Pular para o conteúdo principal

ESTUDO REVELA IMPACTO AMBIENTAL DE CULTURAS GENETICAMENTE MODIFICADAS

Campo de milho

O economista Federico Ciliberto da Universidade de Virginia estudou o impacto ambiental das culturas geneticamente modificadas.


De acordo com um novo estudo do economista Federico Ciliberto da Universidade de Virginia, a adoção generalizada de culturas geneticamente modificadas causou uma redução do uso de inseticidas, mas um aumento do uso de herbicidas, à medida que as ervas daninhas se tornaram mais resistentes.

O trabalho de investigação – que utilizou dados de mais de 5000 agricultores de soja e de 5000 agricultores de milho, nos Estados Unidos, de 1998 a 2011 – é considerado o maior estudo sobre culturas geneticamente modificadas e uso de pesticidas até à data, destacando-se de anteriores trabalhos, limitados a dados de apenas um ou dois anos.
“O facto de que dispomos de 14 anos de dados (…) de agricultores espalhados pelos EUA torna este estudo muito especial”, declarou o economista. “Temos observações sucessivas dos mesmos agricultores e podemos ver quando eles adotaram sementes geneticamente modificadas e como isso modificou o seu uso de químicos.”

Juntamento com os seus colegas, o investigador mediu o impacto ambiental das mudanças no emprego de substâncias químicas, resultantes da introdução de culturas de OGM, usando uma medida denominada “quociente do impacto ambiental”.

Os investigadores concluíram que o uso de culturas de soja geneticamente modificada se correlacionou com um impacto negativo no ambiente, uma vez que o aumento da utilização de herbicidas também aumentou a contaminação dos ecossistemas locais.
Federico Ciliberto declarou-se surpreendido com a dimensão do aumento do uso destes químicos e mostrou-se preocupado com as implicações que este fator poderá ter para o ambiente. “Não estava à espera de ver um padrão tão acentuado”, afirmou.


Desde 2008, mais de 80% das culturas de milho e de soja do país são transgénicas. As sementes de milho são modificadas com dois genes – um mata os insetos que comem a semente e um outro permite à semente tolerar o glifosato, um herbicida frequentemente usado em produtos como o Roundup – e a soja é modificada com um gene resistente ao glifosato.
Durante o período de 13 anos estudado, os agricultores de milho transgénico utilizaram menos inseticidas e herbicidas (menos 11,2% e 1,3% , respectivamente) do que os agricultores de plantações de milho convencional. As culturas de soja transgénica, por outro lado, viram um aumento significativo do uso de herbicidas – 28%. “No princípio verificou-se uma redução na utilização de herbicidas, mas, com o passar do tempo, o uso de químicos aumentou porque os agricultores tiveram de adicionar novos químicos, à medida que as ervas daninhas foram desenvolvendo resistência ao glifosato, explica Federico Ciliberto, acrescentado que os agricultores de milho ainda não tiveram de lidar com o mesmo nível de resistência, em parte por não terem adotado os organismos geneticamente modificados tão rapidamente como os agricultores de soja.

O estudo, que foi públicado no jornal científico Science Advances, encontrou, contudo, provas de que tanto os agricultores de milho como os de soja utilizaram uma quantidade maior de herbicidas durante os últimos cinco anos estudados, o que indica que a resistência desenvolvida pelas plantas é um problema crescente para ambos os grupos. De 2006 a 2011, a percentagem de hectares pulverizados unicamente com glifosato caiu de mais de 70% para 41%, no caso do cultivo de soja, e de mais de 40% para 19%, no caso do de milho. “As evidências sugerem que as ervas se estão a tornar mais resistentese que os agricultores se estão a ver forçados a utilizar químicos adicionais, e um maior número destes”, declarou o investigador.

Os insetos não parecem ter desenvolvido uma resistência semelhante, o que se deve, em parte, aos regulamentos federais que requerem que os agricultores criem um “refúgio seguro” livre de OGM, nos seus campos. Nestes “refúgios”, os insetos não têm necessidade de desenvolver resistências e, ao interagirem e se reproduzirem com insetos de outras partes do campo, evitam o desenvolvimento de genes resistentes.
Apesar da diminuição do uso de inseticidas, o contínuo aumento do emprego de herbicidas apresenta riscos substanciais para o ambiente, dado que grandes quantidades destes químicos podem prejudicar a biodiversidade e aumentar a poluição da água e do ar

1ª foto: Universidade de Virgínia


Fonte:http://www.theuniplanet.com/2016/10/estudo-revela-impacto-ambiental-de.html

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …