Pular para o conteúdo principal

5 ALIMENTOS QUE FAZEM BEM PARA O CÉREBRO

5 alimentos que fazem bem para o cérebro


Alimentos ricos em compostos como antioxidantes e áxidos graxos podem melhorar a memória e a saúde do cérebro, segundo especialistas.
De frutas a peixes, aqui temos uma lista de 5 alimentos que podem fazer bem ao cérebro, segundo estudos.

1. Nozes

por-que-voce-pode-comer-nozes-em-sua-dieta1[1]
Um estudo descobriu que as dietas que contém nozes revertiam em 2% os sinais de envelhecimento no cérebro de ratos idosos, melhorando a capacidade de funcionamento e processamento de informações.
Um outro estudo relatou que ratos com Alzheimer mostravam melhorias na capacidade de aprendizado, memória e coordenação motora depois de serem alimentados com nozes.
As nozes contêm grandes quantidades de antioxidantes, que alguns pesquisadores afirmam combater os danos ao DNA das células do cérebro.

2. Cenouras

imagens-imagens-de-cenoura-1[1]
Cenouras, que são conhecidas por fazer bem aos olhos, também fazem bem para o cérebro.
As cenouras possuem altos níveis de um composto chamado luteolina, que reduzem os déficits de memória relacionados à idade e inflamação no cérebro, de acordo com um estudo. Esse mesmo estudo comprovou que ratos que tinham 20 miligramas de luteolina acrescentada à sua dieta tinham reduzido a inflamação no cérebro, além de restaurar a memória dos ratos.
Alimentos como azeite de oliva e pimenta também são ricos em luteolina.

3. Peixe

from BBS upload
Embora alguns estudos tenham mostrado que tomar suplementos de óleo de peixe podem não retardar o declínio cognitivo em pessoas com Alzheimer, outros estudos mostram que comer peixes ricos em ômega-3 podem ajudar com o lento declínio cognitivo típico do avanço da idade.
Um estudo de 2005 descobriu que pessoas com 65 anos ou mais, que comeram peixe 2 vezes por semana durante 6 anos, tiveram uma diminuição de 13% no seu declínio cognitivo em comparação com pessoas que não comiam peixe regularmente.
Peixes ricos em vitamina B12 também podem ajudar a proteger do Alzheimer, de acordo com um estudo de 2010.

4. Café e chá

xicara-de-cafe-2[1]
O café pode fazer mais do que simplesmente nos manter acordados: ele pode ajudar na prevenção ao Alzheimer e melhorar a função cognitiva,
Um estudo descobriu que quando pesquisadores deram café com cafeína para ratos geneticamente modificados para desenvolverem a doença de Alzheimer, a progressão da doença era reduzida ou até mesmo nunca se desenvolvia. Com base na descoberta, o café poderia eventualmente servir como um tratamento terapêutico para pessoas com Alzheimer, afirmaram os pesquisadores.
Eles também mostraram os efeitos do chá sobre o cérebro. Pessoas que bebiam chá se saíram melhores em testes de memória do que as que não bebiam chá, segundo um estudo que envolveu 716 chineses adultos com 55 anos ou mais.

5. Espinafre

espinafre-os-beneficios-e-controversias-do-vegetal[1]
O espinafre contém uma quantidade considerável das vitaminas C e E, que melhoram as habilidades cognitivas.
Um estudo publicado em 2000 na revista Brain Research mostrou que ratos tiveram alguns dos seus déficits de memória relacionados à idade revertidos quando tinham dietas suplementadas por espinafre, morango e mirtilos.
Matheus Gonçalves | July 14, 2016 at 7:40 pm | 

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …