Pular para o conteúdo principal

AÇÚCAR É PIOR QUE COCAÍNA ?

acucar


Estudos realizados nos Estados Unidos afirmam: o açúcar pode causar efeito no cérebro semelhante ao da cocaína.
As pessoas sabem que o açúcar não faz bem, mas não sabem o quanto ele faz mal. Certamente desconhecem a magnitude do dano que pode ser irreversível no campo neurológico impactando capacidade de aprendizado das nossas crianças e criando todo tipo de desordem metabólica.
Atualmente, evidências convincentes apontam que alimentos ricos em gordura, açúcar e sal podem alterar a química do cérebro, da mesma forma que as drogas altamente viciantes, como cocaína e heroína. A ideia está rapidamente se tornando uma visão comum entre pesquisadores em razão de novas pesquisas.

Em 2001, os neurocientistas Nicole Avena, da Universidade da Flórida, e Bartley Hoebel, da Universidade de Princeton, iniciaram uma série de estudos para procurar sinais de vício em animais que eram alimentados com junk food (ou comida-porcaria).
Explicando: junk food são alimentos ricos em calorias e gorduras saturadas e pobres em fibras e nutrientes, como vitaminas e sais minerais. Sem falar dos conservantes, aromatizantes e substâncias químicas… Enfim, junk food é boa parte da comida industrializada que muita gente está habituada a consumir.

celebro
Mas será que os doces podem ser tão prejudiciais quanto vício em drogas?
O açúcar, por exemplo, é um ingrediente chave na maioria dos junk foods. Por isso, os pesquisadores americanos ofereceram um xarope da substância a ratos, de concentração similar ao do açúcar presente em um refrigerante comum, por cerca de 12 horas por dia. Ao mesmo tempo, outros ratos foram alimentados com água e comida normal.
Depois de apenas um mês nessa dieta, os ratos desenvolveram mudanças de comportamento no cérebro idênticas às dos animais viciados em morfina. Eles ainda mostraram um comportamento ansioso quando a calda foi removida.
Os cientistas notaram que os cérebros dos ratos liberavam o neurotransmissor dopamina cada vez que tomavam a solução de açúcar, mesmo depois de já terem ingerido o xarope por semanas.

A dopamina conduz a busca do prazer – seja comida, drogas ou sexo. É uma substância química do cérebro vital para a aprendizagem, memória e tomada de decisão.
A expectativa dos cientistas era que a dopamina fosse liberada pelos ratos quando eles comessem um alimento novo, mas não com o que eles já estavam habituados. Esse é um dos sinais da dependência de drogas.
A evidência encontrada foi a primeira concreta de uma base biológica para a dependência do açúcar que inspirou uma série de outros estudos com animais.

Desde o estudo de Avena e Hoebel, publicado este mês na revista New Scientist, dezenas de outras pesquisas em animais confirmaram os resultados. Mas foram os recentes estudos em humanos os responsáveis pelas evidências em favor da rotulagem de junk food como um vício. Assim, o organismo “pede” quantidades cada vez maiores desse tipo de alimento para que o cérebro registre satisfação.
Gostou? É só me seguir para receber diariamente dicas de nutrição e saúde.

Fonte: http://www.blogdasaude.com.br/saude-mental/2010/09/15/acucar-efeito-semelhante-ao-da-cocaina/

acucar

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …