Pular para o conteúdo principal

CIENTISTAS ESTUDAM ABELHAS ENFERMEIRAS E MEL QUE CURA

abelhas-x-veneno

Cientistas estudam abelhas enfermeiras e mel que cura

abelha-flor
Cientistas estudam se abelhas enfermeiras conseguem ‘curar de propósito’, intencionalmente, como num “tratamento”.

Posted by  on 29/06/2016

Elas estão entre as criaturas mais trabalhadoras do planeta, elas são incansáveis e o produto final de seu trabalho é um dos melhores alimentos para o ser humano.
Mas as abelhas também sofrem com um mal do empregado moderno: as doenças. Quando uma epidemia atinge a colmeia, as abelhas ficam lentas e desorientadas, e muitas delas não resistem e morrem. …
Mas os cientistas descobriram que dentro da sociedade das abelhas existe um conjunto de “abelhas enfermeiras” que espalham uma forma medicinal de mel que ajuda a curar doenças na colmeia.
http://www.bbc.co.uk/
Um grupo de abelhas operárias, quando acometido com algum parasita, se alimenta com mel que possui alto nível antibiótico, segundo estudo de Silvio Erler, cientista da universidade alemã de Martin Luther, em Halle.
abelhas-bbc-mel
Diferentes tipos de mel podem ser usados para combater variadas doenças
Essas abelhas enfermeiras também distribuem o mel especial às demais abelhas na colmeia, para combater epidemias.

Mel terapêutico

Um estudo de Erler mostrou que diferentes tipos de mel são mais eficientes contra variados tipos de doenças.
Algumas abelhas foram infectadas com um parasita chamado Nosema ceranae e expostas a quatro tipos de mel diferentes. Três deles eram feitos a partir do néctar de plantas diferentes – a acácia-bastarda, o girassol e tília. Um quarto mel era feito da secreção de um tipo de inseto. Todos eles possuíam atividade antibiótica.
O estudo mostrou que para aquele parasita, as abelhas que se alimentaram de mel de girassol reduziram o nível de infecção em grau 7% superior às que se alimentaram dos outros tipos de mel.
abelhas-bbc-colmeia
Comportamento coletivo das abelhas ainda intriga cientistas. Nas colmeias densamente povoadas, as doenças se espalham rapidamente. (Credit: Todd Huffman, CC by 2.0)
Um estudo de setembro de Erler mostrou que o mel de girassol é mais eficaz contra a cria pútrida americana – uma doença que atinge abelhas. Já a cria pútrida europeia é melhor combatida com mel de tílias.
“Algumas abelhas estão em posição excepciona dentro de suas colônias para distribuir o mel certo e reduzir bastante as epidemias”, diz Erler.
O que os cientistas querem identificar agora é o grau de instrução das abelhas. Elas são capazes de identificar quais tipos de mel curam melhor determinadas doenças?
abelhas-x-veneno
As abelhas também sofrem com pesticidas e venenos utilizados na agricultura pelo homem e morrem aos milhões por causa disto.
As abelhas estão constantemente ameaçadas por doenças, aquecimento global, poluição e novas técnicas de agricultura. Erler acredita que essa capacidade “medicinal” das abelhas enfermeiras pode ser uma arma poderosa.
“Apiculturistas poderiam cultivar determinados tipos de mel para proteger suas colônias de doenças específicas”, diz. Mas Francis Ratnieks, da universidade britânica de Sussex, diz que esse tipo de técnica tem efeito limitado.
“Se depois de seis dias comendo apenas um tipo de mel, a abelha reduziu o nível de infecção em apenas 7%, eu imaginaria que o efeito no resto da colmeia seria menor. As abelhas costumam coletar mel principalmente para se alimentar, não como forma de medicação”, diz Ratnieks.
abelhas-bbc-morta
Abelhas mortas dentro da colmeia são retiradas pelas outras abelhas e são fontes de doenças. (Credit: Jannis Tzimopulos / Alamy)
As abelhas têm outras fontes de “remédios”. Um exemplo é a resina de plantas que elas coletam e incorporam a suas colmeias. Essas resinas ajudam a combater parasitas. Em 2012, um estudo mostrou que abelhas contaminadas com um determinado tipo de fungo se protegem coletando mais resina do que as demais.
As abelhas, assim como insetos como a formiga, também são conhecidas por seus hábitos “higiênicos“. Abelhas operárias transportam o corpo de abelhas mortas para longe da colônia, para evitar a disseminação de doenças. Ratnieks trabalha cultivando abelhas que praticam isso com maior frequência, na esperança de gerar colmeias mais resistentes a doenças.
A capacidade de achar remédios é algo comum a muitos animais na natureza. Assim como os humanos desenvolveram a aspirina contra dores de cabeça, chimpanzés usam folhas de algumas árvores para matar parasitas em seu estômago. Já as cabras comem vegetais com alto teor de tanino quando sofrem com vermes e cães e gatos comem um tipo de grama quando estão com distúrbios alimentares.

Saiba mais em:
  1. http://thoth3126.com.br/o-colapso-do-nosso-mundo-comecou-veja-14-sinais-disso/
  2. http://thoth3126.com.br/abelhas-em-perigo-de-extincao/
  3. http://thoth3126.com.br/as-abelhas-e-o-sagrado-feminino/
  4. http://thoth3126.com.br/sumico-das-abelhas-tambem-no-brasil/
  5. http://thoth3126.com.br/abelhas-tribunal-polones-condena-mulher-por-matar-2-milhoes-de-abelhas/
  6. http://thoth3126.com.br/europa-abelhas-curam-feridas-com-mel-mas-estao-ameacadas/
  7. http://thoth3126.com.br/abelhas-morrem-por-pesticidas-no-canada/
  8. http://thoth3126.com.br/abelhas-estao-desaparecendo/
  9. http://thoth3126.com.br/abelhas-podem-aumentar-a-produtividade-na-agricultura-dizem-especialistas/
  10. http://thoth3126.com.br/mel-elimina-superbacterias/
Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

Postagens mais visitadas deste blog

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …