Pular para o conteúdo principal

QUATRO CONSELHOS PARA QUE OS ALIMENTOS DUREM MAIS NA GELADEIRA

Thinkstock
Image copyright Thinkstock

Quatro conselhos para que os alimentos durem mais na geladeira

  • 12 dezembro 2015
Se você é do tipo de pessoa que coloca os alimentos na geladeira sem pensar muito sobre isso, com certeza já encontrou alguma vez um legume coberto por mofo.
Isso pode acontecer quando descuidamos do que há no refrigerador - e pode ser uma fonte de bactérias de todos os tipos se não tomarmos alguns cuidados, porque a geladeira até atrasa o surgimento destes microorganismos, mas não os evita por completo.
Confira a seguir algumas dicas para para conservar alimentos por mais tempo.

1. Controle a temperatura

ThinkstockImage copyright Thinkstock
O primeiro fator a levar em conta é um bom controle da temperatura do refrigerador. Se ela muda e esquenta, é possível que surjam micróbios.
A geladeira não deve ficar a mais do que 4ºC. Mas também não deve ficar muito fria, no caso das frutas e hortaliças - a recomendação é que estes alimentos não sejam guardados a menos de 0ºC.
Evite deixar que os alimentos fora do refrigerador por muito tempo após comprá-los, sobretudo se forem congelados.
Também nunca ponha alimentos quentes dentro dela, porque isso aumenta a temperatura da comida ao lado, o que fará com que estraguem mais rápido.
Isso ainda eleva o consumo de energia, porque o eletrodoméstico precisa de mais potência para manter a temperatura baixa.
Por fim, não tampe as saídas de ar da geladeira para manter seu bom funcionamento.

2. Coloque os alimentos em seus devidos lugares

ThinkstockImage copyright Thinktsock
A parte mais fria da galeira fica embaixo, por isso, é ali que devem guardados alimentos delicados, como frutos do mar e carnes, que devem ser conservados em temperaturas mais baixas.
Nas gavetas, ponha as frutas e verduras. Assim, evita-se que estejam expostos a temperaturas menores do que 0ºC. Se vierem em pacotes, tire-as deles, porque assim ficam úmidas e estragam mais rapidamente.
Na parte do meio, onde a temperatura costuma ficar em torno de 4ºC e 5ºC, vão os alimentos que precisam de menos frio, como laticínios. A parte superior e a porta são as regiões menos frias. Ali devem ir os alimentos que estão em embalagens.
A porta é o local mais vulnerável a mudanças de temperatura. Coloque nela as bebidas, a manteiga, os molhos e outros alimentos embalados. Um erro comum é guardar nela leite e ovos, que estragam mais facilmente.
Alguns alimentos ainda liberam, ao amadurecer, um gás sem cheiro, o etileno, que pode estragar outros que entrem em contato com ele. Isso ocorre por exemplo com as frutas, que, assim, fazem as verduras estragarem. É bom evitar que fiquem próximas.

3. Lembre-se dos tempos de armazenamento

Nem todos os alimentos duram o mesmo tempo quando estão armazenados, e é preciso levar isso em conta ao consumí-los.
Embutidos e carnes de frango, peru, porco ou vaca, quando cruas, duram só um ou dois dias. Sopas, hambúrguer e preparações com carne moída também.
Se já tiverem sido cozidas, as carnes de vaca, cordeiro ou porco duram entre três e cinco dias, assim como os ovos crus e com casca.
ThinkstockImage copyright Thinkstock

4. Mantenha a ordem e a limpeza

Será mais seguro consumir os alimentos da geladeira se eles estiverem bem arrumados e você não sobrecarregar o aparelho, porque isso limita a circulação de ar frio.
Outro ponto importante é limpar na mesma hora algum líquido que seja derramado, pois dá menos chances para as bactérias se desenvolverem, evitando que alimentos sejam contaminados.
Reveja o que está no refrigerador uma vez por semana e retire o que estiver estragado. E não se esqueça de, neste momento, aproveitar para checar prazos de validade.

Fonte:http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/12/151207_conselhos_comida_geladeira_rb

Postagens mais visitadas deste blog

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …