Pular para o conteúdo principal

FLORES COMESTÍVEIS : COM CULTIVAR EM CASA E USAR EM RECEITAS

Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas (Foto: Sarah Braun/Flickr)

Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas

Descubra quais os principais nomes e usos para ter um jardim florido e gastronômico

12/07/2016| POR AMANDA SEQUIN

Seja em saladas, doces, quiches ou apenas para a decoração de pratos, flores comestíveis são ótimas opções para turbinar e colorir o menu. Além disso, podem ser cultivadas em pequenos jardins - até mesmo dentro de casa! Quer saber como? Confira, a seguir, um guia de cultivo e os tipos mais utilizados na culinária. Depois, é só se aventurar no preparo de uma manteiga aromatizada, no carpaccio de pupunha com flores ou na salada de endívias, capuchinha e queijo feta!

 

Primeiros passos
Antes de começar a se aventurar na cozinha, tenha em mente alguns cuidados: nem toda flor é consumível. "Algumas tem potencial tóxico ou sabores muito fortes", explica Gabriela Pastro, especialista em ervas aromáticas e especiarias do Sabor de Fazenda. Portanto, conheça a espécie! Certifique-se também de que a planta é orgânica e higienize da maneira correta: imersa em uma solução com água e sal (500 ml para cada colher de chá) por cinco minutos. 

Os tipos de flores
Elas se dividem conforme as partes comestíveis: flor inteira, somente pétalas ou sépalas e brácteas. "O orégano seco que consumimos não é oriundo das folhas e sim das sépalas secas das flores. Ou seja, as flores também podem ser consideradas temperos", explica Gabriela. Confira, a seguir, cinco espécies e suas características.

Amor-perfeito (Viola x wittrockiana)
Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas (Foto: Reprodução)
Também chamada de viola tricolor e erva-trindade, trata-se de uma herbácea perene, híbrida e de hastes muito ramificadas que variam entre 20 e 30 cm. Suas flores vistosas, nas cores branca, roxa, amarela, rósea e marrom, formam-se no inverno e primavera. É cultivada em maciços densos e canteiros a meia sombra, protegida do sol forte, com terra fertilizada, rica em húmus, mantida permanentemente úmida. Na culinária, podem ser cristalizadas, incrementar saladas e aromatizar manteigas.
Capuchinha (Tropaeolum majus) 
Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas (Foto: Reprodução)
Com nuances em laranja, amarela ou vermelha, é uma das mais usadas em pratos brasileiros. Medindo de 30 a 40 cm de altura, a herbácea se forma entre primavera e verão e deve ser mantida sob sol pleno, como planta pendente em vasos, jardineiras, ou canteiros. Multiplica-se por sementes, que devem ser colocadas para germinar no outono. Na gastronomia, serve de enfeite ou como um tempero fresco e picante para pratos e saladas verdes.

Hibisco/Vinagreira (Hibiscus sabdariffa)
Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas (Foto: Reprodução)
Famosa pelo uso para chás, a espécie é do tipo arbusto semi-lenhoso, mede entre 1,5 e 3,0 m de altura e floresce o ano todo se cultivada a pleno sol. De cor rosa-arroxeada, suas brácteas e sépalas possuem um sabor ácido e servem de base para a confecção de geleias e sucos.
Tagete (Tagetes sp.)
Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas (Foto: Reprodução)
"Esta não é tão comum no mundo gourmet, porém seu uso tem se ampliado nos últimos tempos", revela a especialista Gabriela Pastro sobre essa herbácea anual, ereta, ramificada, com altura entre 60 e 90 cm. Suas folhas apresentam cheiro forte e característico e as flores possuem tonalidades amarelas e alaranjadas, que lembram cravos, e se formam principalmente na primavera e no verão. São usadas no preparo de manteigas aromatizadas, patês, ricotas e risotos.

Violeta-perfumada (Viola odorata)
Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas (Foto: Reprodução)
Mais delicada do que a violeta tradicional (violeta africana), a viola odorata atinge pouco mais de 10 cm de altura e possui flores perfumadas, de cor violeta ou esbranquiçadas. "Deve ser cultivada a meia-sombra, sempre úmida", ressalta Gabriela. Suas flores são pequenas e servem para decoração, aromatização de manteigas e cristalização para doces.
Como plantar
A única diferença em relação a outros tipos de plantas é forma de adubá-las. "Existem duas maneiras: adubo líquido nas folhas e granulado na terra. Para as folhas, o melhor é o originário da composteira caseira (minhocário), vulgarmente chamado de chorume", resume a especialista, que indica diluir o líquido liberado no processo na proporção 1 para 10 de água. A adubação líquida pode ser feita a cada 15 dias, borrifando as folhas sempre de baixo para cima. Já os granulados (bokashi e farinha de osso são alguns exemplos) devem ser aplicados a cada 40 dias.


Fonte:http://casavogue.globo.com/Arquitetura/Paisagismo/noticia/2016/07/flores-comestiveis-como-cultivar-em-casa-e-usar-em-receitas.html

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …