Pular para o conteúdo principal

FLORES COMESTÍVEIS : COM CULTIVAR EM CASA E USAR EM RECEITAS

Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas (Foto: Sarah Braun/Flickr)

Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas

Descubra quais os principais nomes e usos para ter um jardim florido e gastronômico

12/07/2016| POR AMANDA SEQUIN

Seja em saladas, doces, quiches ou apenas para a decoração de pratos, flores comestíveis são ótimas opções para turbinar e colorir o menu. Além disso, podem ser cultivadas em pequenos jardins - até mesmo dentro de casa! Quer saber como? Confira, a seguir, um guia de cultivo e os tipos mais utilizados na culinária. Depois, é só se aventurar no preparo de uma manteiga aromatizada, no carpaccio de pupunha com flores ou na salada de endívias, capuchinha e queijo feta!

 

Primeiros passos
Antes de começar a se aventurar na cozinha, tenha em mente alguns cuidados: nem toda flor é consumível. "Algumas tem potencial tóxico ou sabores muito fortes", explica Gabriela Pastro, especialista em ervas aromáticas e especiarias do Sabor de Fazenda. Portanto, conheça a espécie! Certifique-se também de que a planta é orgânica e higienize da maneira correta: imersa em uma solução com água e sal (500 ml para cada colher de chá) por cinco minutos. 

Os tipos de flores
Elas se dividem conforme as partes comestíveis: flor inteira, somente pétalas ou sépalas e brácteas. "O orégano seco que consumimos não é oriundo das folhas e sim das sépalas secas das flores. Ou seja, as flores também podem ser consideradas temperos", explica Gabriela. Confira, a seguir, cinco espécies e suas características.

Amor-perfeito (Viola x wittrockiana)
Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas (Foto: Reprodução)
Também chamada de viola tricolor e erva-trindade, trata-se de uma herbácea perene, híbrida e de hastes muito ramificadas que variam entre 20 e 30 cm. Suas flores vistosas, nas cores branca, roxa, amarela, rósea e marrom, formam-se no inverno e primavera. É cultivada em maciços densos e canteiros a meia sombra, protegida do sol forte, com terra fertilizada, rica em húmus, mantida permanentemente úmida. Na culinária, podem ser cristalizadas, incrementar saladas e aromatizar manteigas.
Capuchinha (Tropaeolum majus) 
Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas (Foto: Reprodução)
Com nuances em laranja, amarela ou vermelha, é uma das mais usadas em pratos brasileiros. Medindo de 30 a 40 cm de altura, a herbácea se forma entre primavera e verão e deve ser mantida sob sol pleno, como planta pendente em vasos, jardineiras, ou canteiros. Multiplica-se por sementes, que devem ser colocadas para germinar no outono. Na gastronomia, serve de enfeite ou como um tempero fresco e picante para pratos e saladas verdes.

Hibisco/Vinagreira (Hibiscus sabdariffa)
Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas (Foto: Reprodução)
Famosa pelo uso para chás, a espécie é do tipo arbusto semi-lenhoso, mede entre 1,5 e 3,0 m de altura e floresce o ano todo se cultivada a pleno sol. De cor rosa-arroxeada, suas brácteas e sépalas possuem um sabor ácido e servem de base para a confecção de geleias e sucos.
Tagete (Tagetes sp.)
Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas (Foto: Reprodução)
"Esta não é tão comum no mundo gourmet, porém seu uso tem se ampliado nos últimos tempos", revela a especialista Gabriela Pastro sobre essa herbácea anual, ereta, ramificada, com altura entre 60 e 90 cm. Suas folhas apresentam cheiro forte e característico e as flores possuem tonalidades amarelas e alaranjadas, que lembram cravos, e se formam principalmente na primavera e no verão. São usadas no preparo de manteigas aromatizadas, patês, ricotas e risotos.

Violeta-perfumada (Viola odorata)
Flores comestíveis: como cultivar em casa e usar em receitas (Foto: Reprodução)
Mais delicada do que a violeta tradicional (violeta africana), a viola odorata atinge pouco mais de 10 cm de altura e possui flores perfumadas, de cor violeta ou esbranquiçadas. "Deve ser cultivada a meia-sombra, sempre úmida", ressalta Gabriela. Suas flores são pequenas e servem para decoração, aromatização de manteigas e cristalização para doces.
Como plantar
A única diferença em relação a outros tipos de plantas é forma de adubá-las. "Existem duas maneiras: adubo líquido nas folhas e granulado na terra. Para as folhas, o melhor é o originário da composteira caseira (minhocário), vulgarmente chamado de chorume", resume a especialista, que indica diluir o líquido liberado no processo na proporção 1 para 10 de água. A adubação líquida pode ser feita a cada 15 dias, borrifando as folhas sempre de baixo para cima. Já os granulados (bokashi e farinha de osso são alguns exemplos) devem ser aplicados a cada 40 dias.


Fonte:http://casavogue.globo.com/Arquitetura/Paisagismo/noticia/2016/07/flores-comestiveis-como-cultivar-em-casa-e-usar-em-receitas.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ALTERNATIVAS NATURAIS PARA DIMINUIR A LIPOPROTEÍNA 'A'

Comer peixe que tenha bastante ácidos graxos ômega-3 pode diminuir os níveis de lipoproteína (a)
O QUE É A LIPOPROTEÍNA 'A'
A lipoproteína (a) [Lp(a)] consiste numa partícula semelhante à LDL e a apolipoproteína específica (a) [apo(a)], que é covalente ligada à apoB da partícula semelhante à LDL. As concentrações plasmáticas de Lp(a) são altamente hereditárias e controladas principalmente pelo gene da apolipoproteína (a) [LPA] localizado no cromossoma 6q26-27. As proteínas apo(a) variam em tamanho devido a um polimorfismo de tamanho [KIV-2 VNTR], que é causado por um número variável de repetições kringle IV no gene LPA. Esta variação de tamanho ao nível do gene é também expressa ao nível da proteína, resultando em proteínas apo(a) com 10 a > 50 repetições kringle IV (cada variável do kringle IV consiste em 114 aminoácidos). Estes tamanhos variáveis ​​das apo(a) são conhecidos como "isoformas apo (a)". Existe uma correlação geral inversa entre o tamanho da isoforma a…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

ALIMENTOS NATURAIS AFRODISÍACOS,QUE AGEM COMO VIAGRA

Atualmente um dos problemas que preocupam os homens é a dificuldade de ereção e impotência sexual. Na tentativa de resolvê-los usam produtos como Viagra e outros produtos industrializados, muitas vezes o resultado não é tão agradável como era esperado.
Mas esse problema pode ser resolvido de uma forma bem natural e saudável.

A medicina popular é famosa por apresentar inúmeras soluções à base de vegetais e frutas para esses e outros problemas. Confira abaixo algumas delas:


Romã: os antioxidantes contidos nessa fruta estimulam o fluxo sanguíneo e, em consequência, o mecanismo de ereção. Segundo estudos recentes a Melancia também tem função semelhante. Quando a Melancia é consumida, a citrulina presente na fruta (em maior concentração na casca do que na polpa) é convertida em arginina por enzimas. Tais enzimas podem não ser tão direcionadas os órgãos masculinos como a do Viagra e do Cialis (nome comercial da Tadalafila, um fármaco usado para impotência sexual), entretanto, é uma excelente ma…