Pular para o conteúdo principal

COMO EXTRAIR O MELHOR DE 9 TIPOS DIFERENTES DE ÓLEOS

Saiba a diferença entre os óleos e tire o melhor proveito deles na sua dieta (Foto: Thinkstock)


Engana-se quem pensa que na hora H, na cozinha, todo óleo é igual: o ingrediente primário de qual cada produto é feito determina não só ganhos imensuráveis para a saúde de quem o consome como também qual tipo de utilização ele permite.

Para te ajudar na próxima ida ao supermercado, conversamos com nutricionista funcional carioca Patricia Davidson Haiat, responsável pelo corpão de beldades como Grazi Massafera, Paola Oliveira e Carolina Ferraz, que elaborou um verdadeiro guia de óleos com prós, contras e modo de uso a seguir.

Óleo de uva
Benefícios do uso: "Rico em vitamina E, é um super antioxidante que ajuda na revitalização da pele. É rico também em Omega 6, que é um ácido graxo com propriedades anti-inflamatórias, muito importante na cicatrização de feridas".
Lado ruim: "Por ser muito adocicado, não agrada a todos pelo paladar".
Melhor forma de utilizar: "Como hidratante para o corpo e para pele, pois ajuda na prevenção de estrias e celulites, devido à alta concentração de vitamina E. E pode ser também utilizado para temperar saladas e até mesmo para frituras, pois não forma substância cancerígenas em altas temperaturas".

Óleo de semente de abóbora
Benefícios do uso: "Rico em carotenoides, triptofano, e magnésio. Portanto, esse óleo é um  poderoso antioxidante, tem efeito de calmante natural e potencializa o nosso sistema imunológico".
Lado ruim: "Não pode ser utilizado para frituras, pois é sensível ao calor".
Melhor forma de utilizar: "Para temperar saladas e em preparações culinárias".

Óleo de oliva
Benefícios do uso: "Ele é rico em ácidos graxos monoinsaturados, como o ácido oleico, que ajuda a diminuir o colesterol ruim e aumentar o bom colesterol. É rico em antioxidantes que impedem a oxidação do colesterol e o acúmulo de placas de gorduras nos vasos sanguíneos".
Lado ruim: "Não pode ser utilizado para frituras, somente em preparações de pratos quentes, onde o calor é controlado".
Melhor forma de utilizar: "É recomendável para molhos de salada e pratos quentes - e sempre que possível no final do preparo".

Óleo de canola
Benefícios do uso: "O óleo de canola contém menor teor de gordura saturada, se comparado com outros óleos, e é rico em  ômega 3 e ômega 6".
Lado ruim:  "A canola cultivada no mundo é geneticamente alterada a fim de que consiga sobreviver ao plantio realizado com o uso de pesticidas nocivos tanto à planta quanto aos seres humanos. E esses agrotóxicos ficam armazenados justamente nos lipídeos da planta, ou seja, em seu óleo, que consumimos. Durante o processamento e refinamento, os óleos poliinsaturados dos quais são formados se deformam com a luz, com o calor e com a pressão. Desse modo, oxidam-se, aumentando os radicais livres em nosso organismo, o que causa o seu envelhecimento precoce.Tal processo gera óleos altamente inflamatórios, fazendo com que contribuam para o aumento de doenças degenerativas, do coração e ainda facilitem o ganho de peso".
Melhor forma de utilizar: "Melhor optar por um óleo mais saudável".

Óleo de girassol
Benefícios do uso: "Este óleo é rico em vitamina E, que ajuda a prevenir doenças como asma, artrite reumatóide e câncer de cólon".
Lado ruim: "Ele é rico em ácidos poliinsaturados, que podem reagir com o organismo oxidando e danificando o sangue arterial. O excesso desses ácidos também pode elevar os níveis de pressão arterial, causando distúrbios renais e outras complicações graves. O consumo excessivo pode causar obesidade, dores nas articulações e diabetes".
Melhor forma de utilizar: "Melhor optar por um óleo mais saudável".

Óleo de linhaça
Benefícios do uso: "O óleo de linhaça é saboroso e conhecido por sua alta concentração de ácidos graxos ômega 3, que reduz a inflamação nas articulações, pele e rins, mas também reduz os níveis de colesterol".
Lado ruim: "Não pode ser esquentado, sendo utilizado somente em preparações a frio".
Melhor forma de utilizar: "Na salada".

Óleo de abacate
Benefícios do uso: "É rico em beta-sitosterol, gorduras monoinsaturadas, vitamina A e um alto teor de vitamina E, quase o dobro do óleo de semente de uvas. E por conter essas propriedades nutricionais o óleo ajuda a reduzir os níveis de cortisol, hormônio responsável pela compulsão por comer e pelo acúmulo de gordura na região do abdôme".
Lado ruim: "Não tem".
Melhor forma de utilizar: "Pode ser consumido puro ou utilizado em diversas preparações, é mais estável a altas temperatura, podendo ser utilizado em preparações quentes, como refogados e frituras, sem alterar sua estrutura química".

Óleo de amendoim
Benefícios do uso: "É rico em vitamina E e Ômega 6, que previnem a formação dos radicais livres, combatendo o envelhecimento precoce; o Ômega 6 é um renovador celular. O óleo tem grande quantidade de gorduras monoinsaturadas/insaturadas, que previnem a formação de coágulos nas artérias, protegendo o coração".
Lado ruim:  "Seu uso deve ser moderado, se consumido em grandes quantidades, pode perder o efeito".
Melhor forma de utilizar: "Pode ser usado em frituras, já que é mais resistente à oxidação do que os demais óleos e azeites, além de não engrossar, não soltar fumaça e nem escurecer durante o processo de fritura".

Óleo de coco
Benefícios do uso: "Tem propriedades antiviral, antifúngica e  antibacterianas. Contém triglicerídeos de cadeia média, que é de fácil absorção, não acumulando na forma de gordura".
Lado ruim: "Por ser metabolizado no fígado, portanto quem possui alguma doença hepática deve evitar o consumo excessivo".
Melhor forma de utilizar: "Em saladas e em preparações quentes, até mesmo em frituras, pois é resistente a altas temperaturas e não sofre deterioração". (VICTORIA MARCHESI)


Fonte:http://vogue.globo.com/beleza/fitness-e-dieta/noticia/2015/05/oleos-oleos-oleos-como-extrair-o-melhor-de-9-tipos-diferentes-deles.html

Saiba a diferença entre os óleos e tire o melhor proveito deles na sua dieta (Foto: Thinkstock)

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …