Pular para o conteúdo principal

ALIMENTOS RICOS EM ANTOCIANINA REDUZEM RISCO DE DISFUNÇÃO ERÉTIL EM TODAS AS IDADES

 

Alimentos ricos em antocianina reduzem risco de disfunção erétil em todas as idades

Quando associado a exercícios físicos moderados, mirtilo, cereja, amora, rabanete e groselha trazem benefícios ainda maiores
Na edição deste mês da revista médica American Journal of Clinical Nutrition, pesquisadores da Universidade de East Anglia (Reino Unido) e da Universidade de Harvard (Estados Unidos) relataram que alimentos ricos em antocianina, como mirtilo, cereja, amora, rabanete e groselha, reduzem o risco de disfunção erétil em todas as idades, mas, particularmente, em homens com menos de 70 anos. Segundo os pesquisadores, quando associado a exercícios físicos moderados — o equivalente a cinco horas de caminhada por semana —, o benefício é ainda maior.

“A ingestão de alimentos ricos em flavonoides, especialmente na antocianina, tem uma relação positiva com a redução de diversas condições, como diabetes e doenças cardiovasculares. Mas, pela primeira vez, constatamos que também há uma importante associação entre o consumo dessas substâncias e o risco menor de disfunção erétil, um problema que afeta até 50% dos homens de meia-idade”, observa Eric Rimm, professor da Faculdade de Saúde Pública de Harvard e coautor do estudo. De acordo com ele, a disfunção erétil é um indicativo precoce de comprometimento da função vascular. “Mais do que um incômodo, essa condição é uma oportunidade crítica que temos para intervir e prevenir doença cardiovascular, ataque cardíaco e óbitos relacionados”, diz.

No estudo conduzido por Rimm, em parceria com a universidade britânica, os pesquisadores avaliaram registros médicos de estilo de vida de mais de 50 mil homens de meia-idade, participantes de um grande levantamento epidemiológico americano. Essas pessoas tiveram seus dados anotados desde 1986. A cada quatro anos, eram registradas as informações dietéticas e nutricionais. Entre as perguntas, os entrevistadores questionavam se os participantes conseguiam ter e manter ereções. Os pesquisadores também se concentraram em fatores como peso corporal, atividade física, consumo de cafeína e tabagismo.

Mais de um terço dos participantes disseram, ao longo do período de acompanhamento, que começaram a sofrer de disfunção erétil. Aqueles que consumiam uma dieta rica dos flavonoides antocianina, flavona e flavanona apresentaram menor propensão a sofrer dessa condição. “É importante que também sejam feitos exercícios físicos. Sozinhos, os alimentos como o mirtilo reduziram em 14% os riscos de disfunção erétil; mas, associado aos exercícios físicos, o benefício foi maior: redução de 21%”, afirma Rimm. 

14%
Redução das chances de surgimento de disfunção erétil em consumidores regulares de mirtilo e outros alimentos ricos em antocianina. Se a dieta for atrelada à pratica de exercícios físicos, o valor sobe para 21%, segundo estudo das universidades de East Anglia e de Harvard

Fonte:http://sites.uai.com.br/app/noticia/saudeplena/noticias/2016/01/25/noticia_saudeplena,155984/alimentos-ricos-em-antocianina-reduzem-risco-de-disfuncao-eretil-em-to.shtml


Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …