Pular para o conteúdo principal

COMO CONSUMIR ALIMENTOS DURANTE EXERCÍCIOS LONGOS SEM DESCONFORTO

EuAtleta - ironman nutrição (Foto: Divulgação)

Provas de longa duração, como o Ironman, 
exigem nutrição durante o exercício (Foto: Divulgação)

Como consumir alimentos durante exercícios longos sem desconfortos

Fisiologista fala da necessidade de repor nutrientes em provas que duram duas horas ou mais e explica que a água pode ajudar a evitar complicações gástricas. Confira:


A utilização de nutrientes durante uma atividade física, principalmente as de longa duração, é um desafio que deve ser enfrentado com o conhecimento científico pertinente. Quando a questão for relativa às atividades de duração mais curta, não existe nenhuma necessidade de se consumir alimentos, ficando a preocupação de reposição restrita à hidratação e sais minerais.

Por outro lado, quando tratamos de atividades que ultrapassem duas horas ou mais, a necessidade de reposição de nutrientes, principalmente os carboidratos, passa a ser uma questão a ser considerada.


O grande problema de consumir nutrientes durante o exercício é a “competição” entre o tubo digestivo e os músculos pelo fluxo sanguíneo. Na atividade, a necessidade de aumentar o fluxo sanguíneo para os músculos, “rouba” o sangue do tubo digestivo, dificultando a digestão e afetando o esvaziamento do estômago.

A possibilidade de realmente podermos absorver nutrientes durante o exercício depende de dois fatores: a intensidade do exercício e o tipo de alimento ingerido. Quando o exercício é de intensidade muito elevada, a restrição do fluxo sanguíneo imposta ao tubo digestivo praticamente inviabiliza qualquer possibilidade de digestão de alimentos. É certo, entretanto, que atividades de intensidade muito elevada não terão duração muito longa, não necessitando da reposição de nutrientes.

A natureza do nutriente ingerido é fator fundamental. Nos exercícios de intensidade mais moderada que terão duração mais longa, como uma prova de maratona ou corridas de aventura, que duram várias horas, a situação é diferente. Passa a existir a necessidade de reposição de carboidratos, caso contrário a falta desse nutriente causará sérios problemas. A preocupação passa a ser adequar a concentração do carboidrato a ser ingerido.


Quando ingerimos o nutriente com concentração elevada, o esvaziamento do estômago é prejudicado, e além de não podermos utilizar o nutriente que fica parado no estômago, a possibilidade de desconforto gástrico é muito grande. A solução é sempre associar a ingestão de volumes fracionados com a ingestão de água, diluindo a concentração do alimento para facilitar o esvaziamento do estômago.
mulher bebendo água hidratação euatleta (Foto: Getty Images)Beber água junto com a alimentação pode evitar desconforto gástrico durante a atividade (Foto: Getty Images)
Com essa estratégia fica possível conciliar uma atividade física moderada e de longa duração com a absorção de nutrientes, evitando principalmente a hipoglicemia que inviabiliza a continuidade do exercício e compromete seriamente a sensação de conforto e a própria integridade física.

*As informações e opiniões emitidas neste texto são de inteira responsabilidade do autor, não correspondendo, necessariamente, ao ponto de vista do Globoesporte.com / EuAtleta.com.
EuAtleta Turibio Barros Fisiologia Especialista (Foto: EuAtleta)

TURÍBIO BARROS
Mestre e Doutor em Fisiologia do Exercício pela EPM. É membro do American College of Sports Medicine, professor e coordenador do Curso de Especialização em Medicina Esportiva  da Unifesp e fisiologista do São Paulo FC e coordenador do Departamento de Fisiologia do E.C. Pinheiros www.drturibio.com.


Fonte:http://globoesporte.globo.com/eu-atleta/saude/noticia/2016/08/como-consumir-alimentos-durante-exercicios-longos-sem-desconfortos.html#assunto-saude

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …