Pular para o conteúdo principal

MIRTILO É CONSIDERADA UMA FRUTA PRECIOSA NO COMBATE A DOENÇAS CARDÍACAS E INFECÇÕES,DANDO SABOR E PERSONALIDADE A DOCES E SALGADOS

Mirtilo é considerada uma fruta preciosa no combate a doenças cardíacas e infecções


Além de proteger os tecidos do organismo contra danos do envelhecimento, as antocianinas do mirtilo favorecem a vascularização

Elas têm apenas 1cm de diâmetro e pesam entre 1g e 4g. Mas que ninguém se engane: essas pequeninas pérolas azuis são autênticos tesouros para a saúde. Pouco conhecidas no Brasil, onde foram introduzidas apenas na década de 1980, as blueberries, ou mirtilos, são tratadas como superalimentos por nutricionistas e têm sido investigadas pela ciência devido ao potencial de combate a uma grande variedade de doenças. A associação entre o consumo regular da fruta e a redução do risco cardíaco foi verificada em diversos estudos, que também têm sugerido propriedades antibacterianas e anticancerígenas. Mais recentemente, pesquisadores descobriram uma nova função para o mirtilo: combater a disfunção erétil na meia-idade.

Apaixonada pela fruta, Sarah A. Johnson, diretora-assistente do Centro de Pesquisas Avançadas em Nutrição e Exercícios Físicos no Envelhecimento da Universidade Estadual da Flórida (EUA), explica que o segredo do mirtilo está na quantidade e na qualidade de flavonoides que esse superalimento contém. Os flavonoides consistem em um grupo de mais de 6 mil nutrientes com reconhecidas propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias. Alguns são mais potentes do que outros, e as blueberries são particularmente ricas em antocianina, uma poderosa substância estudada há décadas por cientistas.

Uma das principais frentes de ação desse tipo de flavonoide é o sistema circulatório. Além de proteger os tecidos do organismo contra danos do envelhecimento, as antocianinas do mirtilo favorecem a vascularização — daí a ligação da fruta com uma diversidade de doenças e condições relacionadas ao mau funcionamento de veias e artérias. Para colher os benefícios, não é preciso ingerir grandes quantidades da fruta. “Os nossos estudos sugerem que o consumo regular de uma xícara de mirtilo pode atrasar a progressão de um estado de pré-hipertensão para a hipertensão de fato e, dessa forma, reduzir o risco de doenças cardiovasculares”, conta Johnson.

Em uma das pesquisas mais recentes na Universidade da Flórida, a nutricionista verificou que a ingestão diária de 22g de mirtilo desidratado — o equivalente a uma xícara da fruta fresca — reduziu em 5% a pressão sistólica e em 6,3%, a diastólica de mulheres na pós-menopausa com pré-hipertensão ou hipertensão em estágio inicial. Após oito semanas, elas também foram beneficiadas com uma redução de 6,5% na rigidez arterial. “Nós também descobrimos que houve um aumento de 68,5% na circulação sanguínea do óxido nítrico, uma substância importante para o alargamento das veias sanguíneas. Isso é muito importante porque a rigidez e o estreitamento das veias e artérias estão envolvidos com a hipertensão”, observa Johnson.

A redução da hipertensão também foi observada por pesquisadores da Universidade do Maine, nos Estados Unidos, que publicaram, recentemente, um estudo sobre os benefícios da fruta na revista Applied Physiology, Nutrition and Metabolism. No estudo, eles investigaram o potencial da variedade selvagem do mirtilo, uma das poucas espécies frutíferas nativas da América do Norte, no combate à síndrome metabólica, um grupo de fatores de risco caracterizados por obesidade, hipertensão, inflamações, intolerância à glicose, resistência à insulina, disfunção endotelial e dislipidemia (percentual elevado de gordura no sangue).

Feito com ratos obesos, o estudo mostrou que a ingestão de uma quantidade que, para humanos, seria o equivalente a duas xícaras da fruta fresca por dia, alarga as paredes das veias e melhora a circulação do sangue, além de reduzir os processos inflamatórios presentes antes do experimento. Além disso, o mirtilo melhorou o perfil lipídico dos animais e a função endotelial. “Esses resultados são mais uma evidência do grande potencial dos alimentos para combater patologias. Um número elevado de pessoas sofre de síndrome metabólica, e esperamos poder evitar esse mal utilizando apenas alimentos, sem necessidade de medicamentos”, diz Klimis Zacas, um dos autores do estudo e pesquisador de nutrição clínica da Universidade do Maine.

O consumo da fruta fresca é o ideal para se obter os benefícios, ressalta Eric Rimm, professor da Faculdade de Saúde Pública de Harvard. Ele lembra que, devido às evidências cada vez mais robustas sobre as qualidades do mirtilo, a indústria de suplementos tem lançado no mercado versões do alimento em cápsula ou em pó. De acordo com o médico, esses produtos são desnecessários. “Para proteger a saúde cardiovascular, não há nada como ingerir a fruta fresca. Incluir o mirtilo ou o morango, também rico em flavonoides, na dieta é muito melhor do que tomar uma cápsula. Você pode colocar na salada, bater um suco, misturar com cereais ou comer com iogurte. Não há porque consumi-la como uma pílula, prefira a comida que, além de tudo, é bem mais gostosa”, diz.

Fonte:http://sites.uai.com.br/app/noticia/saudeplena/noticias/2016/02/01/noticia_saudeplena,155983/mirtilo-a-considerada-uma-fruta-preciosa-no-combate-a-doencas-cardiaca.shtml

Versátil, mirtilo acresenta sabor e personalidade a doces e salgados
Pertencente ao grupo das berries ou frutas vermelhas (que também podem ser roxas), e com origem na América do Norte e Europa, no Brasil o mirtilo tem cultivares principalmente nas regiões das Serras Gaúchas e em Santa Catarina
RECEITA
Codorna com mirtilo ao molho etrusco
(para duas pessoas)

Ingredientes

2 codornas.
1 acelga cozida ao vapor (ou o quanto for suficiente para rechear as codornas). 
20g de uvas passas hidratadas ao vinho do porto tinto, por 30min. 
30g de amêndoas. Azeite para assar as codornas.

Preparo das amêndoas
Com um fio de azeite doure as amêndoas com alecrim e tempere
com flor de sal.

Para o molho etrusco
100 ml de suco de mirtilo fresco coado. 
2 colheres de vinagre balsâmico envelhecido. 
500 ml de fundo de codorna (veja receita abaixo)

Molho etrusco
Em uma panela funda coloque todos os ingredientes e leve à fervura lenta até  reduzir  a 1/3 do volume

Fundo de codorna
250g de ossos de codorna.
1 cenoura em cubos.
1 alho poró (somente a parte branca em cubos). 
1 ramo de tomilho, estragão, salsinha e louro.
3 litros de água filtrada. 
20g de extrato de tomate. 
5g de pimenta do reino em grãos

Modo de preparo das codornas
Tempere com sal e pimenta do reino moída. Recheie as codornas com acelgas, uvas e amêndoas. Unte as codornas com azeite. Leve ao forno a 160º por 45 minutos aproximadamente.

Sêmola de trigo

Ingredientes
 
1 litro de leite integral. 
450g de semolina. 
2 ovos + uma gema. 
60g de manteiga.
30g de queijo da serra do salitre ou canastra curado. 
Uma pitada de noz moscada.
Sal

Modo de preparo

Aqueça o leite com sal e noz moscada. Quando levantar fervura acrescente a semolina pouco a pouco. Com um batedor de mão misture bem por mais ou menos 20 minutos. Retire do fogo e coloque os ovos um a um. Espalhe a mistura em uma superfice com ajuda de uma espatula. Deixe de esfriar. Corte a massa com um copo pra formar discos. Unte um tabuleiro com a manteiga com os discos da massa e o queijo ralado. Leve ao forno a 220 graus por 15 minutos.

Fonte:http://www.diariodepernambuco.com.br/app/46,52/2015/09/10/interna_gastro,597057/versatil-mirtilo-acresenta-sabor-e-personalidade-a-doces-e-salgados.shtml

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …