Pular para o conteúdo principal

SERÁ QUE ADOÇANTES DE SUCRALOSE SÃO REALMENTE BONS PARA A SAÚDE

Será que adoçantes de sucralose são realmente bons para a saúde?
A adição do açúcar na dieta pode ter efeitos terríveis sobre o metabolismo e a saúde geral. Por esta razão, muitas pessoas recorrem a adoçantes artificiais, como os que utilizam a sucralose. No entanto, embora as autoridades regulamentadoras afirmem que a sucralose é segura para consumo, alguns estudos têm relacionado a substância a problemas de saúde.

A sucralose é um edulcorante artificial sem calorias, e muitos produtos à base de sucralose são comercializados normalmente. A sucralose é feita a partir de açúcar, em um processo químico de múltiplos passos, em que 3 grupos de hidrogênio/oxigênio são substituídos por átomos de cloro.

A substância foi descoberta em 1976, quando um cientista, em uma universidade britânica, entendeu mal as instruções de teste de uma substância. Após ter cometido o erro, ele provou a nova mistura e percebeu que ela era altamente doce.

Muitos produtos foram feitos a partir da sucralose, sendo introduzidos nos EUA, pela primeira vez, em 1999. Hoje, é um dos adoçantes mais populares do mundo, sendo geralmente utilizado como substituto do açúcar. A substância também é adicionada a milhares de produtos alimentares.

Os produtos derivados da sucralose, que é livre de calorias, contêm dextrose e maltodextrina, carboidratos que aumentam o conteúdo calórico para até 3,36 calorias por grama. No entanto, o total de calorias e carboidratos seriam insignificantes, porque os adoçantes são usados em pequenas quantidades.
A sucralose é cerca de 400 a 700 vezes mais doce que o açúcar, e não tem um sabor amargo, tal como muitos outros edulcorantes populares. Ela é feita a partir do açúcar, sem as calorias e muito mais doce. Dizem que a sucralose possui pouco ou nenhum efeito sobre o açúcar no sangue e níveis de insulina. No entanto, isso pode depender do costume de consumir adoçantes artificiais.
 sucralose
Um pequeno estudo feito com 17 pessoas severamente obesas, que não consomem regularmente adoçantes artificiais, informou que a sucralose aumentou seus níveis de açúcar no sangue em 14%, e níveis de insulina em 20%. Vários outros estudos – feitos com indivíduos saudáveis e com peso normal – não encontraram nenhum efeito semelhante.

No entanto, os estudos mencionados incluíram pessoas que consumiam sucralose regularmente. Assim, pode se concluir que o consumo de sucralose em uma base regular, pode não causar mudanças nos níveis de açúcar e insulina no sangue, ao contrário de quem não a consome rotineiramente.

Os adoçantes dietéticos à base de sucralose são considerados resistentes ao calor, ótimos para cozinhar e assar. No entanto, estudos recentes têm desafiado esta afirmação anterior. Acredita-se que em altas temperaturas, a sucralose pode se “quebrar”, interagindo com outros ingredientes.
Um estudo descobriu que o aquecimento da sucralose com glicerol, principal mantenedor das moléculas de gordura, produz substâncias nocivas chamadas cloropropanóis. Estas substâncias podem aumentar o risco de câncer, por exemplo. Mais pesquisas são necessárias para descobrir a relação entre os fatos. Porém, pode ser melhor usar outros adoçantes para cozinhar ou assar alimentos em temperaturas acima de 120 °C.

Além fatores mencionados, os produtos que contêm adoçantes de zero caloria são muitas vezes considerados bons para a perda de peso. No entanto, a sucralose e adoçantes artificiais não parecem ter quaisquer efeitos importantes sobre o peso.

Estudos observacionais não encontraram ligação entre o consumo de adoçantes artificiais, peso corporal ou massa corporal excessiva, mas alguns deles relatam um pequeno aumento no índice de massa corporal (IMC). Uma revisão de estudos randomizados controlados relata que o uso de adoçantes artificiais reduz o peso corporal em cerca de 0,8kg, o que não representa um fator determinante.
Outras implicações
As bactérias boas ​​do intestino são extremamente importantes para a saúde geral, podendo melhorar a digestão, beneficiar o sistema imunológico e reduzir o risco de muitas doenças. Curiosamente, um estudo com ratos descobriu que a sucralose pode ter efeitos negativos sobre essas bactérias.

Após 12 semanas, os ratos que tinham consumido o edulcorante tiveram entre 47% e 80% de anaeróbios (bactérias que não necessitam de oxigênio) nas suas vísceras. Bactérias benéficas, como bifidobactérias e lactobacilos, foram significativamente reduzidas, enquanto bactérias prejudiciais foram menos afetadas. Além do mais, as bactérias do intestino ainda não haviam retornado ao normal 12 semanas após o experimento ter sido concluído.

No entanto, este foi um estudo em ratos. Estudos em humanos são necessários para explorar se as bactérias do intestino realmente são afetadas pela substância.
Afinal de contas, a sucralose é segura?
Assim como outros adoçantes artificiais, a sucralose é altamente controversa. Alguns afirmam que ela seja totalmente inofensiva, e os novos estudos sugerem que ela pode ter alguns efeitos sobre o metabolismo.

Considerando todas as consequências e os danos relatados acima, os efeitos na saúde a longo prazo ainda não são claros, mas as autoridades de saúde consideram que ela seja segura, apesar de admitirem que mais testes em humanos deveriam ser realizados.

Se você gosta do sabor da sucralose e seu corpo lida bem com ela, então provavelmente não há problemas. Não há evidência clara de que ela seja prejudicial para humanos. No entanto, pode ser uma má escolha na hora de cozinhar ou para pessoas com problemas relacionados ao intestino. Afinal, existem muitas alternativas no campo dos adoçantes artificiais.

Fonte:http://www.jornalciencia.com/sera-que-adocantes-de-sucralose-sao-realmente-bons-para-a-saude/

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …