Pular para o conteúdo principal

REEDUCAÇÃO E SUPLEMENTAÇÃO ALIMENTAR NA CIRURGIA BARIÁTRICA : FASE 1,2,3 E 4

A reeducação e a suplementação alimentar são fundamentais para o paciente que opta pelo tratamento cirúrgico da obesidade. Sem isso é possível que o resultado seja comprometido. Os cuidados nutricionais garantem que o paciente realize a adequação de nutrientes e calorias para ter uma boa recuperação no pós-operatório, preserve massa magra durante o emagrecimento e também minimize problemas como o refluxo, a saciedade precoce e o Dumping, além de readequar o organismo a sua nova realidade.
O período pós-operatório da cirurgia bariátrica é delicado, como o de qualquer outra cirurgia, é preciso seguir a risca as orientações médicas e respeitar cada fase alimentar para que não haja complicações na recuperação.

Veja quais os tipos de alimentos que se deve ingerir em cada fase e como cada uma funciona:

1ª fase: Alimentação líquida
A primeira etapa é marcada por uma dieta líquida que dura aproximadamente 15 dias. Nesse período é liberado água de coco, isotônicos, suco e chá com adoçante. Os alimentos deverão ser tomados lentamente, utilizando–se a técnica de ingestão controlada, Constituída de pequenos volumes, cerca de 100 a 150 ml, fracionados em 6 a 8 vezes ao dia, respeitando um intervalo de 2 a 3 horas entre cada refeição.
2ª fase: Dieta pastosa
A segunda fase se inicia aproximadamente no 30º dia após a cirurgia. Nesse período são liberados alimentos de consistência pastosa como purês, pastas ou cremes, suflê, caldo de feijão, carne triturada ou moída, legumes ralados e sem casca. Os alimentos deverão ser bem triturados e mastigados para uma boa adaptação na câmara gástrica. Deve-se dar preferência aos alimentos mais nutritivos, pois o volume tolerado é cerca de 1 a 2 colheres de sopa de cada alimento, conseguindo atingir em uma refeição cerca de 120 a 150 g de alimento.
7ff502a62b7b79ddd7ce710833c217c0
3ª fase: Dieta branda
Esta fase acontece por volta do 3º mês após a cirurgia. Aqui já são permitidos alimentos próximos a consistência normal mantendo-se a restrição à alimentos crus, frituras e com fibras. O volume alimentar tolerado é cerca de 120 a 150 g de alimento.
4ª fase: Independência alimentar
Após o 4º mês, a Dieta deverá ser normal, respeitando as características individuais de cada paciente e mantendo apenas o controle de volume e balanceamento nutricional. As restrições alimentares serão em relação ao consumo de bagaços, sementes, cascas duras especialmente de verduras e legumes, alimentos como carnes duras, empanados e frituras.
No geral para você manter uma boa saúde e não ter nenhuma complicação após a cirurgia bariátrica você deve seguir as orientações do seu médico, retornar as consultas periodicamente e procurar seguir os passos:
  • Mastigar muito bem os alimentos, alimentando-se ambiente tranqüilo e sem pressa.
  • Plano alimentar com seis refeições fracionadas ao dia, pequenos volumes e freqüentes.
  • Procurar equilibrar a dieta ao longo do dia.
  • Parar de comer assim que sentir-se satisfeito.
  • Ingerir líquidos somente entre as refeições, nunca durante, preferindo água ou água de coco.
  • Praticar atividade física diária
Se você tiver dúvidas em relação a 1 fase (dieta líquida) é só clicar neste link e book
Gostou? É só você me seguir para receber diariamente dicas de nutrição e saúde.

Fonte: http://www.sbcbm.org.br/wordpress/entenda-melhor-as-fases-nutricionais-do-pos-operatorio-de-cirurgia-bariatrica/

Postagens mais visitadas deste blog

TIPOS DE SAIS USADOS NA CULINÁRIA E SUAS PROPRIEDADES

Tipos de Sais e suas Diferenças
Nós sabemos que o sal é um nutriente obrigatório na dieta de qualquer pessoa, todos precisam de sal para viver, mas é preciso muito cuidado no consumo do sal. O cloreto de sódio é responsável por males perigosos como hipertensão e doenças cardiovasculares. Existem alguns tipos de sal e acredite, muitos podem substituir o sal de mesa refinado, o vilão desta história toda! Saiba das diferenças. Sal refinado ou de mesa: É o mais comum e o mais usado no preparo de alimentos. É dissolvido e recristalizado a temperatura e pressão controladas em instalações industriais. De acordo com as leis brasileiras, o sal de cozinha deve ser acrescido de iodo para se evitar o bócio. Light: o sal light foi criado para diminuir a quantidade de sódio consumido, já que este mineral adere à parede das artérias, contribuindo para elevar a pressão sanguínea. O sal light possui menos da metade de sódio encontrada no sal branco refinado. No entanto, o sabor é um pouco amargo. Flor de …

OVOS - QUANTOS POSSO COMER POR DIA ?

Ovos — Quantos Posso Comer por Dia?

Os ovos são uma fonte ampla­mente disponível, barata e ver­sátil em ter­mos de pro­teí­nas, cál­cio e vit­a­m­i­nas. Eles tam­bém são fre­qüen­te­mente asso­ci­a­dos a efeitos adver­sos como prob­le­mas de coles­terol e dia­betes. No entanto, a pesquisa atual mostra que o con­sumo mod­er­ado de ovos pode ser seguro e bené­fico para adul­tos saudáveis. A ingestão diária depen­derá de uma série de fac­tores, incluindo a história da saúde, sexo e nível de activi­dade da pessoa.


Nutrição

Famosos por seus altos níveis de pro­teína e cál­cio, os ovos con­têm uma série de vit­a­m­i­nas e min­erais impor­tantes. Um único ovo cozido grande tem ape­nas 78 calo­rias, mas ofer­ece 6,29 g de pro­teína, 25 mg de cál­cio, 0,59 mg de ferro e 112,7 mcg de col­ina. O ovo con­tém 22 mcg de ácido fólico, 260 UI de vit­a­m­ina A, 44 UI de vit­a­m­ina D e 176 mcg de luteína e de zeax­an­tina, bem como peque­nas quan­ti­dades de muitas das vit­a­m­i­nas do com­plexo B.
Coles­…

O QUE SÃO BIOFLAVONÓIDES ?

São pigmentos vegetais hidrossolúveis, que dão cor às cascas, caules, flores, folhas, frutos, raízes e sementes das plantas, cujas variantes catalogadas já somam mais de 1.200, dividas em inúmeros subgrupos – flavonas, flavonóides, flavononas, isoflavonas etc.      Os bioflavonóides foram descobertos pelo Prêmio Nobel Albert Szent-Gyorgyi durante o processo de tentativa de isolar a vitamina C. A primeira propriedade por ele observada foi a ação protetora que exerciam sobre a capilaridade ao interromper o sangramento das gengivas. Estudos subseqüentes mostraram, no entanto, que os bioflavonóides não respondiam às definições das vitaminas, assim como não era possível identificar sintomas típicos para sua deficiência – razões alegadas pelo FDA, em 1968, para declará-los terapeuticamente ineficientes e proibir a sua prescrição médica. Esses argumentos, porém, não foram suficientes para interromper as pesquisas, que logo constataram a interdependência dos bioflavonóides com a vitamina C – …