Pular para o conteúdo principal

MASTIGAR MAIS A COMIDA PODE TE AJUDAR A PERDER PESO E MAIS


Mulher mastigando

Mastigar Mais a Comida Pode te Ajudar a Perder Peso e Mais

Mastigar os alimentos mais tempo e mais profundamente pode trazer diversos benefícios. Um deles é a potencial perda de peso.
Comidas sólidas, obviamente, requerem a mastigação. Em um recente estudo, participantes consumiram 150 calorias antes de se servirem num buffet. Os que tinham lanchado alimentos sólidos antes da refeição comeram cerca de 150 calorias a menos no buffet, em comparação com o grupo dos que receberam o lanche de 150 calorias em forma líquida, que não diminuíram seu tamanho de refeição.
Comer rápido, com grandes mordidas e engolir rapidamente são comportamentos que tendem a estar associados a excessos de comida e maior peso corporal.
Alimentos duros (brócolis e crucíferos semelhantes) devem diminuir o tamanho da mordida, enquanto os alimentos moles (sorvete, bolo, pudim) tendem a aumentar o tamanho da mordida. Alimentos duros também exigem mais mastigação, retardando a refeição.
Outro estudo comparou a pizza mastigada 40 vezes com a mastigada 15 vezes por mordida. Mastigar durante mais tempo fez os participantes sentirem menos fome e com menos desejo para o alimento.
Mastigar 40 vezes por mordida também aumentou a glucose no plasma, o que por sua vez aumenta a insulina, que desencadeia a saciedade através de um ciclo de compensação. Sendo assim, mais tempo de mastigação pode diminuir a ingestão de alimentos em uma determinada refeição.
No entanto, o tempo mais longo de mastigação não diminuiu a ingestão na próxima refeição, que foi dada aos participantes 3 horas mais tarde.
Não surpreendentemente, é necessário repetir o hábito de mastigar mais vezes a cada refeição para reduzir a ingestão de calorias com sucesso.

Confira aqui as diretrizes para você conseguir se acostumar a manter os alimentos em sua boca por mais tempo:

  1. Coma quando você está fisicamente com fome para que seu corpo esteja realmente pronto para receber o alimento;
  2. Inclua com abundância alimentos mais duros e crocantes, como legumes;
  3. Coma pequenas mordidas;
  4. Não mastigue imediatamente. Mantenha a comida em sua boca por um segundo ou dois antes de começar a mastigar;
  5. Desacelere. O método que parece funcionar melhor é começar a refeição em um ritmo normal até que a fome inicial passe. Em seguida, reduza para cerca de metade da velocidade;
  6. Mastigue mais tempo!
Aparentemente, nós não gostamos de mastigar alimentos mais do que precisamos, o que pode variar de acordo com um determinado alimento. No estudo com a pizza citado acima, os investigadores postularam que 40 mastigadas por mordida mudou as características do alimento suficientemente para torná-lo menos atraente que de início e diminuir do apetite. Alguns alimentos podem ser bem mastigados com menos mastigadas por mordida.
Talvez seja necessário, para se acostumar com esta nova prática, comer contando primeiramente. Uma vez que tenha pego o hábito, em vez de contar cada mastigada por mordida, apenas mastigue até que a textura do que está em sua boca – não o gosto – não revele mais que comida é.
Quaisquer que sejam suas razões para mastigar mais – melhor digestão, melhor saúde, maior prazer de comer, o aumento da saciedade, perda de peso – todos eles podem começar com estas diretrizes de mudanças.
Revisão Geral pela Dra. Patrícia Leite - (no G+)
Fonte:http://www.mundoboaforma.com.br/mastigar-mais-sua-comida-pode-te-ajudar-perder-peso-e-mais/

Mulher mastigando


Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …