDEO]


“Custa crer que boa parte dos alimentos que estão na nossa mesa diariamente sejam criados num laboratório e fumigados com químicos altamente tóxicos” – Pablo Piovano

Pablo Piovano, fotógrafo argentino, percorreu 6000 km no litoral e norte do seu país e conheceu pessoalmente as vítimas do que considera tratar-se de “um genocídio silencioso”. Na grande maioria dos casos que documentou em "O Custo Humano dos Agrotóxicos", as vítimas são crianças/jovens cujos pais estiveram em contacto direto com as substâncias tóxicas. O trabalho agrícola é o tipo de trabalho mais comum na região visitada pelo fotógrafo, o que deixa a população numa posição de enorme fragilidade. 
“Em algumas povoações, no período de menos de uma década, os casos de cancro infantil triplicaram, houve um aumento de 400% de casos de aborto espontâneo e de malformações em recém-nascidos.” Rede de Médicos de Povos Fumigados da Argentina — organização independente que desenvolve estudos nas zonas onde são mais frequentes as fumigações químicas sobre áreas cultivadas. 

O projeto "O Custo Humano dos Agrotóxicos" inclui diversos casos, mas aquele que Piovano considera de maior impacto é o de Fabián Tomàsi.

"Ele fazia carga e descarga de químicos a partir de um avião." "Contactou com todo o tipo de agroquímicos. Ele é o exemplo vivo do impacto dos agrotóxicos na saúde humana. Tem politraumatismos de todo o tipo: não pode levantar uma chávena de café, com as mãos não consegue fazer nada e está fraco como um esqueleto", descreve o fotógrafo. Fabián é conhecido na Argentina por dar voz à luta contra a utilização de agrotóxicos.

Outro caso que considera relevante é o de uma família da província de Misiones. "Nesta família, todos tinham uma afeção resultante do contacto com agrotóxicos." Andrea inalou, aos 8 anos de idade, o pesticida bromometano, o que resultou em 9 dias de internamento nos cuidados intensivos, perda parcial de função motora e falência renal. Três vezes por semana, Andrea faz diálise. “O irmão mais novo, que agora tem 20 anos, é como um bebé. Tem problemas neurológicos graves. O pai tem cancro." A mãe morreu há anos, vítima de um enfarte do miocárdio em sequência da notícia do internamento da filha. 

Em 1996, o governo argentino assinou um acordo com a empresa líder mundial no sector da biotecnologia agrícola, a Monsanto, que introduziu no país a comercialização e produção de soja transgénica e que abriu portas ao uso do herbicida glifosato, segundo o autor, "sem qualquer análise científica ou avaliação de danos humanos". Em consequência, em 2012, 21 milhões de hectares eram dedicados ao cultivo de soja transgénica, cobrindo 60% da área cultivável do país. No mesmo ano, "370 milhões de litros de agroquímicos foram aplicados no solo argentino. Não existe qualquer lei na Argentina que regule a utilização de herbicidas, apesar de o glifosato estar proibido em 74 países. Em 2014, os lucros da Monsanto rondaram os 16 mil milhões de dólares"


Fonte: Público – 07/09/15 
http://oplanetaquetemos.blogspot.com.br/2015/10/o-custo-humano-dos-agrotoxicos-video.html

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …