Pular para o conteúdo principal

RECUSOU A QUIMIOTERAPIA PARA UM TUMOR INOPERÁVEL NO CÉREBRO E OPTOU POR MUDAR A DIETA...OS RESULTADOS FORAM IMPRESSIONANTES

Pablo5

Recusou a quimio e optou apenas por mudar a dieta… Os resultados são impressionantes!

Pablo Kelly acredita convictamente que é a única pessoa viva com o diagnóstico de um tumor terminal como o seu e que continua vivo sem qualquer tratamento ou cirurgia.

Pablo5

Não é preciso ser um médico para supor a influência de nossa alimentação, para o bem e para mal, sobre a nossa saúde. Se, por um lado, a quantidade incalculável de químicos que ingerimos, na maioria, de alimentos, hoje inquestionavelmente influência e até fabrica a maior parte das doenças de que sofremos, por outro cada vez mais se comprova possível um trabalho de melhora (até mesmo de cura) através da preocupação com o que ingerimos. O caso do inglês Pablo Kelly, se comprovado, pode ser, no entanto, um exemplo dos mais extremos – e felizes.

Pablo Kelly who turned down chemotherapy to treat a brain cancer and turned to a special diet instead. Doctors had given him 6 monthds to live but 2 years on he is still healthy. See SWNS story SWCANCER: Pablo Kelly was given months to live after doctors found a terminal tumour in his brain. He rejected chemotherapy in favour of a specialist, meat and fat-heavy diet and is still alive two years later. At 25 years old Pablo, from Wrangaton, was diagnosed with stage 4 glioblastoma multiforme - a terminal brain tumour. Due to the tumour's position in Pablo's brain it was also inoperable. "I was devastated," Pablo said.

Hoje com 27 anos, Pablo foi diagnosticado, dois anos atrás, com um tumor inoperável no cérebro. A sua condição seria terminal.

Pablo1

A única solução possível seria a quimioterapia, disseram os médicos. Pablo, porém não se conformou, e no lugar do tratamento tradicional, optou por uma mudança radical na sua alimentação, na direcção de uma dieta rica em gordura, livre de carbohidratos, com jejuns frequentes e calorias restritas.

A sua única fonte de carbohidratos tornou-se, na realidade, vegetais verdes. Pablo deixou de comer alimentos processados, açúcar refinado, raízes, amido, pães e grãos. Dois anos e cinco tomografias depois, o seu tumor permanece incrivelmente estável, sem qualquer sinal de crescimento, e Pablo segue vivo e bem, contrariando todas as expectativas médicas. Ele próprio acredita ser a única pessoa viva diagnosticada com um tumor terminal como o seu que segue sem tratamento ou cirurgia.

Pablo4

A dieta se chama Cetogénica, e a teoria é que ao reduzir o consumo de carbohidratos seria possível cortar o “combustível” do tumor, fazendo com que este se estabilize. O próximo passo de Pablo é, logicamente, fazer o tumor diminuir através da dieta. É importante frisar, porém, que não há comprovação científica dessa teoria, e que nenhuma instituição ou organização médica recomenda uma dieta rica em proteína e baixa em carbohidrato como tratamento contra o cancro. A recomendação dos médicos é firme: junto de qualquer tratamento alternativo, deve-se seguir os tratamentos tradicionais, mais eficientes e comprovados.

Fonte:http://www.altamente.org/recusou-a-quimio-e-optou-apenas-por-mudar-a-dieta-os-resultados-sao-impressionantes/

Postagens mais visitadas deste blog

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

ALOE VERA : A MARAVILHA PROIBIDA

Aloe Vera: A Maravilha ProibidaAloe Vera é geralmente chamada de a planta milagrosa, a cura natural, dentre outros nomes que sobreviveram por 4.000 anos dentro dos quais essa planta tem beneficiado a humanidade. George Ebers em 1862 foi o primeiro a descobrir o uso da Aloe na antiguidade em um antigo manuscrito egípcio datado de 3500 AC, o qual foi de fato uma coleção sobre ervas medicinais. Outros pesquisadores desde então descobriram que a planta era usada também pelos chineses e indianos antigos. Médicos gregos e romanos como Dioscorides e Plínio usavam Aloe obtendo maravilhosos efeitos e legendárias sugestões que persuadiram Alexandre O Grande a capturar a ilha de Socotra no Oceano Índico com o intuito de obter sua rica plantação de Aloe para curar seus soldados feridos nas guerras. As rainhas egípcias Nefertiti e Cleópatra taxaram grandiosamente a Aloe como sendo o melhor tratamento de beleza. Naqueles tempos beleza e saúde estavam intimamente ligadas, muito mais que estão atualme…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …