Pular para o conteúdo principal

ANVISA DIVULGA LISTA PREOCUPANTE DE 18 ALIMENTOS COM O MAIOR NÍVEL DE CONTAMINAÇÃO POR AGROTÓXICOS NO BRASIL

Vegetais

ANVISA Divulga Lista Preocupante de Alimentos com Maior Nível de Contaminação

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) divulgou uma lista com alimentos que eram pra ser saudáveis, como frutas e vegetais que possuem nutrientes importantíssimos ao nosso organismo, mas que em testes exibiram altos níveis de contaminação por agrotóxicos ao ser humano. Para fazer o levantamento, a Anvisa levou em consideração dois pontos:
  1. Teores de resíduos de agrotóxicos acima do permitido;
  2. Presença de agrotóxicos não autorizados para o tipo de alimento.
O Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos de Alimentos analisou quase 2.500 amostras de 18 tipos de alimentos nos estados brasileiros. O resultado das análises mostrou que cerca de 1/3 dos vegetais que o brasileiro mais consome apresentaram resíduos de agrotóxicos acima dos níveis aceitáveis.
As frutas e legumes que todos nós pensamos ser os alimentos mais saudáveis possíveis, na verdade podem estar nos fornecendo, ao invés de seus ricos nutrientes, produtos tóxicos que fazem muito mal à nossa saúde.
Os agrotóxicos são utilizados massivamente na agricultura para proteger os cultivos de pragas. Um levantamento de 2010 indica que só naquele ano foram usadas 1 milhão de toneladas de agrotóxicos em plantações no Brasil, o que significa cerca de 5 kg para cada brasileiro, numa conta superficial.
Na lista da Anivsa, uma quantidade assustadora das amostras coletadas de pimentão apresentava contaminação acima do aceitável, como você poderá conferir mais abaixo. Somente a batata não apresentou nenhum lote contaminado.
A agência alerta os consumidores que o consumo prolongado e em quantidades acima dos limites aceitáveis de agrotóxicos pode acarretar problemas de saúde como dores de cabeça, alergias e coceiras, em menores exposições, e até distúrbios do sistema nervoso central, má formação fetal e câncer, quando em maiores quantidades.
Confira a lista de alimentos com o maior nível de contaminação por agrotóxicos no país, em ordem decrescente, e tente, mesmo sabendo do maior custo, procurar a versão orgânica destes alimentos nos mercados ou lojas naturais mais próximas de onde você mora, já que estas não trazem riscos por serem cultivadas sem o uso destas substâncias nocivas à nossa saúde.
  1. Pimentão: 91,8%
  2. Morango: 63,4%
  3. Pepino: 57,4%
  4. Alface: 54,2%
  5. Cenoura: 49,6%
  6. Abacaxi: 32,8%
  7. Beterraba: 32,6
  8. Couve: 31,9%
  9. Mamão: 30,4%
  10. Tomate: 16,3%
  11. Laranja: 12,2%
  12. Maçã: 8,9%
  13. Arroz: 7,4%
  14. Feijão: 6,5%
  15. Repolho: 6,3%
  16. Manga: 4%
  17. Cebola: 3,1%
  18. Batata: 0%
Vegetais

Vale lembrar que lavar o alimento remove apenas os resíduos presentes superficialmente nestes. Muitas destas substâncias são absorvidas pelo alimento. A melhor forma de lavá-los é utilizando uma esponja e detergente neutro, por um minuto, tirar as folhas externas das verduras (que concentram mais agrotóxicos) e descascar as frutas de casca fina, lavando-as em água corrente, pois estas também concentram mais agrotóxicos.
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)
Agrotóxicos

18 Alimentos Com Mais Agrotóxicos no Brasil


Procuramos nos alimentar de maneira saudável, evitamos gorduras, açúcares, alimentos industrializados. Passamos a dar preferência aos produtos naturais. A partir de então, mais vegetais, frutas e legumes passam a fazer parte de nossa alimentação. No entanto, o fato de deixarmos alguns alimentos e os substituirmos por outros pode não significar estarmos investindo em nossa saúde.
Parece contraditório, mas nós podemos estar ingerindo veneno, iludidos pela aparência desses alimentos todos.
Como os alimentos orgânicos são muito caros, nem sempre acessíveis, somos obrigados a continuar fazendo nossas compras nas feiras e sacolões, onde desconhecemos a procedência desses alimentos, mas, simplesmente, não temos outras opções.
Segundo a ANVISA, a maioria dos alimentos “naturais” que consumimos está comprometida por altos índices de agrotóxicos, lamentavelmente. Os maiores índices foram observados em 1/3 de frutas, vegetais e hortaliças.
Os índices são simplesmente assustadores: no ano de 2010, um milhão de toneladas de agrotóxicos foram utilizados nas lavouras brasileiras. Isso dá uma média de 5kg de agrotóxicos por brasileiro. É totalmente assustador. Dois desses agrotóxicos sequer possuem registro no país, portanto, entraram de forma ilegal, ou seja, contrabando, são eles: Azaconazol e Tebufempirade.
Falta investimento e esclarecimento nas áreas de produção rural. Os produtores precisam conhecer os malefícios dos diversos tipos de agrotóxicos antes de passar a utilizá-los indiscriminadamente, submetendo os consumidores e a eles próprios aos pesticidas ilegais.
Mesmo entre os liberados, há necessidade de esclarecimentos em relação a quantidades e frequência de pulverização nas lavouras.

Graus de Contaminação

Para entendermos essa classificação, precisamos explicar primeiramente como funciona o ciclo de maturação dos alimentos.
Quanto mais tempo um determinado alimento demorar para amadurecer desde seu plantio até a colheita, mais pulverizações ele receberá. Isso aumentará sua exposição aos agrotóxicos. Esses ciclos nos dão uma ideia das possíveis doses mais elevadas desses pesticidas em nossa mesa.
O tomate, por exemplo, chega a receber até 36 pulverizações durante seu ciclo.
Vamos abordar esses alimentos com agrotóxicos, explorando seus riscos de contaminação, começando inicialmente por desmembrá-los entre frutas, legumes, bulbos e tubérculos, e finalizaremos com as verduras.

Frutas

  • Alto risco: Tomate, morango, mamão papaia, goiaba, figo, uva, pera, pêssego, melão.
  • Médio risco: Manga, abacaxi, maracujá, banana, laranja, melancia, mamão formosa.
  • Baixo risco: Abacate, tangerina ponkan e comum, jabuticaba, caqui, coco, pitanga, nêspera.

Legumes

Em seu processo de produção, ocorre alta incidência de uso de agrotóxicos, por serem alimentos mais sujeitos aos ataques de pragas. Entre eles, citaremos a abobrinha, berinjela, pepino e pimentão.

Bulbos e tubérculos

Costumam receber um alto número de pulverizações, como a cenoura e a beterraba, por exemplo, devido ao fato de se encontrarem num ciclo de maturação intermediário.
Nesse caso, embora também estando no mesmo ciclo, o tomate e a cebola são duas exceções nessa lista. Chegam a receber até 30 pulverizações.

Vegetais

Os alimentos que recebem menos pulverizações são os vegetais, por apresentarem um ciclo de maturação mais breve, desenvolvendo-se mais rapidamente. São eles: alface, rúcula, escarola, couve, agrião, almeirão, etc.

O Que Fazer?

Diante de todas essas informações, ficamos bastante desestimulados a consumir tudo isso. Há algumas medidas a serem tomadas para tentarmos evitar, ou ao menos diminuir os malefícios dos alimentos com agrotóxicos em nossa alimentação.
  • Lavar muito bem os alimentos. No caso das verduras, retirar as folhas externas. Ao menos sabemos que a parte interna ficou menos exposta ao veneno. No caso dos vegetais, a lavagem não garante a retirada total do veneno, porque ele atua de forma sistêmica, ou seja, é absorvido e circula por todo seu tecido.
  • Retirar as cascas das frutas, tubérculos e legumes.
  • Retirar as dobras que alguns alimentos apresentam externamente. Nessas reentrâncias o veneno se acumula mais e não conseguimos lavar corretamente.
  • Nunca lave os alimentos que acabaram de chegar da feira, do sacolão ou do supermercado. Os alimentos, em temperatura ambiente, absorvem a água da lavagem, carregando para seu interior tudo que estiver em sua superfície. Esse fenômeno físico se chama “uptake”. Deixe todos os alimentos na geladeira, acondicionados em recipientes tampados. Aguarde, no mínimo duas horas para proceder a lavagem em água corrente.
  • Prefira sempre os alimentos da época. Pelo que já explicamos sobre ciclo de maturação, fica claro que tudo que for comprado fora da estação passou por um ciclo maior, e consequentemente recebeu mais agrotóxicos.
  • Compre alimentos regionais. Para que algum produto percorra longas distâncias, será necessário “protegê-lo” mais dos ataques de pragas, portanto, a pulverização dos agrotóxicos será mais intensa.
  • Prefira alimentos orgânicos, de produtores confiáveis.

Transformar Alimentos Contaminados em Orgânicos

Além dos cuidados citados acima, podemos também submetê-los a um processo para descontaminá-los.
Você vai precisar comprar “tintura de iodo a 2 %”. É facilmente encontrada em farmácias. Para cada litro de água, utilize 5 ml de tintura.
Deixe os alimentos dentro dessa solução por mais ou menos uma hora, em um local protegido da luz. Depois desse tempo, basta retirá-los e lavá-los bem.

Considerações finais

O maior mercado de agrotóxicos no mundo é o brasileiro. Além das diversas marcas produzidas aqui, também importamos várias outras, sem contar as que entram clandestinamente.
Infelizmente, vivemos num país onde isso não é levado a sério. Os efeitos dos agrotóxicos no organismo são cumulativos, provocando, ao longo dos anos, várias doenças degenerativas no sistema nervoso, doenças crônicas, endócrinas, quadros de alergias graves e câncer.
Não podendo impedir que nossos alimentos sejam tão contaminados, nem tampouco podendo excluí-los de nossa alimentação. Logo, temos que multiplicar os cuidados ao comprá-los e manipulá-los até que alguma medida efetiva seja tomada, o que parece algo bem distante, infelizmente.
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)
Fonte:http://www.mundoboaforma.com.br/anvisa-divulga-lista-preocupante-de-alimentos-com-maior-nivel-de-contaminacao/

Postagens mais visitadas deste blog

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …