Pular para o conteúdo principal

10 ALIMENTOS FONTES DE CÁLCIO E LIVRES DE LACTOSE

10 alimentos fontes de cálcio e livres de lactose

Chia, aveia, brócolis e sardinha fazem parte da lista

É muito comum lembrarmos-nos de leite assim que ouvimos falar sobre a importância do cálcio para a nossa saúde. Mas a verdade é que existem muitos outros alimentos ricos em cálcio, porém, sem lactose – o que se torna uma ótima notícia para as pessoas que são intolerantes a ela.
Amanda Regina, nutricionista e personal diet, explica que o cálcio é essencial para a manutenção dos ossos e dos dentes e tem, também, uma função primordial de agir na contração muscular e de regular o pH sanguíneo.
“A carência desse mineral pode gerar irritabilidade, humor inconstante, prejudicar a memória, formigamentos, queda de cabelo, unhas frágeis, entre outros sintomas”, destaca a profissional.

Recomendação diária

A recomendação varia de acordo com a faixa etária, sexo, gestação e lactação. “Mas, para se ter uma ideia, uma mulher adulta na faixa dos 30 aos 50 anos, deverá ingerir cerca de 1.000mg por dia”, diz a nutricionista Amanda.

A absorção do cálcio

Amanda Regina explica que, para termos uma boa absorção dos minerais, não basta somente sabermos a fonte alimentar, mas também considerarmos fatores internos: digestão, intestino com funcionamento adequado e boa combinação alimentar. “É necessário, para uma boa absorção do cálcio, que ele seja combinado com outro mineral, o magnésio, e que o corpo esteja em um estado alcalino. Ou seja, quando o pH do corpo está ácido, ele desvia a absorção do cálcio do osso para a manutenção do sangue e a absorção para o osso fica prejudicada”, diz.
A nutricionista destaca que são alimentos que alcalinizam o sangue: frutas, hortaliças verde-escuras (couve, brócolis, escarola, etc) e também cereais integrais. Em contrapartida, são alimentos acidificantes: doces, refrigerantes, excesso de proteínas animais etc. “E são boas fontes de cálcio (combinadas com magnésio, para melhor absorção): sardinha, manjuba, cavalinha, entre outros. Já o leite é rico em cálcio, porém, pobre em magnésio”, diz.

Intolerância à lactose

Amanda Regina explica que muitas pessoas são intolerantes à lactose, que é o açúcar do leite, e também à caseína, que é a proteína do leite. “Para isso, é necessário uma avaliação do nutricionista ou médico para saber se esse é o seu caso. Mas, uma sugestão para quem tem a intolerância à lactose, é utilizar alimentos ‘lactose free’ ou ainda variar com leite de cabra, ovelha ou leite de vegetais (amêndoas, arroz etc., que normalmente são enriquecidos com cálcio)”, diz.

Mais alimentos fontes de cálcio

Abaixo você confere uma lista com outros alimentos – facilmente encontrados – que são fontes de cálcio:
1. Espinafre: é um alimento antioxidante, fonte de fibras e também rico em cálcio. Cada 100 g do vegetal contém cerca de 160 mg do nutriente. A hortaliça pode ser consumida sozinha em saladas, em lanches ou cozido.
2. Brócolis: o brócolis cru contém 400 mg de cálcio em 100 g, mas a recomendação é consumi-lo cozido ou no vapor. Assim, ao submetê-lo ao cozimento, ele perde cerca de 70% da quantidade inicial de cálcio; já no vapor, ele perde cerca de 25% da quantidade inicial. A dica então é apostar no brócolis no vapor e aproveitar seus outros nutrientes, como ácido fólico, antioxidantes, fibras e vitaminas A e C.
3. Sardinha: bastante conhecida por ser fonte de Ômega 3, ela também fornece quantidade significativa de cálcio, cada 100 g oferece 500 mg do mineral. O peixe pode ser consumido assado, grelhado ou em patês.
4. Tofu: em 100 g de tofu há 159 mg de cálcio. O problema, porém, é que absorvemos melhor o cálcio de alimentos de origem animal do que os de origem vegetal. Mas, ainda assim, o derivado da soja é uma boa fonte do nutriente, é rico também em proteínas, fósforo e magnésio, além de possuir poucas calorias.
5. Semente de gergelim: ela é conhecida por sua alta concentração de fibras. Mas outros nutrientes, como o cálcio, também são encontrados na semente: são 400 mg de cálcio em cada 100 g do alimento.
6. Linhaça: em 100 g de linhaça há cerca de 200 mg de cálcio, mas, é preciso tomar cuidado para não exagerar no consumo deste alimento que é bastante calórico.
7. Soja: o vegetal é rico em cálcio, apresenta 90 mg do mineral a cada 100 g. Suas versões de farinha ou leite apresentam o nutriente ainda em maior concentração.
8. Grão de bico: a cada 100 g do alimento, são obtidos 120 mg de cálcio. Outra vantagem do alimento é a sensação de saciedade, além da melhora do fluxo intestinal.
9. Aveia: também é rica em cálcio, oferecendo cerca de 300 mg do mineral a cada 100 g do cereal. Pode ser usada em receitas de pães e bolos ou ser misturada com mingau ou frutas.
10. Chia: é uma semente rica em ômega 3, fibras, ferro, proteínas e, ainda, 100 g do alimento contém cerca de 556,8 mg de cálcio.
Agora você já conhece as funções do cálcio e ótimas opções de alimentos que são fontes dele. Mas lembre-se que eles devem estar associados a uma dieta completa e saudável, de preferência, orientada por um nutricionista, para que todos esses benefícios provenientes da absorção do cálcio sejam, de fato, usufruídos.
Fonte:http://www.dicasdemulher.com.br/10-alimentos-fontes-de-calcio-e-livres-de-lactose/?

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …