Pular para o conteúdo principal

PRESERVAÇÃO DE ALIMENTOS : BARREIRA AOS MICRO-ORGANISMOS

Coordenadora das pesquisas com o PHT 436, Christiane Contigli diz que nos testes iniciais a conservação dos alimentos aumentou meses, sem contaminação

Barreira aos micro-organismos


Pesquisadores mineiros desenvolvem produto antimicrobiano que aumenta prazo de validade de alimentos atacados por bactérias e fungos

Marcílio de Moraes

Publicação: 04/05/2015 04:00

Ver um produto alimentício se deteriorando ainda no prazo de validade ou deixando de ser consumido porque o tempo de armazenamento previsto pelo fabricante expirou são problemas que todo consumidor já enfrentou algum dia. E isso sem contar que o tempo de armazenamento da maioria dos alimentos é garantido com a ação de produtos químicos ou com a retirada de nutrientes, o que, em um ou em outro caso, inibe a ação dos micro-organismos.

Pesquisa iniciada em Minas no ano passado, a partir de uma substância natural isolada em laboratório, busca ampliar o tempo de prateleira de itens da panificação em mais de 50%. O produto desenvolvido e patenteado pela mineira Phoneutria Biotecnologia e Serviços Ltda. e pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) é resultado de uma reação enzimática (provocada por enzimas), foi batizado como PHT 436 e tem função antimicrobiana (substância que mata ou inibe o desenvolvimento de micro-organismos como bactérias e fungos).

“A ideia é que o produto possa ser usado como conservante de alimentos”, afirma Christiane Contigli, diretora do Instituto de Tecnologia em Alimentos e Bebidas do Centro de Inovação e Tecnologia Senai Fiemg – câmpus Cetec e coordenadora das pesquisas com o PHT 436. “Temos bons resultados nos testes de toxicidade que estão em andamento”, completa a pesquisadora. “Os resultados das análises feitas pela empresa in vitro utilizando células animais são animadores”, acrescenta o doutor Evanguedes Kalapothakis, professor do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG e fundador da Phoneutria.

Experiências feitas a partir da aspersão do PHT 436 sobre frutas e alimentos indicaram a possibilidade de uso do produto como conservante, o que levou a Phoneutria a apresentar a substância ao Senai. “A Phoneutria descobriu o produto antimicrobiano e o patenteou. Em 2014, iniciamos as pesquisas para verificar se ele pode ser usado como conservante de alimentos”, conta Christiane. De acordo com ela, os alimentos apresentados pela empresa e que receberam o PHT não foram contaminados por muito tempo. “Nos testes iniciais, a conservação aumentou meses, sem contaminação”, revela.

A explicação é simples. A substância ataca os micro-organismos e impede que os mesmos se desenvolvam nos alimentos. As pesquisas vão indicar a atuação exata do PHT no combate a bactérias, fungos e outros seres microscópicos. “Ainda aguardamos os resultados, mas provavelmente ocorre uma destruição da membrana de produção dos micro-organismos, o que mata ou impede a proliferação dos mesmos”, explica Evanguedes, responsável pelas pesquisas que levaram à descoberta do produto.

Entre os micro-organismos que o PHT combate estão as bactérias E.coli, causadora de problemas intestinais, Staphilococcus aureus, que causa infecções – incluindo pneumonia – e Bacillus cereus, uma das maiores responsáveis por problemas gerados por contaminação alimentar. Há ainda fungos como cândidas e leveduras e a bactéria Salmonella, que “acabam se dividindo muito rápido e infestando o alimento, gerando um problema de contaminação, que gera prejuízo para a saúde pública”, acrescenta Kalapothakis.

PÃES DE FORMA Ainda que exista a possibilidade de aplicação em vários alimentos, o CIT Senai está pesquisando o uso apenas na conservação de pães de forma. “Essa ação sobre a membrana dos micro-organismos permite usar o produto nos alimentos à base de trigo”, afirma o fundador da Phoneutria. De acordo com ele, a intenção é que, em certa quantidade usada, o PHT possa ampliar em 50% ou mais o prazo de validade do pão de forma. “Estamos finalizando os testes e assim que recebermos os resultados das pesquisas em animais vamos definir como o produto vai ser utilizado e comercializado, a forma de apresentação e que tipo de cliente ele vai atender”, revela Christiane Contigli.

O primeiro passo após a confirmação de que o PHT 436 não é tóxico para seres humanos será a realização de testes no alimento, para definir as quantidades necessárias para ampliar o tempo de preservação do pão de forma, hoje, em média, de 15 dias. “As pesquisas visam ao desenvolvimento de tecnologia para produção em escala industrial”, observa a responsável pela coordenação da pesquisa no Instituto de Alimentos do Senai.

O Senai vai mensurar também o custo/benefício e o custo final do produto. “A nossa intenção é que ele seja aplicado sem a necessidade de se alterar a forma de produção”, observa Christiane Contigli. Já na Phoneutria, segundo Evanguedes, os pesquisadores buscam reduzir custos de produção do PHT 436. No Senai, há também uma equipe trabalhando na escolha de um nome para o antimicrobiano da Phoneutria.



Descoberta por acaso

Publicação: 04/05/2015 04:00



Equipe da Phoneutria, que desenvolveu e patenteou o produto

As pesquisas indicam que o PHT 436, um antimicrobiano isolado a partir de uma reação enzimática, possa ser usado em uma ampla gama de alimentos. Mas sua descoberta não está relacionada à indústria alimentícia, e sim à de combustíveis. A Phoneutria, que iniciou suas atividades extraindo veneno da aranha que dá nome à empresa e produzindo insumos para laboratórios de biologia molecular, iniciou a montagem de um banco de micro-organismos produtores de enzimas (proteínas que atuam como catalisadoras em uma reação química).

O fundador da empresa biotecnológica, Evanguedes Kalapothakis, conta que a Phoneutria iniciou a identificação e caracterização de micro-organismos para formação de um banco de fungos, bactérias e leveduras, quando uma enzima produzida por esses seres com capacidade de degradar gorduras (uma lipase) passou a ser pesquisada para possível produção de biodiesel. “Isso foi em 2007, com o biodiesel em destaque, mas depois o combustível deixou de ser interessante, e como estávamos com as pesquisas adiantadas começamos a pensar em projetos paralelos”, conta Evanguedes.

Um das ideias foi exatamente testar subprodutos a partir do tratamento de óleo com as enzimas e os pesquisadores observaram que, com algumas delas, ocorria um processo natural a partir da reação com o óleo vegetal. “Ainda em 2007 deslocamos as pesquisas”, diz Evanguedes. O objetivo passou a ser o desenvolvimento de um antimicrobiando natural. Desde então, a Phoneutria já investiu cerca de R$ 1,5 milhão nas pesquisas, que contam com a parceria da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). A parceria, segundo Evanguedes, ocorreu principalmente com a utilização dos equipamentos dos laboratórios da universidade para o desenvolvimento do produto, cuja patente foi apresentada pela empresa e pela universidade.

E mesmo após o avanço das pesquisas com o PHT 436, a Phoneutria continua em busca de projetos para o banco de mil micro-organismos produtores de enzimas de que dispõe. “O banco é usado em outro projeto de pesquisa para auxiliar na produção de etanol feita em parceria com o laboratório de combustíveis da UFMG. O que se estuda são novos micro-organismos para degradação de celulose, que é um passo importante para a produção de etanol a partir de resíduos de madeira”, afirma Evanguedes. Em relação ao PHT 436, o fundador da Phoneutria diz que a empresa está aberta para fazer testes com qualquer outro alimento. 


ENZIMAS

As enzimas são substâncias orgânicas que geralmente pertencem ao grupo das proteínas e que atuam como catalisadoras biológicas (aceleram) de reações químicas.Elas são classificadas de acordo com a reação que catalisam, modificando o substrato no qual agem. Funcionam na presença de água e em condições específicas de temperatura e PH. No organismo humano são elas que auxiliam na digestão, acelerando a transformação das proteínas ingeridas em aminoácidos.


Fonte:http://impresso.em.com.br/app/noticia/cadernos/ciencia/2015/05/04/interna_ciencia,149082/barreira-aos-micro-organismos.shtml



Postagens mais visitadas deste blog

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …